sexta-feira, 3 de julho de 2015

"ISABEL, A CONDESSA CERCADA"

Nos últimos meses tenho lido pouquíssimo. Faltavam-me capacidades de concentração, andava envolvida em muitas mudanças na vida e acabei por pegar pouco em livros, apesar de ter três na mesa de cabeceira.

Um desses livros foi-me oferecido pelo próprio autor e tem um enredo fantástico que junta episódios e personagens reais da História de Portugal com acontecimentos fictícios que vêm (quase que) completar a realidade.

"Isabel, a condessa cercada", de Pedro L. Torres, editado pela Saída de Emergência, é uma história passada no início do século XVI, por altura da expansão marítima portuguesa, em Arzila, uma das praças do norte de África conquistada aos mouros.
No centro da história, está Isabel, a personagem principal, esposa de D. João Coutinho, conde de Redondo, nomeado pelo rei português como capitão de Arzila, para onde se muda com ela e com os seus dois filhos, tendo como meta defender esta praça dos ataques mouros.
Durante as suas funções, D. João Coutinho terá de defender o território e não deixar que as tropas mouras se aproximem, ajudando ainda na defesa das praças das redondeza. 
Para facilitar esta tarefa, o conde mantém boas relações com Abrahem, um alcaide mouro com influência significativa junto do sultão, usando a condessa como elo de ligação e dando mote para que se desenrolem acontecimentos inesperados e outras personagens surjam envoltas em mistério e intrigas.

Começo por dizer que este livro está muito bem escrito.

A escrita de Pedro L. Torres, para além de muito rica do ponto de vista semântico e sintático, é bastante cativante e coesa. Estando a história bem equilibrada entre narração, descrição e diálogos, as ações surgem bem encadeadas e contextualizadas, misturando factos históricos com ficção de uma forma tão subtil que acabamos por acreditar que tudo aconteceu realmente daquela forma.

As descrições dos espaços exploram diversas vertentes dos mesmos (cheiros, ambientes, sons, cores), quase nos levando a "viajar" no espaço e no tempo.

As personagens são diversificadas e vão surgindo e revelando-se ao longo do enredo, sendo que as principais são riquíssimas do ponto de vista literário e psicológico, entre as quais destaco as femininas (Isabel e Amina) como as mais poderosas e envolventes.

Gostei da forma discreta e, ao mesmo tempo, misteriosa como é contada a relação entre o alcaide e a condessa, revelando-se alguns pormenores ao longo do livro, mas deixando espaço para que o leitor formule uma imagem pessoal do que realmente se passou entre os dois.

Fiquei com vontade de conhecer os restantes títulos da coleção "A História de Portugal em Romaces", na qual este livro se insere, mas tenho a sensação de que será uma leitura mais rica se, antecipadamente, conhecer melhor os dados históricos e reais que estão na base da história.

O meu "MUITO OBRIGADA" ao Pedro L. Torres por esta maravilhosa oferta, enriquecida com um autógrafo pessoal e delicioso, dando-me a oportunidade de desfrutar de momentos valiosos com a leitura da sua obra.

Sem comentários :

Enviar um comentário