sábado, 31 de outubro de 2015

UM MIMO PARA MIM - LOW COST PERFUMES

Os últimos dias não têm sido fáceis para mim, mas ontem decidi que tinha de reagir e erguer a cabeça, tentar ser eu mesma e andar de sorriso nos lábios.
Escolhi o meu vestido favorito, acessórios a condizer e as minha botas preferidas. Tomei um banho de imersão, lavei o cabelo com um novo champô, vesti-me e calcei-me, maquilhei-me...
Ao olhar-me ao espelho, achei que (até) estava bonitinha, mas definitivamente faltava-me qualquer coisa.
Quase pronta para sair de casa, decidi que era o dia e momento ideal para começar a usar os perfumes da LOW COST PERFUMES.
São três os perfumes que tenho desta loja online que vende perfumes de marca a preços imbatíveis, genericamente embalados e de alta qualidade.

Já imaginava que iria gostar bastante de conhecer melhor os produtos desta loja, que no início de outubro aceitou a parceria com o blogue e que gentilmente me ofereceu dois perfumes de 100 ml à minha escolha (n.º 120 e 167). É que já cá tinha outro, (n.º 113), ganho num passatempo, cujo aroma é maravilhoso, mas que ainda não tinha usado. Assim, pareceu-me a altura perfeita para juntar o útil ao agradável.

E se pensei, melhor o fiz. Não hesitando nem um pouco, voltei a cheirar cada um deles, analisei o seu aroma e a forma como ficavam na minha pele e cheguei a algumas conclusões sobre cada um deles:



120 - É um perfume feminino. Tem um aroma floral, intenso e sedutor. Cheira a rosas e violetas, com um toque de baunilha e almíscar. Parece-me indicado para mulheres delicadas, com personalidade forte, elegantes e sensuais, talvez para usar em saídas à noite ou em festas. (Ver aqui)

167 - É também um perfume feminino. Tem um aroma fresco, mas poderoso. Cheira a rum e a maracujá, com toques de almíscar e gardénia. Parece-me indicado para mulheres que gostam de estar no centro das atenções, com estilo e com sentido de humor. Penso que é bom para usar no dia a dia, no trabalho, em reuniões e em saídas com amigas.  (Ver aqui)

113 - É um perfume unissexo. Tem um aroma natural, puro, suave e puro. Cheira a tangerina, lavanda, chá verde, violeta, rosa e flor de laranjeira. Parece-me indicado para homens e mulheres alegres, sensuais e únicos, que gostam de se expressar livremente. Penso que é bom para em qualquer situação ou lugar.


E qual acham que foi a minha escolha para o dia de ontem?
Pois... tinha de ser o 167, pois a ideia era sentir-me poderosa e única, sensual e com estilo, chamando o sorriso durante todo o dia. E consegui... Apenas algumas gotas e toda a diferença se sentiu em mim, por dentro e por fora.

Ainda no elevador, onde o cheiro se espalhou, ficando mais pertinho do meu olfacto, senti mesmo a confiança a aumentar, bem como a vontade de erguer a cabeça e seguir olhando em frente. Quase parece impossível, mas, como pessoa que não tem sido muito dada a perfumes e que geralmente prefere uma água de colónia fraquinha, fiquei totalmente rendida e conto as horas para sair de novo e usar um dos outros perfumes.

Obrigada, LOW COST PERFUMES, pelo 2 mimos cheirosamente maravilhosos!!


OUTROS MIMOS
de MANUEL SILVA JÓIAS e de ROSAS DE CHÁ - ECOJÓIAS

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

DESAFIO: CONFISSÕES DE UMA BIBLIÓFILA

Venho responder a mais um desafio da minha amiga Liliana, do blog "Vamos doar livros à nossa biblioteca" que este mês já me tinha desafiado com ESTE tag.
Claro que não poderia dizer que não a tão querida amiga virtual, pois tem sempre ideias fantásticas no seu blogue e foi por lá que ganhei a ideia de vir a oferecer livros à biblioteca municipal cá da aldeia. (Será que consigo começar a fazê-lo em novembro?)

Ora vamos lá começar o desafio!


1. De que género literário te mantens longe?
Normalmente não gosto de livros de ficção científica, nem de fantasia. Religiosos e desportivos também não me chamam a atenção. 

2. Qual o livro da tua estante que tens vergonha de ainda não ter lido?
Não posso dizer que é vergonha, mas tenho vários livros do José Saramago nas minhas estantes e ainda não li nenhum, Quer dizer, quando andava no 12.º ano li "O Memorial do Convento", mas não era meu e não tive mais coragem de ler nenhum. Talvez um dia!!! (Bem que o avô paterno dos meus filhos me ofereceu vários para eu experimentar!!)

3. Qual é o teu pior hábito enquanto leitora?
São dois, um perigoso e outro um pouco "badalhoco": andar pela rua a ler e comer enquanto leio, o que faz com que as página (às vezes) fiquem com "medalhas".

4. Costumas ler a sinopse antes de ler o livro?
Quando vou comprar um livro, normalmente é pelo que leio na sinopse que me decido. Depois de os ter cá em casa, prefiro não ler mais as sinopses dos livros, até porque muitas são praticamente um resumo do livro e acabam por tirar o fator surpresa à obra.

5. Qual é o(s) livro(s) mais caro(s) da tua estante?
Eh lá!!! Pergunta muito difícil. Não sei mesmo. Acho que não tenho nenhum que se destaque dos outros... só se for algum dos que herdei da minha avó e só por serem mais antigos.

6. Compras livros usados?
Sim, compro muitas vezes, quer em feiras, quer na internet. Não tenho problema nenhum com isso e confesso que até gosto porque acabo por  muitas vezes descobrir "surpresas" neles, como autógrafos, contas de supermercado, frases sublinhadas... e gosto, porque sinto que o livro teve uma vida e a sua segunda oportunidade é comigo.

7. Qual é a tua livraria física favorita? 
Gosto de todas as Fnac's e tenho pena que a que se localiza mais perto, no Allegro de Setúbal, seja tão pequena. Acho que os setubalenses mereciam uma livraria maior!!

8. Qual é a tua livraria online favorita? 
A Wook, sem sombra de dúvidas. De fácil consulta e encomenda, com bons descontos e com muita variedade. Sou fã.

9. Tens um orçamento mensal para comprar livros? 
Tenho um orçamento mensal virtual, que tento não ultrapassar para chegar ao final do ano com saldo positivo.

10. A quem passas esta TAG?
Passo esta tag a 10 pessoas e blogues especiais:
- A Marina, do blogue Live Your Dream
- A Bárbara, do blogue A little bit of everything
- A Ana Raquel, do blogue A Leitura é um Oásis
- A Patrícia, do blogue Rosa Chiclet
- A Daniela, do blogue A Doce Sonhadora
- A Tânia, do blogue Life's Textures
- A Catarina, do blogue By Catarina
- A Susana, do blogue Blogue de Uma Princesa
- A Raquel, do blogue Addicted To
- A Carina, do blogue My Memories, My World

UM "ATÉ LOGO" SEMPRE DIFERENTE

Todos os dias, por volta das 8h15, quando vou levar os miúdos à escola, me apercebo claramente de que estão cada dia mais crescidos.
Não é que não o veja durante o resto do dia, mas àquela hora, em poucos segundos, eles mostram que já não são bebés, nem crianças... que entraram numa outra fase, que têm, cada vez mais, vontade de ser independentes e de ter em mim um porto seguro que procuram quando precisam, podendo voar em segurança.

Quando eram bebés e ficavam em casa da minha mãe para eu e o pai irmos trabalhar, os filhotes pulavam para o colo dela assim que a avó vinha à porta. Largando os braços (ou a mão) desta mãe, saudavam a avó Mila com carinho e entusiasmo, já à espera de um dia de brincadeira e mimos. Eu pedia o "meu beijo" de despedida e recebia-o: lambuzado, curto ou demorado, com abraço apertado ou acelerado, com meiguice ou reguilice, mas sentido e a acalmar-me, como dizendo "podes ir que ficamos muito bem!".
No início de cada semana ou período letivo, depois das férias ou de uma doença própria da idade, custava mais a mãe e filho(a), mas apenas os minutos de despedida se prolongavam e o aperto no peito (da mãe) teimava em fazer-se sentir.


Quando foram para a escolinha, ele com 3 anos e ela com 2, custava bem mais a despedida e o "até logo". Ele, que nunca foi de mostrar sentimentos em público, despedia-se com um beijo e um grande abraço e seguia para brincadeiras. Notava-se aquele olhar brilhante e o peito muito cheio de ar, mas a vontade de brincar e os pais terem ido embora ajudava a ultrapassar e estimulava as reguilices. Ela, na altura mais mimocas e sensível, agarrava-se a nós e chorava. Após muitos beijinhos e abraços trocados, tinha de ficar... mas ficava a choramingar... e chorava ao almoço... e chorava na ginástica... e eu, mãe-galinha, ligava a perguntar como estava e ficava de coração apertadinho, do tamanho de uma ervilha. E assim foram as primeiras semanas dos 2. O choro e os apertos desapareceram com o tempo, os beijos e abraços trocados mantiveram-se.


Já com 5 anos (e ela com 4), no pré-escolar público, na mesma escola que a mãe, foi fácil a integração e começou a independência. Vestia-lhes a bata na sala dos cabides, trocávamos um beijo grande e um abraço apertado e eles ficavam a brincar.

No 1.º Ciclo, tirando os primeiros dias, que são sempre diferentes, os dois se despediam com um grande beijo. Ia levá-los à porta nos primeiros 3 anos, dávamos o beijo e o abraço da praxe, trocávamos um "amo-te" e um "e eu a ti" e íamos à nossa vida. Eles corriam para o recreio e eu corria para o carro (e acelerava para a escola). Às vezes trocávamos um novo "amo-te" com mímica inventada pelos 4 da casa. No último ano dela, já sozinha naquela escola, parava o carro junto à rede e ela seguia sozinha e ficava do lado de lá a fazer-me adeus e à espera de ver o carro partir. Mandávamos beijinhos e trocávamos aquele gesto de circulo à volta do coração.


Agora, que ambos estão na "escola dos crescidos", a despedida dura uns segundos. À chegada à escola, paro o carro a uns metros (de segurança!) e ambos saem dizendo um "até logo" tão rápido que quando olho já atravessaram a estrada. Nem um beijo, nem um gesto de "amo-te", muito menos um abraço. Que vergonha seria agora que a vida social é mais importante para eles! A mãe é porreira e amiga, mas os beijo trocam-se em casa. Na rua, acena-se e mostra-se aos amigos que a mãe alinha, que a mãe é fixe.
À saída, espero por eles no beco, a uns bons metros de distância do portão da escola, para puderem sair "descansado" e "livres" para a socialização. Não há mãos dadas, nem beijos, mas, assim que entram no carro, falam sobre tudo o que quiserem (e ainda é muita coisa!) e sobre como correu o dia. E interessam-se pelo meu dia... E combinam coisas comigo... E partilham desejos e vontades...
A adolescência aproxima-se a passos largos nos 12 anos (dele) e nos 10 (dela).

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

SESSÃO FOTOGRÁFICA A 3 IRMÃOS

No início do mês, eu e os meus dois irmãos fomos fazer uma mini-sessão fotográfica por ocasião da abertura do estúdio da fotógrafa Ângela Silva, de Setúbal.
Num ambiente descontraído e muito familiar, pousámos os três e conseguimos umas fotos interessantes e muito divertidas.
Não vou dizer que me senti totalmente à-vontade porque estaria a mentir. Mas estar com os meus irmãos ajudou imenso, pois tentámos criar uns momentos ou cenários de cumplicidade real entre os 3, o que nos deu alguma segurança e confiança.

Antes das fotos, apresento os meus irmãos, ambos mais novos do que eu:

A Mafalda tem 36 anos, é casada com o Pedro e tem 2 filhotes: o Duarte e a Margarida. É minha companheira desde sempre. Partilhámos o quarto durante quase todo o tempo em que vivi em casa dos meus pais. É uma mulher determinada, de sentimentos profundos, leal, justa, amiga, bonita, inteligente, criativa e habilidosa. Tem uma personalidade forte, convicções muito definidas e um sentido de humor muito peculiar. Diz poucas, mas boas e sempre na hora H. As nossas zangas eram só porque ela era mais desarrumada do que eu... mas acabavam com uns bilhetinhos por baixo da porta com um pedido de desculpa e muitas horas de conversa e gargalhadas. Sei que sou um exemplo para ela e que me adora de coração.

O Rui tem (quase) 30 anos, é casado com a Maria e tem 1 filhota: a Madalena. É o meu menino, o meu primeiro bebé. Sinto-me a sua segunda mãe e sei que me adora e me respeita como tal. Ajudei a "criá-lo", como dizem os antigos. É um homem lindo, inteligente, habilidoso... tudo o que faz fica bem feito. É amigo, descontraído, seguro e decidido. Gosta de se divertir, mas também de ficar sossegadinho a ver um bom filme ou série. É guloso, tem bom sentido de humor, é leal, independente, caloroso. Em pequeno, era reguila e as nossas brigas eram por causa das malandrices que ele fazia... não eram bem brigas... eram mais umas palmadas que lhe dava e que ainda "vivem" na sua memória. Mas também gostava que ficássemos agarradinhos e que lhe lesse histórias.

Não vou esperar mais e vou mostrar as nossas fotos.
Obrigada, Ângela, pela simpatia e pela qualidade das fotos.
Foste uma querida!!












segunda-feira, 26 de outubro de 2015

ENSINAR COM AMOR

Estou doente, em casa de atestado médico, e não sei quando vou voltar a trabalhar. Sei que preciso estar longe da escola, mas não tem sido fácil.

Não sinto, nem um pouco, a falta da burocracia e das reuniões, que, na maioria das vezes, tiram a motivação e o entusiasmo a quem, como eu, gosta mesmo é de trabalhar com e para os miúdos.
Não tenho saudades de ajudar a resolver conflitos entre alunos, ralhar para que se calem e estejam quietos, pedir que estejam atentos... confesso que a "hiperatividade" dos miúdos de hoje me cansa demasiadamente.

Mas tenho imensas saudades de ensinar, de os sentir a aprender, do colo que lhes dou (e me dão!) nos momentos mais difíceis, de brindá-los com "estrelas" e "sóis" quando fazem bem ou melhoraram em algo que estavam mais fracos, de rir das piadas de alguns, de me deliciar com os abraços e os beijinhos com que me recebem logo ao portão ou me acarinham ao longo do dia.
Tenho saudades de os ver entusiasmados e inquietos porque querem ir ao quadro mostrar a estratégia com que resolveram um problema de matemática, escrever uma frase comprida ditada pelo amigo que está na "plateia" ou agarrar no pincel para se encantarem com a mistura das cores.
Tenho saudades de ensinar e relacionar-me da única forma que sei fazer: com amor.

Acredito que o que fazemos com amor chega melhor às pessoas, porque sai de um coração para outro, apenas percorrendo o caminho  da boca de quem dá para os ouvidos de quem recebe.
Confio que o amor é o caminho mais seguro e direto à felicidade e que, mesmo com obstáculos, é o que dá mais alegria e cor à caminhada.
Acredito que ensinar crianças é das tarefas mais gratificantes e que se transforma em momentos de magia quando feita com amor e ternura, quando há mutua afinidade e cumplicidade entre todos em sala de aula.

E quando se ensina com amor, ficam as saudades dos alunos como se fossem família a quem perdemos o rasto porque falta no dia a dia alguns ingredientes exclusivos das relações felizes: carinho, luz, paz, leveza, diálogo, respeito, conforto... amor.

NOVOS AUTORES #09 - MARTA VELHA

Não foi há muito tempo que descobri, no Facebook, a autora Marta Velha.
Apesar de a estar a considerar um "novo autor", Marta Velha já escreveu e publicou 3 livros e encontra-se a escrever o quarto.
São obras suas:

O primeiro livro que li desta escritora foi "Amor de Deus", que me foi enviado pela própria através de e-mail, na sua versão digital, e já partilhei a minha opinião sobre ele AQUI,

Como é costume nesta rubrica, lancei o desafio a Marta Velha e enviei-lhe as 10 questões mais pertinentes que me vieram à ideia enquanto lia "Amor de Deus". E, pronta e gentilmente, a autora respondeu assim:


1- Quando e como descobriu o gosto pela escrita? 
Sempre gostei de escrever. Desde que me lembro que gosto de escrever. E agora que penso nisso sempre escrevi. O gosto pela escrita de ‘livros’ é que tem uma história mais recente e remonta a 2013. Altura em que escrevi o meu primeiro livro ‘A Mensagem’.

2- Como surgiu a oportunidade de publicar o seu primeiro livro? 
Em 2010 fiz uma viagem ao Egipto. Foi uma viagem que adorei um pouco pelo país que é e pela história que tem. Por brincadeira andava sempre a dizer ‘um dia escrevo um livro’. Em finais de 2012 estava a rever as fotos da viagem e pensei ‘Caramba, isto é tão giro que dava um livro!’, e comecei a escrever. Quando achei que tinha acabado a história e todo o enredo a ‘brincadeira’ tinha mais de 180 páginas. Era um livro! Pesquisei no Google editoras nacionais e a primeira que apareceu foi a Chiado Editora, enviei o livro por mail e passado uns dias tinha a resposta. Positiva! Não quis acreditar e ignorei, pois achei que era impossível uma editora querer de facto o ‘meu’ livro! Mas eles reenviaram o mail e caí na realidade! Não era impossível e estava de facto a acontecer! O resultado saiu em Junho de 2013 com a edição de ‘A Mensagem’.

3- Quais as principais diferenças entre os seus 3 livros já publicados? 
Os enredos em si não têm nada a ver uns com os outros. Não há continuação de um livro para os outros. Os cenários são diferentes, o primeiro passa-se num país distante, no segundo não há qualquer referência a nomes de localidades e o terceiro passa-se numa localidade rural. As personagens são diferentes. A mensagem de cada um deles é diferente.

4- Como tem sido a receção do público às 3 obras?
Desde o primeiro livro que tem sido um pouco diferente a receção do ‘meu’ público. No primeiro, a família e amigos, olharam-me um pouco de lado e desconfiadas, muito ao estilo: 'Tu a escreveres um livro?? Humm!!’, mas depois da leitura do primeiro pediram mais! E foi isso que me deu força para continuar! É sempre excelente quando gostam do que escrevemos. No segundo livro acharam a história muito ternurenta (há uma criança de 5 anos com um sonho difícil de concretizar). E no terceiro disseram simplesmente ‘Uau! Parabéns! E força nessa escrita!’ – Isto a família e os amigos!
Por parte do público que não conheço é engraçado quando recebo mensagens através do facebook ou por mail a dizer que gostaram e que ficaram tristes porque acabou e queriam mais! Sempre que as leio fico com um sorriso no rosto (daqueles sorrisos parvinhos!!) e acho piada, e é claro que isso me faz continuar porque sei que são opiniões isentas porque não conheço aquelas pessoas de lado nenhum.

5- Onde foi buscar inspiração para escrever “Amor de Deus”? 
(risos, muitos, muitos risos!) 
Costumo dizer que a inspiração está já ali ao virar esquina. É preciso apanhá-la, agarrá-la bem e desenvolvê-la! Nas eleições de 2013 estava eu a ver um panfleto de um partido político referente à localidade onde os meus pais residem. Estava a achar piada porque havia muitas caras da terra e muitas delas, minhas conhecidas. Mas não foi uma foto que me chamou a atenção, foi o grau académico de um determinado senhor que eu não conhecia. Perguntei à minha mãe e ela contou-me a história muito por alto. Era padre, apaixonou-se, casou. E eu fiquei logo com as ideias a mil!! Sabia que daria uma excelente história! Se bem o pensei, logo a coloquei em prática! Saiu ‘Amor de Deus’. Como era com um padre, achei que ficaria bem se cada capítulo se iniciasse com um versículo da Bíblia (tive que fazer algumas leituras extra para conseguir que aquele pequeno versículo encaixasse na minha história! Mas foi bastante divertido!)

6- Qual a sua opinião sobre o voto de celibato dos padres? 
Ui! É um tema extremamente polémico. Na altura procurei na internet sobre este tema e há bastantes padres a pedir a escusa para poderem casar.
Sou da opinião que sim, deviam poder casar e constituir família!


7- O livro fala também sobre violência doméstica. Que tipo de pesquisa fez para melhor o documentar? 
Infelizmente, nos dias de hoje, não é preciso muita pesquisa sobre este tema. Quase todos os dias há relatos nos noticiários mas infelizmente acabam de uma maneira muito drástica. Li alguns testemunhos na internet sobre como se sentem, os medos (e o medo da própria sombra por incrível que pareça é real!), a sensação de estarem sempre a ser vigiadas também é bastante comum. Confesso que não fiz uma pesquisa muito exaustiva…

8- A história passa-se numa pequena localidade. A Marta considera-se mais uma pessoa rural ou urbana? 
Vivo num meio urbano mas considero-me bastante rural. Adoro o campo e tudo o que ele representa. Adoro o verde das plantas, adoro animais e acho piada ao facto de no meio rural todos se conhecerem.  

9- Já se encontra a escrever outro livro? Se sim, para quando prevê o seu lançamento?
Nos últimos meses tenho-me dedicado a antologias onde apresento textos muito mais pequenos (de 4 a 6 páginas). Mas tenho imensas ideias para novos livros e quem sabe brevemente haverá novidades! J

10- Gostaria de ver um dos seus livros adaptado ao cinema? Se sim, qual e porquê a escolha? 
Oh, por mim todos!!! (muitos risos!!!) E passo a explicar porquê!!
- ‘A Mensagem’ – gostaria de vê-lo adaptado ao cinema porque se passa num país lindo! Com paisagens lindas! Penso que daria um excelente filme por isso mesmo! Eu vi essas paisagens e sei que num filme ficariam lindas! E penso que a história em si daria um excelente filme.
- ‘Paixão Alucinante’ – A razão para querer que este fosse adaptado ao cinema é apenas uma!! A minha personagem preferida! Jojô! Desde sempre que assumi que era uma personagem ‘pra lá’ de querida! E seria um gozo enorme ver uma interpretação desta personagem. Porque é diferente, porque é divertida, porque faz rir, porque é fofa, porque é querida, porque é amiga, porque gesticula imenso, porque sabe mandar uma piada e porque é diferente!

- ‘Amor de Deus’ – este aborda um tema polémico (o celibato!) e um tema chocante (a violência doméstica!). O facto da personagem principal conseguir fugir e livrar-se do passado doloroso poderia ser uma fonte de inspiração para quem vive na mesma situação. E o facto de todos aceitarem o que acontece a Francisco e de aceitarem a decisão que ele tomou também é uma excelente mensagem a passar – saber perdoar! 


Obrigada, Marta Velha, por toda a simpatia com que me acolheu e "conversou" comigo!
Foi um prazer!

OUTRO NOVOS AUTORES:

domingo, 25 de outubro de 2015

NOVIDADES LITERÁRIAS DE PARCEIROS

EDITORIAL BIZÂNCIO

Título: Fatima, a Filha de Maomé
             As Mulheres do Islão - Volume 2
Autor
: Marek Halter
Págs.: 320
Preço: 16,00€
Género: Romance

Sinopse:
A vida em Meca torna-se demasiado perigosa para o Mensageiro de Alá. Maomé decide partir e Fatima acompanha-o na sua longa viagem para Yatrib, futura Medina, onde são acolhidos pela comunidade judaica que reconhece nos ensinamentos de Maomé a herança de Abraão e de Moisés. No entanto, essa é uma época de mágoa para Fatima. O pai desposa Aïcha, a filha muito jovem de Abu Bakr e Fatima sente-se traída.
 
Casada com Ali sente-se constrangida num papel que não se lhe adequa.
O nascimento de Hassan, seu primeiro filho, já esboça o conflito que continua a dividir o mundo muçulmano. Quem será o herdeiro do Profeta? A linhagem de Hassan, reivindicada pelos xiitas? Ou a de Abu Bakr, reivindicada pelos sunitas?
  
Longe das ideias feitas, o romance de uma mulher rebelde no momento em que o nascimento do Islão altera o equilíbrio entre judeus, cristãos e politeístas na Península Arábica.



Título: Roma Antiga
             Por Cinco Denários por Dia
Autor: Philip Matyszak
Págs.: 192 (inclui 16 páginas de fotos a cores)
Preço: 15,00€


Sinopse:


Viaje pelo tempo até ao ano 200 e percorra as ruas de Roma na companhia de rapazes da Trácia, comerciantes egípcios e mercenários germânicos. Saiba onde comprar especiarias exóticas e escravas ainda mais exóticas. Descubra os melhores alojamentos, o que não deve comer e onde sentar-se no Coliseu.



EDITORIAL ALFARROBA

Título: "Um senhor narigudo e outros mais-que-tudo"
Autor: João Barbosa
Ilustrador: Geandra Lipa

Sinopse:
Neste livro há um narigudo, um orelhudo, um dentuças, um careca, um baixinho, um sardento, e por aí fora. Cada poema, sua personagem, sua característica. São dezasseis poemas cheios de rima e de boa disposição, que caricaturam e brincam com características físicas.
PVP 12,5€ 





Título: "A janela aberta da casa fechada"
Autor e Ilustrador: Rosa de Vasconcelos

Sinopse:
Nesta casa fechada mora a Felisbela, que, por estar sempre, sempre à janela, numa janela sempre, sempre bem aberta, canta baixinho canções e vê tudo com muita imaginação.

PVP 12,5€
Título: "Alex e as formigas navegadoras"
Autor: João Cunha Silva
Ilustrador: Manuela Rocha

Sinopse:
A Alex, uma formiga sonhadora e sem receios, irá pôr em prática um plano para salvar a colónia de formigas onde vive. Contará com a ajuda de um pássaro, um guarda-rios, e de um menino, o Simão.
Será que a colónia ficará a salvo?
PVP 10€

Título: "Soberba Ilusão"
Autor: Andreia Ferreira

Sinopse:

O fim está próximo, mas Carla não sabe. Concentra-se no próximo passo: expulsar o demónio Rita da sua vida de uma vez por todas. Porém, o anjo tem um plano, os demónios querem-na morta, amigos aliam-se com inimigos, e até aqueles em quem ela mais confia escondem segredos. Ela é o alvo.
Na excitante conclusão da trilogia, iniciada com Soberba Escuridão, Carla enfrenta o seu destino - as hordas do Céu e do Inferno parecem determinadas a utilizá-la quer ela queira quer não.

PVP 15€

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

ENCONTRO DE BLOGGERS

Na passada sexta-feira à noite tive o prazer de participar no "Encontro de Bloggers" promovido pela Tânia (blog Life's Textures) e pela Catarina (do blog By Catarina) e  apoiado pela Chiado Editora e pela plataforma Blogs Portugal.

Neste encontro, que decorreu na Livraria do Desassossego, no número 34 da Rua de São Bento, participaram cerca de 40 bloggers de variadíssimas áreas, o que tornou o convívio e as partilhas de imenso valor e gratificação.

Na primeira parte do encontro, 4 oradores partilharam as suas experiências na blogosfera e deixaram várias dicas de como nos mantermos motivados enquanto bloggers, dinamizando frequentemente o nosso espaço na net, bem como referiram algumas formas de promover e divulgar o blog, fazendo-o chegar até mais leitores. Eram oradores:

- A Catarina (do blog "By Catarina");
- A Tânia (do blog "Life´s Textures");
- A Graziela (do blog "Vida de Desempregada");
- O Rogério Coelho (da Blogs Portugal).

Do que foi falado nesta primeira parte, tomei algumas notas que serão valiosas para o meu blog;

- Andar sempre com um caderno (ou outro suporte em papel) onde possamos escrever à mão anotando ideias para posts que nos vão surgindo; (já faço)

- Juntar-me a um grupo de bloggers online com os mesmos interesses, onde vão surgindo ideias e desafios de escrita;

- Encontrar-me fisicamente com outros bloggers da mesma área de residência e trocar ideias de posts ou combinar partilhar posts como Guest Blogger;

- Participar em eventos com outros bloggers, de forma a conhecer mais pessoas e partilhar ideias e experiências;

- Escrever ao mesmo tempo que outros bloggers, de forma regular, com data e hora marcada, combinando assuntos ou ideias;

- Participar em desafios (TAGS) propostos por outros bloggers, nomeando novos blogs para participar; (já faço)

- Ter um cartão de apresentação de blogger, com os contactos pessoais e/ou do blog, de forma a dar maior credibilidade e profissionalismo ao nosso trabalho;

- Inscrever o blog em aplicações de partilha e divulgação, como o Instagram (@lunamarisa3), o Bloglovin' (Marisa Luna Vinagre), o Snapchat (@lunamarisa91), o Printrest, o Blogs Portugal (estou aqui), entre outros;

- Apostar na qualidade das imagens; (tenho de comprar uma máquina ou telemóvel novo)

- Ser o máximo sincero a divulgar produtos de parceiros, dando sempre opiniões verdadeiras e construtivas; (faço sempre)

- Colocar entre 1 a 3 hastags nas partilhas dos post do blog; (comecei a fazer)

- Escrever no blog por prazer, sobre assuntos do nosso interesse pessoal e temas sobre os quais somos conhecedores, evitando, assim, algumas gaffes;

- Indicar sempre a origem das fotos, referir quando os produtos (ou serviços) foram oferecidos e deixar links de hiperligação para outros domínios na net. (faço sempre)


A segunda parte do encontro foi mais dedicada ao convívio entre bloggers, com conversas informais sobre diversos assuntos, o que me permitiu conhecer pessoas muito interessantes e descobrir novos blogs e bloggers.

E, como não poderia deixar de ser, do encontro ficam também as fotos, gentil trabalho e cortesia do Miguel Costa.





quinta-feira, 22 de outubro de 2015

UMA ESTREIA - "À PROCURA DE UMA ESTRELA"

Hoje é dia de estreias no cinema e eu não poderia deixar de aqui vir falar sobre um dos filme que vai estrear, do qual tive o prazer de assistir à antestreia no passado dia 20, terça-feira, no Cinema NOS do Oeiras Parque: "À procura de uma estrela".

Este é um filme de John Weels, com Brandley Cooper, Sienne Millher, Omar Sy, Uma Thurman, Daniel Bruhl e Emma Thompson, indicado para maiores de 12 anos e inserido na categoria de comédia dramática.

Conta-nos a história de Adam Jones, um homem de temperamento difícil que, no passado, fora o melhor Chef em Paris, tendo ganho 2 estrelas Michelin, mas que se envolveu em situações de perigo e em vícios como as drogas, o álcool ou o sexo, tendo estragado amizades e outras relações e ficado sem emprego durante muito tempo.

Estando sóbrio há mais de 2 anos, o Chef Adam Jones regressa às cozinhas com um objetivo: ganhar a terceira estrela Michelin e, com isso, recuperar os tempos de glória. 
Para o conseguir, reúne os amigos e colegas com quem trabalhou em França, aos quais junta Helena, uma chef que está a entrar na fama gastronómica e que se vai unir a Adam na procura de uma explosão de sabores e de novas receitas.

Aqui fica o trailler:


Tenho de começar por dizer que ADOREI este filme!
Há muito tempo que não via uma comédia dramática tão boa e que me prendesse tanto ao ecran, numa explosão de sentimentos.

Gostei muito das duas personagens principais, Adam e Helena, bem como da relação cúmplice que construíram, sempre ligada à cozinha e à paixão que ambos nutriam por cozinhar e descobrir novos sabores. Fiquei rendida ao casal e com muita vontade de os ver juntos no final da história.

Gostei também bastante do ambiente de "novas oportunidades" que se fez sentir ao longo de toda a história. Afinal, gosto de acreditar que todos nós temos direito a começar de novo e que a vida mostra-nos sempre novos caminhos para a felicidade. Foi muito bom senti-lo neste filme! 

Além do mais, gostei também de ficar a conhecer um pouco melhor do que se passa nas cozinhas dos grandes chefs e de como pode ser ao mesmo tempo tão gratificante, apaixonante e stressante. Apesar de não ter muito gosto por cozinhar (sou mais de comer!), fiquei encantada com tudo o que se refere às grandes cozinhas e acabei por aprender alguns pormenores que posso vir a usar, por exemplo, quando der um jantar ou fizer uma festa cá em casa.

UM DESAFIO SOBRE LIVROS

No passado dia 13, recebi da Liliana do blogue "Vamos doar livros à nossa biblioteca" uma tag, à qual não consegui ficar indiferente.
Vamos lá ver se me safo com as respostas!!


1. Sentes-te mal por ler no carro?
Sim, sinto. Fico mal disposta, com vómitos e tonturas. Mas depende um pouco da viagem e do local onde me sento.

2. Qual autor tem um estilo de escrita completamente único para ti e porquê?
Eu adoro romances e, por isso, tenho de escolher alguém que escreve maravilhosamente neste género literário e que, em todas as obras, me põe a sonhar com o amor e com a paixão: Nicholas Sparks.

3. Harry Potter ou Crepúsculo? Dá três razões para defender a tua escolha.
Não posso responder a esta questão. Por incrível que pareça, devo ser das poucas pessoas que ainda não leu nenhum livro das duas séries. E acho que só vi 2 filmes do Harry Potter... Não sei bem se não fazem o meu estilo ou se ainda não me convenci a experimentar.

4. Carregas contigo uma saca de livros? Se sim, o que levas lá dentro, para além de livros?
Não carrego nenhuma saca, mas ando sempre com o livro que estou a ler na altura e com um caderno onde tomo apontamentos e organizo posts para o blogue.

5. Costumas cheirar livros?
Sim, muitas vezes. Gosto do cheiro de livros novos e de livros antigos. Os que não têm cheiro parece que não são tão aliciantes.

6. Livros com ou sem pequenas ilustrações?
Não me faz diferença. Quer dizer, em livros de adultos! É que as ilustrações dos infantis são extremamente importantes e nada dispensáveis.

7. Qual o livro que amaste enquanto o lias, mas descobriste mais tarde que não tinha muita qualidade?
Não consigo dissociar uma coisa da outra. Normalmente, quando a história é boa mas a forma de escrever não é nem apelativo nem correta do ponto de vista ortográfico ou gramatical, não consigo fixar-me no enredo e não fico a amar o livro. Se, pelo contrário, está muito bem escrito mas não tem uma boa história, não consigo acabá-lo ou faço um esforço imenso para terminar, por isso também não fico a amá-lo.

8. Tens alguma história engraçada da tua infância que envolva livros?
Em miúda, adorava o livro "Anita mamã" e a minha mãe lia-o vezes sem conta para mim. Um dia, foi dar comigo a ler e pensou que eu tinha decorado as frases todas. Na verdade, ao mostrar-me outros livros, revistas e jornais, percebeu que eu já sabia ler. Aprendi sozinha aos 5 anos.

9. Qual o livro mais pequeno da tua estante?
É o livro "Amo-te loucamente", de Helen Exley. É pequenino, mas carregado de pensamentos e frases sobre o amor.

10. Qual o maior livro da tua estante?
O Grande Livro dos Alimentos, 2º Volume - Circulo dos leitores.

11. Escreves tão bem como lês? Vês-te no futuro como escritora?
Eu acho que escrevo bem (modéstia à parte!), mas não consigo dizer se o faço tão bem como leio. Talvez até faça melhor, apesar de com menor rapidez, por exemplo. Vejo-me como escritora sim. Aliás, é o meu sonho de vida.

12. Quando começaste a ler?
Comecei com cinco anos, por iniciativa própria. Desde aí, não mais perdi o gosto. Tenho a agradecer à minha mãe, por me contar e ler histórias em criança, e à minha professora da primária, que sempre me incentivou e mostrou à minha turma como é bom viver de roda dos livros.

13. Qual o teu clássico favorito?
Sem dúvida "O Primo Basílio", de Eça de Queiroz.

14. Na escola eras melhor a que disciplina?
A Matemática.

15. Se te dessem um livro como presente que já tivesses lido e odiado, o que fazias?
Colocava no winkingsbooks, para dar hipótese de outras pessoas lerem, ou vendia e comprava outro  em segunda mão pelo mesmo valor.

16. Qual o teu pior hábito enquanto blogger/youtuber?
O pior acho que é mesmo passar muito tempo no computador e, por vezes, fazer as refeições muito tarde ou ficar sem tempo para trabalhos de Marisa-doméstica.

17. Qual a tua palavra favorita?
É, sem dúvida alguma, a palavra mais importante da vida: AMOR.

18. Nerd, Dork ou Dweeb?
Só sei o que quer dizer "nerd", e é por causa do meu filho Simão, por isso é a que escolho. Para saber das outras teria de ir ao google e parece-me um pouco batotice.

19. Vampiros ou Fadas?
Vampiros! (Dos bons, não dos que são uma sátira!) Daqueles mesmo maus, porcos e feios!!
Ehehehe

20. Zombies ou Vampiros?
Definitivamente Vampiros!
21. Triângulo Amoroso ou Amor Proibido?
Amor Proibido. Livros com este tema são um sucesso garantido para mim. Mas gosto mais quando terminam bem.

22. Livro de Romance ou Livro de acção com algumas cenas de romance à mistura?
Gosto dos dois... Mas acho que a minha escolha vai para Livros de Romance com cenas de muita ação. LOL

VOU DESAFIAR:
- A Marina, do blogue Live Your Dream
- A Bárbara, do blogue A little bit of everything
- A Ana Raquel, do blogue A Leitura é um Oásis
- A Patrícia, do blogue Rosa Chiclet
- A Daniela, do blogue A Doce Sonhadora
- A Tânia, do blogue Life's Textures
- A Catarina, do blogue By Catarina
- A Susana, do blogue Blogue de Uma Princesa
- A Raquel, do blogue Addicted To
- A Carina, do blogue My Memories, My World

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

A BORDO DE UM LIVRO - BEMPOSTA

A ação principal do livro "Amor de Deus", de Marta Velha, passa-se em terras transmontanas, no concelho de Mogadouro, numa aldeia típica chamada Bemposta.
É uma freguesia muito bonita, com uma área de 37,07 km² e 602 habitantes.
Localiza-se no distrito de Bragança e está inserida no Parque Natural do Douro Internacional.
Tem como principais tesouros naturais a Faia da Água Alta e a Faia do e arquitetónicos o Castelo, as casas brasonadas, a Ponte Romana, as ruínas do Castelo de Oleiros, o Solar dos Marcos, a Igreja Matriz, as Capelas de Santo Cristo e São Sebastião, a Capela de Santa Barbara e o Pelourinho. 

Há documentos que comprovam a forte presença de judeus nesta localidade, que foi vila e sede de concelho entre 1315 e o início do século XIX.

Não conheço pessoalmente a vila de Bemposta, mas confesso que as imagens que recolhi da internet me fizeram ter muita vontade de por lá passar num final de semana mais comprido.







Fotos retiradas da página de facebook de Bemposta 
e através de uma pesquisa Google por imagens.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

"AS AVENTURAS DE RODOLFO E ROSITA - A BELA ADORMECIDA", COM OS TRUPILARIANTE

No dia 10 de outubro, sábado, a convite dos TRUPILARIANTE - COMPANHIA DE TEATRO E CIRCO, fui assistir a uma deliciosa peça de teatro infantil, na Fábrica do Braço de Prata.

Levei o carro (quase) cheio, tal como gosto: eu, a filhota e os dois sobrinhos, o Duarte e a Margarida (com 9 e 5 anos, respetivamente).

A peça "As Aventuras de Rodolfo e Rosita - A Bela Adormecida" prometia bons momentos de alegria e o entusiasmo da malta fazia de introdução ao espetáculo que estava quase a começar.

O espaço onde tudo aconteceu, por si só, já tinha magia, mas as duas atrizes em palco conseguiram verdadeiramente divertir e encantar miúdos e graúdos que ouviram uma nova versão do conto tradicional, que com palmas acompanharam as canções, que encheram a sala de gargalhadas e risotas, que se deixaram levar pela imaginação e até conseguiram ver adereços que não precisaram de estar por lá.

Gostei bastante da simplicidade e graça de acessórios e cenários, das roupas coloridas e divertidas de Rodolfo e Rosita, da forma moderna e engraçada como nos foi contada a história, dos efeitos sonoros muito adequados e cativantes que surgiam sempre na hora certa, da simpatia que caracteriza o grupo de atores desta companhia e que os leva, no final dos espetáculos, a conviver com o público e a pedir que convidem amigos e inimigos para assistir também...

Está peça está referenciada como sendo para maiores de 3 anos e tenho a certeza que faz as maravilhas de crianças até aos 6 anos, aproveitando bem a faixa etária em que a criatividade, o encantamento e a espontaneidade estão no auge, movimentando energias que noutras idades não reagem da mesma maneira.

Gostei bastante desta peça, tal como já tinha gostado do "Circo Malaquias", pelo que posso dizer que é verdadeiramente uma honra ter os TRUPILARIANTES como parceiros deste meu cantinho.
Obrigada, companheiros!!

Que difícil é fotografar a minha malta!!


 




Outras Companhias de Teatro de que falei no blog: