terça-feira, 31 de março de 2015

MEALHEIRO LITERÁRIO DE MARÇO

Durante o mês de março, voltei a portar-me muito bem em relação a compras de livros: não gastei nem um euro. Talvez por ter sido um mês um pouco surreal em diversos aspetos, por estar a passar por uma nova fase na vida ou por me ter afastado um pouco de livrarias e outros pontos de venda, mas a verdade é que consegui mesmo poupar a totalidade do valor mensal. (Venha a Feira do Livro de Lisboa!!!)

Apesar das poupanças, recebi vários livros este mês, que aumentaram a minha biblioteca caseira e se encontram à espera que eu recupere a concentração e a vontade de ler.


Estes dois livros de poemas foram oferta da Editora Livros de Ontem e parecem verdadeiros pitéus literários de autores distintos. Pelos excertos que li, acho que vou gostar muito dos dois. 


Este delicioso livro foi a primeira oferta da Editorial Presença, que tem este blog como "candidato" a parceiro nestas andanças dos livros infanto-juvenis. 
Já o li e adorei. (MESMO!!!) Coloquei a minha opinião e a dos meus filhos neste post.


Recebi também estes ebooks das próprias autoras: "Sobreviventes", de Olinda P. Gil, e "Ponto Zero", de Rita Inzaghi.
Ainda não tive oportunidade de os ler, pois ando "presa" com outro da Biblioteca Wook que não está a ser de leitura fácil, mas tenho a certeza que irei fazê-lo em breve.


Como oferta da Editora 4 Estações, recebi o romance "O Escultor de Almas", cuja sinopse apresentei neste post sobre a nova parceria.


As Edições Sílabo foram também muito gentis em comemorar a nossa parceria com este livro sobre um homem que muito admiro e cuja fé nas suas palavras vai muito para além da religião. O Papa Francisco é um ser humano de exemplo e paz, por isso sei que vou aprender com as suas palavras.
Podem ler uma parte do livro aqui.


O livro "Terra", de Sá Ninguém, que apresentei e sobre o qual dei opinião neste post, já não está apenas disponível apenas em formato ebook, tendo ganho a forma de livro impresso.
O seu autor, com a maior das simpatias, enviou-me um exemplar autografado, que vou guardar com muito carinho.


Este é o último livro que tenho para vos mostrar e foi-me emprestado pela seguidora Lurdes Teixeira, para poder avançar com a segunda volta do Desafio Literário "Roda o Livro".

E agora, os totais.

Gastei: 0€
Saldo: 21,10€ - 0€ = 21, 10€
Valor para abril: 21,10€ + 10,70€ = 31,80€

Valor dos livros que recebi em março: 77,63€
Poupança: 100%

segunda-feira, 30 de março de 2015

CAMINHADA SOLIDÁRIA

No sábado de manhã fui à "Caminhada Solidária" organizada pelo Projeto "Famílias com Esperança", da paróquia e Centro Social da Moita.
Foi uma caminhada de aproximadamente 8 kms, pela praia e pelo campo, pela freguesia de Gaio-Rosário, que envolveu 237 participantes de várias idades, com o intuito de angariar bens alimentares e de higiene para as crianças em idade escolar das famílias carenciadas do concelho da Moita.


A caminhada foi muito bem organizada pela equipa do projeto, a quem dou os meus sinceros parabéns.

À chegada, junto à capela do Rosário, entregámos os bens para doação à equipa e recebemos uma pulseira que nos identificou como participantes. Tivemos também a oportunidade de adquirir rifas para que, no final, fosse sorteado um cabaz de compras, que foi oferta do Intermarché da Moita.

Fui sozinha e, no início, achei que iria sentir-me mal, mas encarei a situação como se fosse uma oportunidade para estar comigo mesma e o caminho começou logo de forma muito agradável. Além disso, facilmente fiz conversa com outros participantes e acabei por fazer amizades.

Todo o percurso foi muito agradável. Caminhámos junto ao estuário, pelos campos, passando por herdades onde pastavam vacas e cavalos que corriam livremente. Andámos por trilhos e caminhos mais movimentados. Parámos aos 5 kms para beber água e comer fruta (maças e laranjas já cortadas ao meio). Terminámos a caminhar na praia, junto à água, até voltarmos à capela do Rosário. No final, tirámos a foto da praxe para assinalar o evento:


Gostei mesmo muito. O convívio foi muito agradável, os sentimentos que se partilharam com olhares, gestos e palavras foram genuínos, a vontade de ajudar o próximo era muito evidente e o ambiente tornou-se alegre e luminoso. O dia também estava muito bonito, com uma temperatura bastante agradável e sem vento.

Ainda bem que muita gente aderiu e que se conseguiram juntar muitos produtos, pois há muitas famílias carenciadas que precisam da ajuda de todos e dar é um dever de quem pode um pouco mais.
Espero que haja uma segunda edição, pois todos ficaremos a ganhar.






domingo, 29 de março de 2015

UMA OUTRA BAIXA DE SETÚBAL

Ontem fui passear à baixa de Setúbal, ou seja, à zona mais central e comercial da cidade, onde se localizam muitas lojas de comércio tradicional.
É uma zona bonita e que, nos meus tempos de adolescente, estava sempre "viva", numa mistura entre comércio e lazer, cheia de recantos históricos e de pequenos pontos turísticos e onde se localizavam as lojas mais importantes e conceituadas da cidade. Por lá, encontrávamos de tudo e tenho fortes (e muito boas) recordações das horas que por lá passei em compras ou passeio.

A baixa esteve "morta" durante anos e anos, derrubada pelos centros comerciais das proximidades, não favorecida pela escassez de estacionamento nas redondezas, prejudicada por obras e obras intermináveis, vítima de horários incompatíveis com o dia a dia acelerado dos habitantes...
Estas e outras razões, foram fazendo da baixa uma zona abandonada, com muitas lojas a fechar, um ambiente triste e "chineses" a aparecer por todo o lado.
Independentemente das razões que levaram à sua (quase) morte, a verdade é que parece que está a renascer e isso deixa em mim uma alegria imensa, misturada quase de orgulho na cidade que me viu nascer.
E, como culpada que também sou por raramente visitar esta zona, ontem agarrei a oportunidade de me redimir ao ir à 2.ª edição da "Feira Outlet na Baixa de Setúbal".



Este evento contou com a adesão de todas (ou quase todas) as lojas da baixa e deixou-me de coração a bater palmas de alegria. É que voltei a ver a baixa animada e cheia de gente e isso, por si só, foi muito gratificante.
Comerciantes, todos unidos pela mesma causa, vieram para a rua e trouxeram consigo produtos a baixos preços, convidando os visitantes a entrar nas suas lojas e a ver os restantes.
Todos vestidos de igual, de uma cor que, pessoalmente, adoro e que contagia de alegria e simpatia, mostraram-se a quem visitou as ruas da baixa e provaram que, na sua zona, também é possível comprar bons produtos, com bons preços e ao gosto de cada um.
Para ajudar, as ruas estavam enfeitadas, coloridas e decoradas, a música soava por todo o lado, as animações foram surgindo e o dia estava magnífico. Gostei muito, mesmo muito.

Conheci duas lojas de que gostei especialmente e que ainda não tinha descoberto, apesar de existirem há cerca de 3 anos: a "Laurels", uma loja de roupa feminina, e o café/restaurante "Pão Doce".
Ambas primam por características especiais: bom gosto na decoração e na escolha dos produtos, originalidade, variedade, simpatia e disponibilidade dos funcionários, ambiente familiar, preços acessíveis, boa qualidade de produtos...
Nas duas, senti-me muito bem e sei que ambas serão motivo para voltar à baixa, sem precisar de feiras ou outros eventos especiais.

  

 

quinta-feira, 26 de março de 2015

NOVOS TALENTOS #01 - ANA GIL CAMPOS

Já tenho dito muitas vezes que uma das vantagens de ter este cantinho na internet é poder através dele conhecer novas pessoas e projetos, fazer amizades e comunicar com gente bonita, talentosa e luminosa.

Felizmente, neste grupo inclui-se a escritora Ana Gil Campos, cujo livro "A Segunda Pele da Acácia Mimosa" li em janeiro e, simplesmente, ADOREI.

Por isso, sugeri-lhe que respondesse a algumas questões que despertaram na minha mente nessa altura, sugestão que a escritora gentilmente aceitou, com toda a simpatia e humildade que a caracterizam.

E assim ficamos a conhecer melhor este NOVO TALENTO da Língua Portuguesa!


ENTREVISTA A ANA GIL CAMPOS


Quando sentiu que a escrita seria uma parte importante da sua vida?

Sempre escrevi mesmo antes de saber escrever quando brincava com as letras. Juntava aleatoriamente algumas letras escrevendo-as num papel e perguntava aos meus pais se aquela palavra existia no mundo dos adultos. Por vezes tinha sorte, noutras nem tanto. Depois de aprender a escrever, a brincadeira de juntar letras passou a ser a minha verdadeira e libertadora forma de me expressar, diariamente, em folhas soltas de papel que guardava só para mim. Foi em Agosto de 2010 que comecei a pensar seriamente no sentido da minha vida, numa crise saudável de existencialismo, e percebi aquilo que era tão óbvio: não há nada na vida que me realiza mais do que escrever. Foi a partir dessa iluminação que me permitiu ver como sou, que me assumi socialmente como escritora e nunca me senti tão genuína como a partir desse momento, como se tivesse regressado a mim. A escrita para mim é uma paixão, uma entrega, uma necessidade.

O que (ou quem) inspira a sua forma de escrever e os temas sobre os quais escreve?

A vida em geral, mesmo as coisas que conscientemente não pareço dar importância.

Porquê a escolha da Chiado Editora para editar o seu primeiro livro?

Porque me pareceu uma boa escolha.

O livro “A Segunda Pele da Acácia Mimosa” é, de alguma forma, autobiográfico?

Em algumas partes posso considerar que sim.

Com qual das duas “peles” da protagonista mais se identifica?

Um pouco com as duas sem me ver em nenhuma.
                
Neste seu primeiro romance, fala sobre maçonaria. De que forma se documentou para escrever sobre o tema?

Pesquisei livros sobre a matéria.

Acha que, em Portugal, a maçonaria funciona de acordo com os seus princípios teóricos e fundamentais ou é contaminada por episódios de corrupção?

Não tenho opinião sobre este assunto.

Divide a sua vida entre São Paulo e o Porto. Qual das cidades mais a encanta e porquê?

São cidades incomparáveis e sinto-me confortável em ambas. Adoro a nostalgia do Porto, a sua história e familiaridade. São Paulo é uma cidade onde os nossos sentidos estão constantemente em alerta, onde acontecem imensas coisas ao mesmo tempo.

Compartilha com Sara a paixão por Barcelona?

Barcelona é uma das cidades mais especiais que conheço. É uma cidade bela, histórica, criativa, culta e muito viva.

Já está a escrever o seu segundo romance. Já dá para levantar um pouquinho o véu?


Se escrevesse um livro infantil, que título lhe daria e quem gostaria que o ilustrasse?

Nunca pensei nestas questões.


MUITO OBRIGADA, Ana Gil Campos!!!


 Saibam mais sobre esta escritora 
ou no seu BLOG PESSOAL

sábado, 21 de março de 2015

A SOLIDÃO

Há quem pense que a solidão ataca principalmente quem está sozinho, quem vive sozinho ou quem fica sozinho... Realmente, solidão é uma palavra da mesma família de só, sozinho ou solitário... talvez daí venha a ilusão e a imagem de alguém completamente isolado num local qualquer, num espaço vazio ou num canto. Ou quiçá esta seja a minha imagem de solidão e não a mais vulgar ou principal para as outras pessoas. Talvez preconceito meu, estigma ou teorias mal encaixadas.

Na verdade, eu sei que não é preciso não ter ninguém à volta para sentir uma profunda solidão.
Na verdade, eu sei que, muitas vezes, até as pessoas (ditas) certas podem estar mesmo ao nosso lado e a solidão atacar tão discreta e profundamente que nem damos por ela antes de se instalar confortavelmente, ocupando um lugar especial de nós mesmos: a alma.

Eu sei do que falo... há vários anos que vivo numa grande solidão.
Provavelmente "escandalizarei" muita gente com esta frase, mas é sentida e tudo o que vem do coração não merece crítica ou menosprezo, porque é autêntico e humanamente poderoso.
Não me falta ninguém. Tenho dois filhos maravilhosos, que me adoram e que amo profundamente, que são o meu orgulho e, definitivamente, o que de melhor fiz e farei na vida. Tenho uns pais que amo e que me amam incondicionalmente, apesar das nossas diferenças. Tenho dois irmãos que são também dois grandes amigos e que têm sido uns tios fantásticos para os meus filhos. Tenho três cunhados que são como irmãos para mim. Tenho quatro sobrinhos lindos, que adoro e que fazem de mim uma tia babada. Tenho tido um (bom) homem bom ao meu lado, que se tornou um pai fantástico e que, ao seu jeito, me tem amado muito. Tenho poucos amigos, mas dos bons e verdadeiros... Dou-me bem com (quase) toda a gente. Tenho boas relações sociais e cordeais, boas relações profissionais... tenho conseguido sempre uma ótima relação com os meus alunos e com os seus pais.
Mas sinto-me (muitas e muitas vezes) infinitamente só.

A fase não é a melhor para analisar a situação, eu sei. Mas sinto. E dói. Dói muito lá no fundo, numa alma que às vezes penso nem possuir e noutras revela-se do tamanho do corpo... e visto o 42!
Sinto como se não existisse ninguém... sinto toda a gente e gosto de sentir, mas a alma fica sozinha, isolada e triste, muitas vezes nem conseguindo contagiar-se pelos gritos e gargalhadas dos miúdos, nem com as vozes e palavras (escritas ou faladas) daqueles que sei que me amam, nem tão pouco dos outros que falam por aí à toa ou com toda a razão.
É uma solidão que ataca e que permanece, que me absorve e quase enlouquece.
É que isto de estar rodeada e sentir a alma isolada não é fácil de aceitar, nem tão pouco de entender... e como resolver algo que se desconhece o porquê e não se encontra a ponta solta onde pegar e puxar para desenrolar?

Nesta fase, que não é a melhor, em que sinto o vazio preenchendo o espaço do tudo e do nada, acabei pensando que iria passar com as decisões, resoluções e alterações que vão surgindo, das quais não me envergonho nem arrependo. Mas não parece ser assim... Basta um pensamento mais profundo sobre muitos dos últimos anos da minha vida, olhando apenas para dentro e abstendo-me das maravilhas que por fora me surgiram e deram alegria, para descobrir que assim me sinto desde há muito. E há escritos que o comprovam e atestam, mesmo não sendo necessários ou relevantes.
É uma solidão interior que, desconfio, se alimente de uma autoestima muito mal tratada e descuidada, de uma imagem que tenho e, pelo que dizem, não é real, de muito tempo dando tudo de mim e nada pedindo, de uma espera que levou ao desespero e ao desencontro.
É uma solidão que quero entender para depois excluir (pelo menos quase) definitivamente da minha vida. Não quero voltar a sentir necessidade de a registar, como se colocá-la no papel ou no teclado fosse aliviar e retirá-la cá do fundo... Acaba por ajudar, mas não resolve...
Mas eu vou ter de resolvê-la ou reduzi-la a momentos, a instantes...

domingo, 15 de março de 2015

"O LIVRO QUE EXPLICA TUDO SOBRE OS PAIS"

No início da semana, como gentil oferta da Editorial Presença, recebi "O Livro Que Explica Tudo Sobre os Pais", iniciando com ele uma parceria com que há muito já sonhava.

Com um design super apelativo e uma temática verdadeiramente tentadora, não resisti a pegar nele nessa mesma noite, tendo por companhia os meus dois filhotes. E tenho mesmo de começar por dizer que a informação da capa é absolutamente verdade: é um livro para DEVORAR em família.

DIVULGAÇÃO:

Título: "O Livro que Explica Tudo Sobre os Pais"
Autor: Françoize Boucher
Título Original: Le livre qui t’explique enfin tout sur les parents!
Tradução: Helena Romão
Páginas: 112
Data da Publicação: 3 de março de 2015
Público-alvo: A partir dos 9 anos

Sinopse:
Finalmente o livro que revela nada mais do que toda a verdade sobre os pais, com muito humor, sem complexos e com ilustrações fantásticas! Françoize Boucher cativou famílias do mundo inteiro e explica, por entre muitas risadas, a melhor forma de entender e lidar com os pais.
Apesar da sua aparência vulgar, os pais são criaturas excecionais! Mesmo que por vezes sejam um pouco irritantes, tudo o que os pais fazem é para o bem dos seus filhos (mesmo que os obriguem a tomar banho, a comer legumes ou fazer os trabalhos de casa).
O Livro Que Explica Tudo Sobre os Pais foi eleito o melhor livro do século no salão da harmonia familiar. Pensado para devorar em família!

OPINIÕES:

Da mãe (eu, 37 anos):
Pode parecer que estou a exagerar, mas é verdade que adorei tudo neste livro.
O texto é simples e curto, limitando-se apenas a uma ou outra frase e legendas por páginas, mas tem a dose certa de humor, ironia e verdade, numa mistura deliciosa que cativa o leitor e que deixa os pais absolutamente fascinados entre o orgulho e o terror.
As ilustrações são demais! Com traços simples, sem rigor ou pormenores, mas muito apelativas e claras, articulando harmonicamente com o texto, de forma a transmitir a mensagem sem equívocos e com muita piada. 
O conteúdo parece uma agradável mistura entre uma investigação científica, a observação de casos reais e as próprias vivências de crianças e pré-adolescentes.
Vale mesmo a pena comprar e devorar!!!

Do filho (Simão, 11 anos):
Quando vi este livro, tive logo vontade de o ler.
Gostei das ilustrações e do texto, porque achei-os divertidos.
É tudo verdade o que diz no livro!

Da filha (Matilde, 9 anos):
O título do livro chamou-me a atenção e comecei logo a lê-lo.
Foi uma leitura muito divertida e achei muita piada terem escrito coisas que os meus pais costumam fazer. Parecia que os autores os conheciam.
É um livro invulgar e as suas ilustrações também.
Quando acabei, apeteceu-me mostrá-lo às minhas amigas para ver se os pais delas faziam coisas parecidas.

sexta-feira, 13 de março de 2015

UMA CLÁUDIA MUITO ESPECIAL

Uma das grandes vantagens da internet é poder conhecer muitas pessoas e fazer algumas amizades.
Tal como no contacto direto e pessoal, também virtualmente nem sempre simpatizamos com quem por nós se vai cruzando, nem sempre conseguimos o mesmo nível de confiança ou empatia, mas pode acontecer precisamente o contrário e uma nova e sincera amizade nascer e querer saltar do computador para a "vida real".
Foi o que aconteceu entre mim e a Cláudia Serra Fernandes.
Conhecemo-nos há algum tempo através das nossas páginas de facebook e a empatia mútua foi quase imediata. Temos estabelecido uma amizade sincera e despretensiosa através da internet, que deu para perceber  o porquê das nossas vidas se cruzarem e nos fez ter vontade e dar um passo em frente, pelo que ontem tivemos o prazer de estar juntas pessoalmente. E foi ótimo!!!! (Parecia que nos conhecíamos desde sempre!)

A Cláudia é uma arquiteta talentosa que não ficou presa a projetos sem sentido nem cor, tendo a coragem de desafiar os caminhos da vida, de se encontrar e de descobrir os seus sonhos, lutando por eles com unhas e dentes. E como eu gosto de pessoas assim!!!!

A Cláudia é um pouco mais jovem do que eu, mas tem já uma experiência de vida invejável (no bom sentido, claro!). É uma mulher bonita, inteligente, alegre, dinâmica, talentosa. É um ser humano doce e cativante. É uma profissional ativa, perfecionista e criativa, que faz magia com as suas criações, fazendo sorrir os corações de crianças e adultos que arriscam a ter a sua presença e/ou trabalho nas suas vidas.

A Cláudia é uma pessoa muito especial, com um projeto igualmente fantástico: o csf. "arquitetura a outra escala"
Este projeto tem muito para oferecer a todos os que acreditam na importância da arte nas nossas vidas, que gostam de valorizar os pequenos momentos tornando-os únicos e inesquecíveis, que acreditam que a alma se alimenta também da expressão do corpo e da criação de novos objetos.
É um projeto diferente, único e personalizado, que se adapta a todos os pedidos e necessidades de quem nele confia. 
É um mundo de ideias, que se concretiza em maravilhosas peças artesanais, na decoração/organização de festas e eventos, na formação artística de crianças e adultos.
É um espaço para dar cor e imaginação à vida, tornando grandes aqueles pequenos pormenores que vão marcar a diferença.

E posso já adiantar que a Claúdia e o seu csf vão tornar único o 10.º aniversário da minha Matilde.
Obrigada, Cláudia, por seres tão especial!!

 


 


 



quinta-feira, 12 de março de 2015

PASSATEMPO "UM PARAÍSO NO INFERNO"

No passado dia 8 de Março fez um ano que a autora portuguesa Laura Alho lançou o livro "Um Paraíso no Inferno", sobre o qual escrevi aqui.
E para comemorar este acontecimento, a própria Laura Alho quer oferecer aos seguidores do "Faces de Marisa" um exemplar da segunda edição do livro, a qual acabou de ser impressa.
Não é uma ótima notícia?



E como participar?

As regras:
- Ser seguidor do blog "Faces de Marisa" (no google, facebook ou bloglovin');
- Ser seguidor da página de facebook da autora;
- Partilhar publicamente o passatempo numa rede social;
- Preencher o formulário abaixo, respondendo às questões e terminando a frase "Ler é um prazer porque...".

As respostas às questões sobre o livro podem ser encontradas AQUI.
O passatempo terminará às 22h do dia 22 de março, estando limitado a uma participação por pessoa/email/morada. Todas as participações que não cumpram os requisitos serão eliminadas.
Os resultados serão divulgados aqui no blog e na página de facebook, sendo o vencedor informado por mail, ao qual deverá responder no prazo de 48 horas.

VENCEDOR:

Marlene Silva, de São Félix da Marinha




quarta-feira, 11 de março de 2015

50 SOMBRAS NO CINEMA

Ainda não tinha tido oportunidade de vir aqui contar, mas no sábado estive sem a minha malta e resolvi ir ao cinema ver as famosas "Cinquenta Sombras de Grey".
Sei que este filme tem sido muito badalado e comentado na blogosfera, mas confesso que não li nenhuma das críticas, até porque não queria sentir-me influenciada quando o visse. Fui assistir com curiosidade e levava na cabeça as imagens que eu própria criei ao ler o livro, sobre o qual eu própria comentei aqui.

Começo por dizer que, de uma forma geral, gostei muito do filme.
Sendo uma adaptação de um livro, senti o que normalmente sinto: que a obra escrita é melhor. No entanto, penso que o filme até está muito bem conseguido, espelhando muito o que eu imaginei da história entre Christian e Ana.

Gostei da escolha dos atores.
Ana é interpretada pela atriz Dakota Johnson, filha de Don Johnson e Melanie Griffith, uma jovem muito bonita e elegante, que assume o seu papel de forma muito profissional, fazendo com que algumas cenas parecessem mesmo reais. (Nestes casos, fico sempre a pensar na questão do "beijo técnico".)
O Sr. Grey, papel assumido por Jamie Dornan, também me pareceu bem atribuído ao ator. Jamie é elegante, charmoso e bonito, tem um ar de alguma arrogância, um quê de jovem desprotegido e uma postura desconcertante. Tudo isto características que associei a Christian quando estava a ler o livro. Achei-o pouco expressivo, mas penso que o papel assim o exigia também.
Não me lembro de já ter visto qualquer destes atores noutros filmes, mas, de uma forma geral, penso que fizeram um bom desempenho dos seus papéis.

Gostei muito da banda sonora do filme.
Penso que os temas foram muito bem escolhidos e que ajudaram bastante a dar ênfase à história, complementando-a muitas vezes.

segunda-feira, 9 de março de 2015

EMENTA SEMANAL

Segunda-feira (9/3/2015):
Jantar - Salsichas de porco grelhadas, com arroz de ervilhas
Dieta - Cogumelos grelhados, com alface, tomate cherry, ananás e meloa

Terça-feira (10/3/2015):
Jantar - Perca estufada, com batatas e ervilha-lisa
Dieta - Ovo estufado com legumes

Quarta-feira (11/3/2015):
Jantar - Bifes de perú grelhados, com esparguete
Dieta - Bife de perú grelhado, com salada fresca

Quinta-feira (12/3/2015):
Jantar e dieta - Dourada no forno, com legumes cozidos

Sexta-feira (13/3/2015):
Jantar - Pernas de frango grelhadas, com arroz de cenoura
Dieta - Salada mista, com maçã, goji e nozes, enriquecida de farrapos de frango grelhado

Sábado (14/3/2015):
Almoço - Caldeirada de pata-roxa;

Jantar - Lombinhos de porco no forno, com batata a murro
Dieta - Salada selvagem com tiras de fiambre de perú

Domingo (15/3/2015):
Almoço e dieta - Salmão grelhado com salada russa

quinta-feira, 5 de março de 2015

DE VOLTA ÀS CAMINHADAS... JÁ COM CORRIDA?!

A vida dá voltas e voltas, como se fosse um carrossel humano.
De vez em quando pára e há tempo para entradas e saídas, para redefinir rotas. Podem mudar todos os personagens ou apenas alguns, pois há quem teime em manter-se quieto e acomodado no seu lugar, seja ele cativo e vitalício ou exija o pagamento de uma quota ou bilhete.
Há quem comande a sua vida, ocupando um lugar na gestão do carrossel, escolhendo o tempo de duração de cada volta, definindo locais para os participantes e, até, colocando música de interesse comum, para dar mais vida ao que já costuma ser, naturalmente, agitado. Às vezes, não consegue apreciar a viagem, com tanta ocupação. Noutras, consegue.
Há ainda quem seja apenas um personagem do seu próprio carrossel, andando nele durante voltas e voltas e deixando que outra gente, quiçá alguém de confiança, controle todas as voltas e paragens. Umas vezes, conscientemente. Noutras, nem por isso.

Tudo isto para dizer que o meu carrossel está em grande movimento e que não sei muito bem quando as suas voltas permitirão que venha aqui escrever com maior regularidade e sobre os assuntos do costume... ou talvez outros mais (ou menos) apelativos!

De momento, este corpinho que é o meu está também a entrar novamente em maiores movimentações (não tenho mais nenhum, que remédio olhar por ele!!).
Não, não é a proximidade do verão que me anda a provocar! Sou eu mesma a sentir que preciso de manter o corpo mais são e sei que devo aumentar a resistência, a destreza, a elasticidade e outras capacidades físicas.
Por isso, voltei às minhas caminhadas aqui na zona e estabeleci um objetivo que pretendo cumprir algumas vezes por semana: 5 kms por caminhada.
Como motivação extra, tenho usado a aplicação SportyPal no telemóvel e um conjunto de músicas porreiras para ouvir durante os cerca de 55 minutos de exercício.
E tenho conseguido ir com alguma frequência...

Esta semana recebi um extra motivacional: a companhia da minha filhota Matilde.
Ela sim diz estar a preparar-se para o verão (lol), por isso decidiu acompanhar-me nos seus patins. Ela de rodas, eu nas minha perninhas. As duas em fila, eu na frente e ela atrás. Cada uma com a sua música preferida...
E para conseguir tudo isto... toca a CORRER!!!
Pois é. As minhas "calmas" caminhadas deixaram de ser tão fáceis e passaram a incluir (muitos!) momentos de corrida... Nada de velocidades, mas o esforço tem sido maior e hoje os meus "gémeos" estão bem queixosos. (Ai ai ai ai!!!)

O importante é que o meu carrossel volte a girar a uma velocidade normal, sejam quais forem os personagens com e sem bilhete, independentemente da duração da viagem e sempre com muita e boa música a acompanhar. E que, já agora, esteja eu no comando e que também desfrute da viagem, seja calmamente sentada num banco de flores decorado, seja numa daquelas bacias que também rodam alternadamente para a esquerda e para a direita.


terça-feira, 3 de março de 2015

MEALHEIRO LITERÁRIO DE FEVEREIRO

Sem grande criatividade, paciência ou tranquilidade para escrever sobre assuntos mais profundos (e interessantes), venho aqui deixar o habitual mealheiro literário mensal.
Como já contei neste post, este ano decidi que, no máximo, poderia gastar 10,40€ em livros por mês e estou MUITO contente porque em fevereiro consegui poupar a totalidade deste valor, apesar de ter recebido alguns livros cá em casa.
O único gasto que tive foi a enviar o livro "Eu e as mulheres da minha vida", para circular no desafio literário "Roda o Livro".

Eis o que há por cá de novo:


 Comprados ainda em janeiro, não os tinha referido por aqui e só ontem os folheei pela primeira vez. São vários fascículos com ideias e dicas caseiras, que poderão ser úteis em algumas ocasiões.


Aqui estão duas prendas de aniversário: um marcador de livros (oferta da minha amiga Manuela) e um exemplar de "Rastos de Sândalo", de Asha Miró e Anna Soler-Pont (oferta da minha irmã)


Recebi estes livros como prémios do passatempo do 3.º aniversário do blog "A leitura é um Oásis!".

E assim, os resultados:

Gastei: 
0,57€

Saldo:
11,27€ - 0,57€ = 10,70€
Valor para março: 10,70€ + 10,40€ = 21,10€

Valor dos livros que recebi em fevereiro: 38,55€
Poupança: 100%