sexta-feira, 8 de maio de 2015

DESNECESSÁRIA...

Talvez não devesse escrever destes post pois, segundo alguns, atraem o que há de negativo e nos deitam mais para baixo. Mas gosto de encarar este meu cantinho na net como um espaço onde a minha mente voa e a alma se alivia, por isso não consigo passar por cima do sentimento da semana sem aqui deixar umas linhas sobre ele.

Tenho sentido que sou desnecessária, ou seja, que ninguém precisa de mim.
Os filhos estão a crescer, os pais e irmãos mostram bem como se orientam sem mim, os alunos poderiam bem ter uma professora melhor (são às resmas...), os (poucos) amigos não ganham grande coisa com a proximidade (para além das minhas reclamações e neuras), os conhecidos nem dão por mim... não faço falta a ninguém, não sou necessária.
Este sentimento tem-me assustado... não sei (ainda) lidar bem com ele.

Sempre achei que iria adorar o momento em que o sentiria... que iria ser fantástico perceber que não faço falta, apesar de continuar a fazer parte da vida das pessoas. Mas esta semana tem sido diferente. Não o senti como algo (sequer) bom, mas como uma espécie de prova de inutilidade, de vazio, de falta de rumo e de excesso de inseguranças.
Perceber que o mundo à minha volta corre bem sem eu estar por perto é muito assustador, quando deveria ser um alívio, um peso que me saía de cima após anos sem "ter tempo" para mim ou, como se costuma dizer, para "me coçar".

Tenho colocado os outros à minha frente na minha vida, transformando as necessidades deles nos meus objetivos do dia a dia, e agora, que finalmente olho para mim e, orgulhosamente, começo a dar mais valor ao que sou, deparo-me com dias destes, em que o rumo parece ter desaparecido porque todos estão bem sem mim, porque não preciso de cuidar de ninguém. (Serei eu, de facto, alguém?!)
Não o deveria ter sentido, muito menos de forma tão dura... nesta fase não faz sequer sentido sentir assim... mas o hábito vem tão de trás que fica difícil agarrar-me a mim durante tempo suficiente para perceber que é assim que tem de ser.

Claro que, a frio, sei que há muita gente que precisa de mim apenas porque me ama e me quer por perto, sem ter de fazer ou dizer algo... mas a semana foi quente e dura e os pensamentos e sentimentos, quando aquecidos a altas temperaturas, tendem a ferver e a não deixar ver com suficiente nitidez o que deveria ser básico e inquestionável.

Tudo isto só mostra que preciso mesmo centrar-me no que (ou em quem) sou, aprender a amar cada bocadinho de mim e valorizar o que me faz feliz, sem isto passar (tão) pela felicidade dos outros.
Chego lá... juro que chego! (Não dizem alguns que sou teimosa e outros persistente?!)


4 comentários :

  1. Hey
    Fora esses pensamentos negativos, e vamos animar. Se não formos necessários para os outros ( porque somos sempre !! ) temos se ser necessários para nós próprios . Amar-nos primeiro , cuidar !
    Se precisar e quando precisar , estou ali no cantinho ao lado <3 beijinho grande

    ResponderEliminar
  2. Não estejas assim tristinha amiga. Sorri à vida e melhores dias virão!
    Beijinhos.

    www.trapinhartes.blogspot.com

    ResponderEliminar