quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

JÁ DEVIA...

Já devia estar habituada, mas não estou.
Já devia saber exatamente como me sinto, mas não aceito o que sei.
Já devia assumir com naturalidade que preciso parar, mas é duro demais conheces este limite.
Já sei que quando o fundo fica próximo, o escuro invade-me a alma e tudo perde a cor, as formas e o ritmo. Que quando o túnel se mostra demasiado comprido, a sensação de asfixia regressa e a luz não consegue iluminar-me os pensamentos e as emoções, ao ponto de reconhecê-las e saber relacionar-me com elas.
Já devia respeitar estas recaídas como algo que faz parte, mas nunca me sinto preparada para lhes abrir a porta da mente e as janelas do quotidiano.
Aceito-as conformadamente como minhas, mas não gosto que me passem rasteiras e me afastem de momentos que poderiam ser mágicos e memoráveis.
Em casa, sem forças na alma para erguer uma pena, luto contra a vontade de fechar os olhos e deixar-me possuir por esta (sempre) surpresa... mas quero mostrar-lhe que sou eu quem domina a nossa relação e, se tiver de dormir horas e horas, que seja porque assim o decido fazer e não porque não há caminho nem alternativa.
Já devia respeitar melhor esta relação de quase 20 anos, mas ainda quero viver sem ela.

1 comentário :

  1. Já devias respeitar estas recaídas como algo que faz parte, mas nunca te sintes preparada para lhes abrir a porta da mente e as janelas do quotidiano e ainda bem, acrescento eu. Com o passar do tempo, apesar de continuarem a aparecer, estás cada vez mais forte ou perspicaz para as prever e ultrapassar. Tenho orgulho, muito orgulho por, apesar de teres este problema, seres uma lutadora por natureza que não se deixa levar a melhor. Foste sempre a inspiração para as minhas pequenas lutas. Amo-te.

    ResponderEliminar