domingo, 8 de janeiro de 2017

MEMÓRIAS DE INFÂNCIA... AO SOM DE UM FADINHO

Chove...
Vou no carro...
O tempo está frio, o céu está completamente nublado...
Estou a conduzir e ligo o rádio do carro. Procuro aleatoriamente uma estação e, depois de muito insistir, que a antena não encontra facilmente uma sem interferências e ruídos, paro na «Rádio Amália».
Toca um fado qualquer. Não o conheço. Não me diz nada, nem pelas palavras, nem pela voz do fadista que, cantando afinado, desconheço.
No entanto, o conjunto (o tempo nublado, a chuva a cair, o som do fado, a melodia, o som da guitarra...) me conduzem 30 anos para trás.

Estou em Palmela, em casa dos meus avós maternos. Era lá que se ouvia muito fado.
A minha avó Delmira acompanhava os que conhecia, cantarolava os que ia aprendendo.
Tinha lá ficado a dormir mais a minha irmã e brincávamos as duas, brincávamos com tudo o que havia. Passávamos sábados, domingos, dias de férias, tardes inteiras a brincar. Brincávamos com tudo o que podíamos brincar.
A minha avó tinha muitos lenços, echarpes e xailes e nós brincávamos com eles. Fazíamos dos lenços vestidos, tops com minissaia, usávamos os seus sapatos, que na altura ainda nos estavam grandes apesar de serem de um número pequenino, inventávamos...
Brincávamos com as malas e fingíamos que éramos crescidas. Às vezes fazíamos passagens de modelos... uma desfilava e a outra, que era a estilista, ia apresentando as suas criações, descrevendo-as uma a uma.
Fazíamos de conta.
Brincávamos aos escritórios. Uma era a gestora ou administradora de uma empresa e a outra era a secretária. Praticamente qualquer objetivo servia para fazer de telefone. Escrevinhávamos, mesmo quando ainda não sabíamos escrever.
Brincávamos aos médicos e passávamos receitas imaginárias ou escritas em folhas e bloquinhos que apanhávamos lá por casa.
A minha avó tinha um dossiê pequenino com uns cartões com que gostávamos de brincar (acho que de prestações de compras de atoalhados e afins feitas a uns comerciantes numas carrinhas). Eram antigos e já não tinham uso, por isso brincávamos com eles durante horas a fio.
Enquanto o fado tocava como música de fundo, a minha avó cozinhava ou fazia malha, costurava ou fazia tricô, mas sempre cantarolava e nós, felizes, brincávamos.
Lembro-me de brincar com os muitos botões da minha avó. Passávamos tarde entretidas a colocar fita-cola ao contrário em cartões para que os botões ficassem presos e organizados por cores e/ou tamanhos, parecido com o que víamos na retrosaria. Depois brincávamos às lojas, usando pedaços de papel de revista como notas e moedas. Nem sei como conseguíamos comprar e vender tantas vezes 😀, mas brincávamos e éramos miúdas felizes. Éramos companheiras.

A música que continuava a tocar no rádio, aqueles fados que não conhecia, a chuva continuando a cair, o frio lá fora... trouxe as saudades em tantas memórias de um tempo em que tudo parecia fácil, em que a vida, apesar de dura e complicada para os adultos, para mim era tão simples como brincar ao faz-de-conta.
Tenho saudades de ser criança. 💗


Sem comentários :

Enviar um comentário