domingo, 10 de janeiro de 2016

RODA O LIVRO 2 - "TÃO VELOZ COMO O DESEJO"

O segundo livro do Desafio Literário "Roda o Livro" (2015)  foi uma agradável oportunidade de leitura. Tinham já passados muitos anos desde a última vez que lera Laura Esquivel e voltar a pegar numa obra sua foi divinal.

"Tão veloz como o desejo" é um livro pequeno, que se lê rapidamente, mas que apetece demorar a largar. Temos de o devorar mesmo, mas aproveitando o melhor possível cada página, cada lição de amor. Não devemos cair na tentação de o ler numa noite, pois corremos o risco de não tirar dele um efeito prolongado.

A escrita de Laura Esquivel é cativante e doce, carregada de sensações, de aromas e de sabores. Não é complexa, mas simples de entender, carregando também muito conteúdo para além das palavras e das frases. O que escreve é muito bonito e de fácil leitura, mas, se estivermos dispostos e sensíveis às mensagens que se encontram por detrás da dança das palavras, conseguimos conhecer um mundo paralelo de alegorias que nos carrega de emoções e nos faz viver cada capítulo.

A história do livro é sinestésica, tranquilizante e apaixonante.
Fala-nos sobre um grande amor entre um homem simples e a mulher dos seus sonhos, pela voz da sua filha mais nova, que, contando o presente e invocando o passado, nos vai abrindo caminho para os episódios mais marcantes da relação entre os pais.

As personagens principais são poderosas e aparecem muito bem caracterizadas, sem a necessidade de parágrafos de descrições físicas e psicológicas. Elas revelam-se no que fazem e dizem, parecendo reais e "visíveis" enquanto lemos.
Todas as outras personagens, bem como os cenários de fundo, enquadram muito bem a história de amor contada no livro e são também muito ricas e reais.

Gostei bastante da forma como pai e filha se relacionam, não sendo preciso falar muito sobre o passado desta relação para se compreender a cumplicidade entre os dois a partir do contacto que têm no presente.
Fiquei encantada quando, ao ler os agradecimentos iniciais (que tenho a mania de só ler no fim), reparei que esta foi uma dedicatória da autora ao seu próprio pai.

Todo o livro é um mundo de emoções e sensações, de imagens, de surpresas e de histórias e fiquei com a impressão que é daqueles que ou se ama ou se detesta.

A OPINIÃO DA CARINA AQUI

A OPINIÃO DA LURDES AQUI

A OPINIÃO DA SOFIA:

Já tinha lido este livro, mas já talvez há mais de uma década e já não me lembrava da história portanto reli-o com muito gosto. 
É uma história que considero que nos entra pela alma e fica lá instalada durante toda a sua leitura. Senti imensas emoções diferentes, pena, raiva, carinho, tristeza e alegria. Fez-me pensar principalmente sobre a pureza e a simplicidade com que a autora desenrola a história de 2 pessoas que podem estar em sintonia apenas estando uma ao lado da outra. 
Gosto muito desta escritora, gosto dos seus poucos livros que já li principalmente porque não é daqueles romances "...e viveram felizes para sempre". Há sempre uma personagem diferente do resto do mundo, o que torna tudo melhor na história. Hei-de voltar a ler este livro mais vezes. Se calhar a cada dez anos.

4 comentários :

  1. Gostei muito da opinião que escreveste. Apesar não me identificar com o género, acabei por gostar do livro e recomendo ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá querida. É bom ler a opinião de quem aprecia outros géneros. Tb gostei da tua.Bjs

      Eliminar
  2. Não conhecia sequer a escritora. Em tempos, lia imenso. Este ano, um dos objetivos é reaver o hábito. Vou começar a anotar as tuas sugestões :)
    Beijinho, Lu
    blogdamamalu.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lu.
      Quem sabe aceites um dos desafios que propuser aqui no blogue e nos deixes incentivar a leitura!
      Beijo

      Eliminar