quarta-feira, 9 de março de 2016

A MINHA GATA SOFRE DE STRESS

Podia bem ser o título de um livro ou filme, daqueles que nos fazem rir às gargalhadas só de imaginar os nossos gatos com uma vida ao estilo humana.
Podia ser porque exijo demasiado das minhas gatas ou as trato mal deixando-as numa só divisão sem apanhar sol nem ter espaço para correr, não lhes dando de comer, deixando-as sozinhas, batendo-lhes...
Mas não.
A minha gata Rosinha sobre de stress e nada disto é uma realidade cá em casa porque a minha princesa felina é tratada mesmo como realeza e tem (aparentemente) uma vida maravilhosa como qualquer gato gostaria de ter. Ela e a sua mana felina fazem mesmo parte da família desde pequeninas!
O diagnóstico da veterinária deixou-me admirada e pre
ocupada, mas realmente explica o que se andava a passar: a minha menina estava com falta de pêlo em alguns sítio (onde a via coçar-se com os dentes) e andava a fazer xixis em sítios que não devia.
Agora estamos todos muito alertados para o problema e a fazer de tudo para que vá recuperando, aos poucos, a sua tranquilidade normal. (Confesso que ponderei começar a dar-lhe ansiolíticos dos meus!)


Porque ficam os gatos com stress?

Quando se sentem no controlo do ambiente onde vivem e confortáveis no mundo à sua volta, os gatos são animais bem comportados e muito meigos.
No entanto, são seres bem mais sensíveis do que os humanos e sentem-se mais facilmente incomodados por alterações nesse ambiente ou nas rotinas a que estão habituados, o que, a longo prazo, pode aumentar o seu nível de stress e de ansiedade.
Perante situações causadoras de stress, os gatos podem ter diferentes reações e comportamentos, desde a agressividade à apatia ou à fuga, que usam para tentar resolver os desafios.
A situação de stress instala-se quando um felino não consegue resolvê-los recorrendo a estas opções. Aí, desencadeiam-se alterações no seu sistema nervoso autónomo, que regula, por exemplo, o batimento cardíaco e a respiração. Estas alterações ajudam os gatos selvagens a reagir perante o perigo e o inesperado, mas não os domésticos, podendo mesmo agir contra eles.
São diversas as situações que poderão causar stress nos gatos, desde uma simples alteração nas rotinas do animal, do ambiente e/ou dos donos, até a conflitos com outros felinos. Por exemplo:
- Mudança de casa ou na disposição do mobiliário;
- Chegada de um bebé ou de outro animal de estimação;
- Mudança de horários e rotinas dos donos;
- Mudança de horários e rotinas dos gatos, mesmo em termos de carinho e presença;
- Solidão, por estar muito ou mais tempo sozinho;
- Tédio ou falta de brincadeiras e desafios;
- Excesso de barulho;
- Stress e ansiedade dos donos;
(...)
 


Quais os sinais a que devemos estar atentos?

Tal como acontece em qualquer outra doença (quer em animais, quer em nós), o stress em gatos não se revela sempre da mesma forma, dependendo do organismo do animal, do que despoletou o problema, da gravidade da situação e da duração da mesma.
No entanto, há sempre uma mudança no comportamento do bichano, que poderá apresentar alguns destes sintomas:
- alterações nos xixis e cocós: incómodo a urinar, micção frequente, sangue na urina, xixis e cocós fora do local próprio;
- aumento das lambidelas, muitas vezes acompanhado de falta de pelos nas zonas mais afetadas;
- diarreia e/vómitos;
- miados em exagero (em quantidade e intensidade), usados para chamar a atenção do dono;
- estado de inquietação: andar de um lado para o outro, vigiar o seu espaço, procurar ameaças;
- atitudes de isolamento (escondendo-se ou evitando o contacto);
- alterações no apetite;
- arranhões verticais em locais visíveis;
- atitudes agressivas com pessoas e outros animais;
(...)





Para avaliar os níveis de stress do seu gato, faça o teste de stress do gato

 
Como tratar esta patologia?

Muitos dos sintomas de stress podem ser sinais de outra doença, por isso é muito importante que o nosso bichinho seja levado ao veterinário, para que a sua condição física seja avaliada.
Depois, devemos tentar conhecer quais as causas do seu comportamento, eliminando todos os possíveis constrangimentos para o gato.
No entanto, não podemos esquecer que muitas vezes a causa já foi removida e o gato continua a agir de forma stressada porque adquiriu um comportamento compulsivo.
Devemos manter a casa limpa e dar ao gatinho muita atenção, tendo cuidados especiais com a sua alimentação e higiene, salvaguardando o conforto e o carinho, mantendo-o sempre mais próximo de nós. As brincadeiras também são essenciais. Contudo, a rotina do gato deve ser o mais próximo possível da normalidade.

Proporcionarmos ao nosso gato um ambiente rico e estimulante é muito importante.
Se ele fica muito tempo sozinho em casa, poderemos usar deixar a televisão ligada por um bocado ou deixar um aquário à vista dele para o distrair.
Se estamos em casa, devemos reservar um tempo para brincarmos com ele.
Se o nosso bichano estiver a desenvolver um dos comportamento de stress à nossa frente, não devemos puni-lo nem recompensá-lo, mas apenas fazer com que desvie a sua atenção.

Podemos, ainda, salvaguardar possíveis consequência do stress do nosso gatinho, com ações que promovam maior conforto:
- aparar-lhe as garras;
- eliminar pulgas, desparasitando-o;
- baixar o volume da televisão, do rádio ou do computador;
- tranquilizar o animal, dando-lhe consolo;
- criar refúgios para se esconder na casa;
- promover um ambiente estável e pacífico.

Há também no mercado algumas ajudas extra que poderão ser usadas como auxiliares no nosso papel de dono atento e meigo:

FELIWAY - réplica de feromonas que os gatos deixam naturalmente nos locais onde se sentem confortáveis e que os deixam mais tranquilos, não sendo identificáveis pelo olfacto humano ou de outros animais.

ZYLKENE - relaxante e suplemento nutricional anti-stress, produzido a partir de derivados do leite.

FLORES DE BACH - remédios feitos à base de flores, que poderão ser adicionados à alimentação ou água do animal


4 comentários :

  1. Muito interessante, também tenho um gato e portanto gostei do teu post pois não sabia disso tudo...
    Beijinhos e as melhoras,

    http://chocopink89.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tânia!!
      Eu também nunca imaginei que os gatos pudessem sofrer destes problemas...
      Bora partilhar?!
      Bjs

      Eliminar