sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

NISTO SIM, EU ACREDITO! E NÃO NO SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS!

 O MELHOR SISTEMA DE ENSINO - NA FILÂNDIA
O SISTEMA DE ENSINO NA FINLÂNDIA
(clicar na imagem para ler a notícia)

Aqui, sim, seria mesmo feliz a trabalhar. É mesmo nisto que acredito! Mesmo!
E tentar, em sala de aula, fazer algo semelhante em Portugal esgota quem ama o que faz. Sei-o porque me sinto esgotada... Sei-o porque entrei na profissão com o maior amor por aquilo que faço e sinto-me cansada apenas com 16 anos de ensino. Sei-o, e sinto-o, porque tentei sempre chegar a cada um dos meus alunos, conhecê-los e respeitar as suas necessidades e interesses, construindo com eles os saberes e ajudando a que aprendessem o tal programa de uma forma motivadora e integrada. E é com pena, com desânimo e desgosto que, ano após ano, me foram sendo cortadas as asas da paixão, por metas rigorosas que não deixam espaço à individualidade dos alunos.
O sistema educativo do nosso país corta o entusiasmo dos professores que amam o que fazem, que se dedicam e que acreditam que a escola nunca poderá ser um espaço que os alunos não gostam de frequentar.
A escola existe porque há alunos.
A escola existe porque aprender é uma necessidade, um prazer e um direito de todos.
Porque se transformou, então, numa obrigação chata para a maioria dos alunos?
Porque só gostam eles dos intervalos, do convívio com os amigos e da relação com alguns professores e (consequentemente??) com algumas disciplinas.
Porque começam desde pequenos a "trabalhar" em algo que não gostam, antevendo que poderá ser assim para toda a vida, uma vez que a escola pretende "prepará-las para a vida ativa em sociedade"?
Não compreendo, não aceito, não quero.
Não gosto de ter os meus filhos neste sistema de "salve-se quem puder", de pautas e números, de matérias apressadas e desmotivantes, de "empinanços" de termos e conceitos, de correrias entre aulas, de competição em vez de cooperação.
Não gosto de os "obrigar" a irem para um local que não ajuda a que sejam felizes, apesar de os enriquecer em conhecimentos aprofundados e mágicos que, em alguns cliques, conseguiriam aprender através do "google". Sim, porque já não há tempo para as aulas de dúvidas.
Já não há tempo (nem espaço) para fazer exercícios, treinar, fazer trabalhos de grupo, investigar, apresentar propostas, antever soluções e confiar na turma como um grupo unido "melhor do que qualquer outro".
Já não há tempo (nem espaço!!) para o professor circular entre as mesas e acompanhar calmamente os que têm maiores dificuldades. Já não há tempo para ter "calma"... nem tempo (nem paciência) para conversar e perceber o que se passa na cabeça enquanto os conhecimentos entram e após os conflitos de opiniões, de saberes e de atitudes.
As crianças trabalham tantas ou mais horas do que os adultos... As crianças estão horas e horas enfiadas no mesmo espaço, a ver as mesmas gentes e a entrar sistematicamente em rotinas sem interesse e que os "preparam" para ser "os melhores".
Amo ser professora e amo ensinar. Ou melhor, amo ajudar a aprender... amo encaminhar, acompanhar, apoiar, orientar saberes e mentes em busca de conhecimento. Porque todos os alunos adoram saber mais e mais. Todas as crianças e jovens precisam saciar a sua sede de conhecimentos, de saberes e de aptidões em todas as áreas e ciências do mundo.
E o nosso sistema de ensino deveria ter os alunos como foco principal. Mas não tem!! (Sabe-se lá porquê!!)


2 comentários :

  1. Adorei! Sabia que ias escrever exatamente isto! E porquê, porque não fazem as leis para educar e ensinar os meninos as pessoas que sabem, porquê?
    Na minha humilde profissão ligas às crianças sempre senti que havia algo mal no ensino. Os miudos são tão felizes, quando fazem o que gostam!!! Adoro-te.

    ResponderEliminar