sábado, 17 de janeiro de 2015

"SEM DIZER ADEUS", DE LINWOOD BARCLAY

A única vantagem de estar doente de cama, se é que lhe posso chamar vantagem, é ter mais tempo para ler, entre sestas e medicamentos, quando a cabeça o permite e a paciência o facilita.
E foi graças à minha já diagnosticada infeção respiratória que terminei a leitura do livro "Sem dizer adeus", de Linwood Barclay.

Este livro é um policial e toda a história anda à volta do desaparecimento misterioso de uma família
de sua casa durante a noite, sem deixar quaisquer vestígios do que possa ter acontecido.
Este drama aconteceu à família de Cynthia, uma jovem de 14 anos que um dia, ao acordar, descobre que a mãe, o pai e o irmão desapareceram, deixando-a sozinha e com dúvidas sobre o que possa ter acontecido. Teria sido um rapto? Um assassinato? Teria ela sido abandonada?
Durante 25 anos, a polícia nada descobriu, pelo que considerou o caso sem resolução, mas Chynthia nunca conseguiu recuperar totalmente, apesar de ter refeito a sua vida com a ajuda de uma tia, nem desistiu de saber o que realmente aconteceu.

Gostei muito deste livro!!!
Há muito que não lia um policial e já não me lembrava como fico verdadeiramente presa à história e atenta a todas as pistas que vão surgindo, apresentadas ou não pelo narrador da história. E foi o que aconteceu com este livro. A partir do momento em que surgiram as primeiras revelações, não mais me apeteceu largá-lo.
A história está contada na primeira pessoa, sendo o narrador o marido de Cynthia, que, como também não está a par do que possa ter acontecido, não precisa de nos esconder nada e acaba por ir conhecendo pormenores ao mesmo tempo que o leitor, o que se revela muito interessante.
A escrita de Linwood Barclay é simples e fluída, mas também intrigante e envolvente, sem se prender com muitos pormenores desnecessários, mas abrangendo vários aspetos da vida das personagens que só sabemos não serem importantes quando descobrimos o que aconteceu.
O livro está dividido em muitos capítulos, o que facilita a leitura, alguns dos quais aparecem escritos a itálico e são muito importantes para a história, constituindo um diálogo entre duas personagens que ficamos quase até ao final sem saber quem são.
Gostei de sentir a força das relações afetivas entre as personagens, as quais são também relevantes para o desenrolar de toda a trama.
E como não posso contar mais, resta-me aconselhar a sua leitura.

Ah...
E referir que, com a leitura deste livro, cumpri o desafio literário "Vamos Doar um Jardim ao Sol" a que me propus para o mês de janeiro, pois ganhei-o de presente da minha irmã, que é MESMO uma pessoa muito importante na minha vida.

3 comentários :

  1. Olá Marisa!

    Gostei muito da tua opinião! Adoro policiais! Vou tomar nota :)

    Beijinhos e as melhoras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isaura!!!
      Obrigada por estares aí, sempre atenta.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Já o li há algum tempo, pelo que não me recordo do desfecho, mas lembro-me que adorei ficar presa a ele. Beijocas!!

    ResponderEliminar