quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

MEALHEIRO LITERÁRIO 2014

Tirei a ideia do blog "Por detrás das palavras" e decidi aderir, até porque quero mesmo economizar durante este ano, mantendo as leituras, ou seja, tendo sempre algum (bom) livro para ler.
Não posso dizer que comecei muito bem, mas espero recuperar o valor que gastei com os 4 livros que adquiri este mês, uma vez que foram oportunidades únicas.

Encomenda "Editorial Presença":
- 19,08€ (eram 33,10€, pelo que poupei 14,02€, mesmo pagando portes de envio)

Compra no Continente (com 50% de desconto):
- 8,90€ (eram 17,80€) 

ENTÃO VAMOS A CONTAS:

DESPESAS:
LIVROS COMPRADOS: 4
Valor gasto: 27,98€

LIVROS ENVIADOS: 0
(Para empréstimo)
Valor gasto: 0,00€

POUPANÇAS:

LIVROS RECEBIDOS/EMPRESTADOS: 1
(presentes, passatempos, empréstimos e winkingbooks)
Valor poupado: 10,00€

LIVROS JÁ NA ESTANTE: 4
(lidos apenas este ano)
Valor poupado: 49,29€ (2,99€ + 16,54€ + 12,00€ + 17,76€)

GASTEI EM JANEIRO: 27,98€

POUPEI EM JANEIRO: 82,21€

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

FELIZ ANIVERSÁRIO, RUI PEDRO!

Os meus filhotes já deviam estar deitados, mas egoisticamente vou deixá-los acordados mais um pouco, pois agrada-me ouvi-los a brincar juntos, a rir às gargalhadas, felizes...
Estão comigo e juntos... estão aqui...

E não consigo imaginar a dor de perder um deles ou de não saber onde estão.
Não consigo imaginar como se vive sem os encontrar... não consigo, mas dói só de olhar para a Filomena e há quase 16 anos que sigo a sua dor e que a vejo no seu olhar, nas suas palavras, até na sua pele...

Hoje o Rui Pedro faz (ou faria) 27 anos!
É já um homem e a mãe não o vê desde os 11... a idade que o meu Simão está quase a fazer.
Nunca fui indiferente a esta dor e hoje tenho mesmo de partilhar este vídeo e deixar os meus sinceros "PARABÉNS" ao Rui Pedro, esteja ele onde estiver.


Quem me dera que esta mãe um dia reecontre o seu menino!
Era tão bom!!

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

FINAL DE TARDE DIFÍCIL

Hoje tive um final de tarde difícil.
Comecei com umas pequenas dores de cabeça de manhã... como não é a primeira vez que começa assim, devia ter logo tomado medicação para prevenir que piorasse, mas mudei de mala e os comprimidos ficaram lá.
À hora do intervalo da manhã, aumentou um pouco, mas aguentei-me confiando que, na hora do almoço, iria comprar o medicamento e tomar logo. Mas nunca é tal como pensamos e apareceram algumas coisas urgentes para tratar e quando cheguei à farmácia já estava fechada.
Aguentei de novo...
Mas foi um esforço grande demais e, às 16h, depois de um dia em que as vozes dos miúdos pareciam sempre demasiado altas, vim para casa e nem sei como cá cheguei...
A enxaqueca estava tão forte que, juro, receei a viagem. Vim com vómitos e intolerância à luz e parecia que a cabeça ia rebentar... a viagem de 15 minutos pareceu uma eternidade e toda a concentração que me sobrava de tantas dores usei para chegar sã e salva, por mim e por todos os que comigo se cruzaram.
Agora penso noutras decisões que poderia ter tomado, mas na altura só queria chegar a casa e deitar-me.
E assim fiz... liguei ao Hugo para ir buscar os miúdos, tomei medicação e dormi até às 19h30.
Agora estou bem melhor!
Mas ainda vou tomar a medicação de novo, quando puder.
E vou espalhar comprimidos pelas malas todas que uso...

domingo, 26 de janeiro de 2014

MARATONA LITERÁRIA "VIAGENS (IN)ESPERADAS"

Hoje começa a primeira Maratona Literária deste ano, organizada pela Catarina, do blog "Sonhar de olhos abertos", e pela Silvana, do blog "Por detrás das palavras", que começará à meia-noite e terminará às 23h59 de dia 31 de janeiro.
Esta maratona chama-se "Viagens (in)esperadas" e será temática. O tema escolhido foi "Livros escritos por autores que nunca leram" e, tal como a última de 2013, terá um desafio diário.

Para começar, foi-nos proposto que fizessemos um plano de leitura para a maratona.
Como inclui muitos dias úteis, nos quais não consigo ler tanto, não vou fazer nenhum plano... Tenho em casa vários livros que ainda não li e muitos deles têm autores novos para mim, por isso por agora apenas escolhi um e, se conseguir ler mais, irei escolhendo outros.
Vou começar com "Tardes de chuva e chocolate", de Amalia Decker Márquez.

À medida que vou respondendo aos desafios, vou atualizando este post, para que fique aqui tudo arrumadinho!
Mal posso esperar pela hora do início... talvez comece a lê-lo antes da hora, apesar de apenas poder contabilizar as páginas que forem lidas após a meia-noite.

sábado, 25 de janeiro de 2014

COSMÉTICA DE REJUVENESCIMENTO

Quem me segue por aqui há algum tempo, sabe que estou inscrita no site "Embaixadores", que agora se chama "YOUZZnet" (ver barra lateral direita), no qual somos convidados a preencher alguns inquéritos sobre variados temas e a aderir a campanhas de algumas marcas. Nas que formos selecionados como "embaixadores" recebemos um conjunto de produtos a testar, sobre os quais divulgamos a nossa opinião sincera, como forma da marca avaliar o impacto que os produtos têm no consumidor. Já fui selecionada para 2 campanhas e gostei bastante de nelas participar.

Neste momento, a comunidade Youzznet está a lançar a campanha L’Oréal Paris e vão recrutar 2 500 mulheres para experimentar gratuitamente um creme revolucionário na área da cosmética de rejuvenescimento.
Eu vou aderir, esperando ser selecionada.
E vocês, não querem experimentar?

É fácil?
Basta fazerem o registo na comunidade youzz.net™ aqui. Depois, usem o código 7nyn2eegmf, colocando-o no campo adequado no momento do registo. Por fim, receberão um e-mail para confirmar o registo e deverão procurar a referida campanha e preencher o inquérito de qualificação.
Eu acabei mesmo agora de o fazer e demorei cerca de 5 minutos.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

SOUND NO MEU BOGUINHAS!!!!

Tenho de me preparar para o grande dia...
Há quase duas décadas que não faço destes temas a minha banda sonora quotidiana, por isso a memória tem de ser avivada para vivenciar bem o momento e pedi ao maridão que me gravasse um cd com mp3 do "best of".
E assim, desde ontem que o sound no meu boguinhas me leva a recordar uma fase fantástica da vida e que, penso eu agora, devia ter aproveitado (ainda) melhor e durante mais tempo.
E por dois momentos no dia volto a ser teenager (mas com carro!).

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

CANTINHOS DO MEU DIA A DIA

Há cantinhos que me são familiares, que fazem parte do meu dia a dia. Habitualmente passo por eles muitas vezes e não lhes dou muita atenção. Acho que os tenho por adquiridos e não penso que um dia poderei vir a sentir saudades deles. Não os olho bem, não lhes sinto o cheiro...
Mas hoje reparei num deles e senti vontade de começar a captá-los com o telemóvel.
É que dar valor aos nossos cantinhos diários dá logo outro significado à vida e faz-nos perceber como somos infinitamente ricos sem dar conta!

 
E o cheiro por aqui hoje era o mesmo que sinto há anos...
E cantinhos como este estão tão perto de desaparecer!

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

FICANDO UMA MULHERZINHA

Quando há duas semanas a minha Matilde se lembrou de arrumar as minhas gavetas do hall de entrada, confesso que pensei que a princesa estivesse a ficar adoentada. Ela que é tão desarrumada? Ela que consegue estar dias a brincar no quarto com ele completamente virado do avesso? Nah!!!!

Mas agora dou a mão à palmatónia... a rapariga está é mesmo a crescer!
Na sexta eu e o irmão estivemos doentes e ela tratou de nós... tivemos mesmo direito a uma enfermeira dedicada e amorosa, que queria o nosso bem-estar e não poupou esforços para o conseguir! (Por favor, não me mandem prender por exploração infantil!)

Ontem quis fazer o jantar!
Era dia de saladinha ou de massa e lá se orientou: coseu a massa na Bimby (com uma ajudinha para não mexer no quente!), colocou os queijos frescos nos pratos, cortou ananás aos pedacinhos e compôs a refeição. O mano, que não gosta de queijo, teve direito a uns calamares...


E hoje, depois de ter estado comigo na compras, sempre atenta aos preços, comparando e escolhendo o que mais compensava, chegou a casa e ofereceu-se para arrumar tudo nos armários. E não é que quis limpar e arrumar o frigorífico? Verdade!!! Teve foi de ser à sua maneira: retirou tudo, limpou e voltou a arrumar, por categorias. Valente!!
Estou mesmo orgulhosa da minha menina-mulher de quase 9 anos!!

domingo, 19 de janeiro de 2014

ANIVERSÁRIOS...

O dia 19 de janeiro é um dia marcante para mim... é um dia que representa dois marcos na vida das minhas duas avós... nunca o esquecerei, por mais anos que viva sem elas. Talvez um dia represente também o nosso reencontro do outro lado da vida, onde sonho que tudo é paz e alegria, onde voltaremos a abraçar aqueles que nos são queridos e que viajaram sem regresso antes de nós.

Faz hoje 22 anos que perdi a minha avó materna, a avó Delmira, com apenas 61 anos.
Na altura não me parecia tão nova assim, mas era. Nova demais para morrer, nova demais para sofrer o que sofreu, nova demais para se despedir da vida que tanto adorava, numa altura em que deveria estar a gozar do descanso e dos mimos de todos à sua volta...
Ela era uma mulher de garra, prática e meiga, que adorava ajudar e que lutava pela justiça na vida dos que estavam à sua volta. Era um pilar, apesar dela própria se agarrar a todos, em especial à filha dos seus olhos, tão desejada durante anos. Gostava de passear, de ir ao café, de conversar... não se importava de sair de casa sem deixar a cozinha arrumada, pois queria era aproveitar...
A minha avó adorava rebuçados de mel e jogava às cartas connosco. Fazia croché, tinha muitos botões e gostava de me fazer enxoval. Era vaidosa e gostava de andar bem arranjada, era querida para toda a gente, gostava de dançar e cantava o fado como ninguém.
No final da sua vida, gravámos a sua voz para nunca nos esquecermos dela. Mas a dor de uma voz sem rosto e sem um peito para abraçar e uma pele macia para beijar, dói demais...
A minha avó era defensora dos fracos e oprimidos. Foi guerreira de bairro após o 25 de abril, ajudou muita gente e dava sempre a voz por aqueles que achava que precisavam de uma palavra.
Partiu cedo demais e já dei por mim, muitas vezes, a imaginar como ela seria e reagiria se estivesse viva... se assistisse à minha queima das fitas (chorando e dizendo a toda a gente que aquela era a sua primeira neta), se conhecesse o meu marido e cunhados (ia adorá-los e mimá-los exageradamente), se assistisse ao nascimentos dos bisnetos (mais uma avó com açúcar que iam adorar)... se fosse passear de carro com qualquer um de nós (e o que adorava andar de carro!)...

Neste mesmo dia, neste 19 de janeiro, a minha avó paterna fazia anos. Hoje seria o seu 81.º aniversário... e seria dia de nos juntarmos e de a vermos vaidosa e radiante... Faria 81 anos e já partiu há 11. Também cedo demais, também quando podia estar a viver uma vida mais tranquila após anos e anos de trabalho duro para criar, sozinha, 3 filhos...
A minha avó Zelinda era também uma guerreira. As batalhas eram outras, mas a garra e coragem destemidas com que arregaçava as mangas e tudo resolvia num instante sempre foram um exemplo para mim. Era também muito dada ao que de melhor a vida tem: ao divertimento. Gostava de dançar e corria todos os bailaricos com as suas amigas. Gostava de ter sempre o cabelo arranjado e os lábios pintados. Levanta-se antes de toda a gente, ia à praça e voltava carregada (parecia que) em minutos. Chegava e colocava logo o almoço em andamento, acompanhando com uns fadinhos ou com música do rádio. Fazia roupa de malha numa máquina profissional e ajeitava-se bem nas costuras.
Nas férias, ia alguns dias para casa dela, em Setúbal, onde brincava com os meus primos durante dias, parando apenas para as refeições. Na adolescência, era lá que dormia quando ia sair à noite... ela ficava à nossa espera, mas confiava que tudo correria bem e assim podíamos esticar um bocadinho mais o horário de chegada.
Era uma avó pouco dada a beijos e abraços, sofrendo calada por não ter mais esse hábito e não receber tantas visitas como, no fundo, desejava, mas mostrava-se durona e independente, achando-se capaz de tudo sozinha e fazendo gosto em provar que os filhos poderiam estar descansados... era também um pilar.


Hoje queria poder abraçar as duas... queria poder dizer-lhes que as amo... devia tê-lo feito quando eram vivas e deixei fugir essa oportunidade... talvez daqui a muitos anos nos encontremos as três e o possamos dizer, partilhando o amor que temos umas pelas outras.
Hoje queria ver os seus sorrisos de alegria, as lágrimas de orgulho nos netos, a maravilha das características de cada uma, que as tornaram eternamente únicas e muito importantes para mim.
E hoje vejo algumas das heranças que me deixaram... quase que sou uma mistura das duas, adaptada aos tempos modernos.
Tenho saudades!! Mas apesar delas e da tristeza do dia, não sinto vontade de chorar, mas um aperto confortante no peito. Sei que estão bem e que tudo o que aqui escrevi, tendo vindo direto do coração, chegou até elas e as colocou a festejar. Até sempre, avós!!!

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

PORTUGAL É UMA ALDEIA

Há acontecimentos curiosos, quase coincidências, que me fazem pensar como é pequeno este nosso país e como tudo está tão bem interligado!
Apesar de, por vezes, os pequenos pormenores me passarem um pouco ao lado, a verdade é que, quando a atenção recai sobre eles, conseguimos ver algumas ligações e, até, achá-las curiosas.
Isto aconteceu esta semana comigo...

Conheço a jornalista Sónia Morais Santos há bem mais de um ano. Conheço-a virtualmente (entenda-se!!!) que, apesar de ter estado com ela quando comprei o livro "Cocó na fralda", tenho a certeza que não se lembra de mim.
Conheci-a através do seu blogue (também "Cocó na fralda"), deslumbrei-me com a sua escrita e, desde aí, tenho lido algumas das suas crónicas, rubricas e outros escritos. Gosto da sua forma de escrever e identifico-me com ela e com muito do que diz.

Não conhecia a sua reportagem "O melhor do Mundo" e foi com agrado e curiosidade que esta semana a trabalhei com os meus alunos, uma vez que surgiu como texto a explorar no manual escolar adoptado pela escola.

Lemos e descobrimos a vida deste menino, mais ou menos da idade dos meus 26 reguilas, com uma vida tão diferente da deles... uma vida de aldeia, uma paixão por essa vida e a participação num grupo de teatro muito conhecido e emblemático, por sinal, no seio dos 50 habitantes locais e nos arredores.
O menino Pedro, habitante de Campo Benfeito, também faz parte desta companhia, que reúne alguns dos seus familiares: o Teatro de Montemuro.
Andámos dois dias de roda do texto, explorando e trabalhando a partir dele...

Ontem, inesperadamente, veio parar-me às mãos novamente um texto com o nome desta companhia de teatro.
"A sério?  Estarei a ler bem?", perguntei eu quando, ao informar os miúdos das próximas atividades culturais a decorrer no concelho da Moita me deparei com a peça "O Gigante" que estará em cartaz no domingo, dia 26 de janeiro, no Centro Cultural José Manuel Figueiredo (Baixa da Banheira), apresentada (imagina-se!) pelo Teatro de Montemuro.

Eu e eles, espantados, pensámos quase que simultaneamente "Será que vamos conhecer o Pedro?"...
Curioso, no mínimo.

Mas tudo isto me deixou a pensar como, apesar dos mais de 10 milhões de habitantes do país, a Sónia, o Pedro e o teatro de Montemuro mostraram como Portugal é mesmo uma aldeia!

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

CINZENTA OU COLORIDA?

Hoje andei muito cinzenta!
Logo ao vestir-me só me inclinava para peças de roupa escuras e, conscientemente contrariando esta tendência, até vestiuma camisola de cor salmão.
O dia, chuvoso e nublado, também não ajudou a dar outra cor às minhas horas e andei toda a manhã meio aborrecida. Não havia (nem há!) nenhuma razão especial, acordei assim e pronto.
Ao almoço saí sozinha e acabei por dar um volta no Continente lá da vila...
A estante que está mais completa!
E aí, as cores apareceram um pouco, espreitando por detrás das prateleiras dos 50% de desconto nos livros. Não era para ter comprado nenhum, mas acabei por trazer dois por menos de 9 euros.

Chegando a casa, primeiras rotinas terminadas, lá me sentei uns minutos na sala ao portátil para atualizar uma das minhas listas! Sim, que esta mania das listas faz com que também tenha uma onde registo os livros que tenho em casa e que ainda não li! Não é pequena, por isso posso ficar meses (ou anos!!!) sem comprar nenhum, mas ficou enriquecida com estas novas aquisições e, na verdade, olhar para as prateleiras e ver todas as cores das lombadas dos meus amigos fez com que a noite começasse de forma menos cinzenta e que me apetecesse terminar em beleza.
Até consegui convencer a minha malta a alinhar numa salada para o jantar e o homem a fazê-la para todos nós!!!
É caso para dizer: é mesmo de pequenas gotas que se faz um arco-íris!!!!

TAGARELAS...

Tenho dois tagarelas cá em casa... Aliás, somos três tagarelas cá em casa!
Todos os três gostamos imenso de conversar, de contar os pormenores mais importantes, caricatos, divertidos, aborrecidos... das nossas vidas, de cada dia, cada hora, cada minuto. Se nos derem conversa, somos capazes de mudar cinquenta vezes de assunto, sem descansar ou (sequer) beber água. Falamos, ouvimos... somos capazes das duas coisas, que apesar de tagarelas não gostamos de falar para as paredes!!! Falamos em qualquer lugar e, muitas vezes, onde não devíamos (tipo na sala de aula!!).
Falamos com toda a gente... nem sei bem quantas vezes eu, por exemplo, digo "bom dia" desde o carro até ao portão da escola... ou quantas palavras consegue a minha Matilde dizer nos vastos 5 minutos de viagem para casa... ou quantas frases troca com ela o simão enquanto veem os Panda Biggs ou outro canal do género!!! Não sei mesmo, mas muitas!!!
Já as minhas professoras se queixavam e as deles estão na mesma!! Mas porque é que os miúdos herdaram tanta coisa do pai e não esta qualidade? (Entenda-se: saber estar calado!)
É que esta coisa de arranjar sempre o que dizer a quem quer que seja tem o quê de aborrecido! Mal nos desconcentarmos 1 segundo e... pimba! Boca a funcionar!!!
O que ainda nos vale é que o cérebro consegue comandar a fala e fazer outras coisas ao mesmo tempo! Coitados de nós se assim não fosse... Às vezes até dou comigo a pensar se a conversa não fará os neurónios trabalharem mais e melhor!
E pronto... já estou a tagarelar...
(Incrivelmente, a casa está em silêncio neste momento! Pois está! Mas a verdade é que eu tagarelo aqui e os filhos tagarelam os dois nos sonhos, que são sempre agitados e com grandes enredos, tanto que, volta na volta, lá saem umas palavrinhas numa língua portugassonhês que mostram que eles estão em casa!)

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

LOTO LITERÁRIO

Este ano resolvi aderir a um desafio literário ao qual aderem também muitos dos blogues em que se fala sobre livros e leituras: o loto literário. Já em janeiro passado estive para alinhar neste desafio, mas acabei por me acomodar e deixar passar o início do ano, não tendo de facto avançado. Este ano vou mesmo fazê-lo e, para já, contei com a preciosa ajuda da minha amiga do blogue "As Histórias de Elphaba", que me contruiu o tabuleiro do jogo com as categorias que lhe enviei. Obrigada, minha linda!!!


  O objetivo principal deste desafio é aumentar a variedade de géneros literários dos livros lindo durante um ano.
Este é um grande desafio para mim, que adoro ler mas que sou uma completa apaixonada por romances e que tenho muita tendência para escolhê-los preferencialmente a outros géneros.
Assim, sob a forma de bingo, tentarei ir preenchendo o meu cartão, à medida que as leituras anuais vão acontecendo, de forma a fazer "linha" ou "bingo" tendo, para tal, de diversificar as minhas escolhas e sair um pouco da minha "zona de conforto" em busca de novas aventuras.
Penso que vai ser muito positivo andar envolvida neste desafio, mas não vou, de forma alguma, fazer da leitura uma obrigação nem deixar de ler o que me apetece só com o intuito de completar o cartão, já que para mim ler é (e deverá ser sempre) um prazer.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

"CINDER"

No domingo terminei a leitura do livro "Cinder", de Marissa Meyer, que me fez companhia durante os primeiros dias do ano. 

Penso que posso dizer que este livro nos conta uma nova versão da história da Cinderela, adaptada aos tempos futuros e com novos pormenores, personagens e enredos.
Recheada de novas tecnologias, num tempo em que os automóveis foram substituídos por planadores e que se comemora mais de um século após a quarta guerra mundial, Cinder surge como uma cyborg adoptada e com poderes especiais, que se apaixona por um princípe que tem nas mãos o destino no país e a paz entre a terra e outro planeta.
Na minha opiniao, toda a história é muito interessante e bem estruturada, deixando-nos ao mesmo tempo confortáveis, por conhecermos a versão original do conto de fadas, e intrigante, deixando-nos sempre na expetativa das alterações que vão surgindo.
Gostei principalmente da pureza de sentimentos das personagens principais e de haver uma irmã boa e amiga de Cinder e não duas "más". Gostei do romance que se desenrola ao longo de todo o livro e da forma como novos dados sobre Cinder vão surgindo aos poucos na história. Gostei da forma como a autora coloca as personagens a dialogar.

Não gostei do final... Ou melhor, achei-o demasiado explicitamente aberto à leitura do segundo livro da autora, deixando-nos, de facto, vontade de descobrir o que vai acontecer a seguir e como o romance entre Cinder e o princípe irá evoluir. Talvez pense assim porque sei que em 2013 saiu um novo livro intitulado "Scarlet" que dará seguimento às personagens principais deste.

sábado, 11 de janeiro de 2014

2 DESAFIOS EM 2 FRASCO

Gosto de desafios...
Gosto de ideias positivas e que nos façam felizes...
E por isso este ano terei 2 frasquinhos cá em casa com ideias positivas, aderindo aos desafios dos blogues "Mum's The Boss" e "Efeito dos livros".
Será que conseguirei encher os frascos?



Estes são os meus, já preparadinhos para os recados:
 

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

FECHADA PARA OBRAS

Estou a precisar de mudanças, de remodelações.
Por isso, vou fechar para obras por uns tempos. Talvez umas horas, talvez uns dias...
Quando voltar, trago a Marisa que verdadeiramente sou e que quero ser daqui para a frente. Trago também todas as outras faces... essas têm sido mais valorizadas e respeitadas nos últimos anos.
Ainda não sei bem o que vou mudar, salientar ou fazer desaparecer.
Sei que vou vir mais feliz.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

COM ASAS...

Há coisas que a gente sente e ninguém entende...
Há coisas que a gente sente e não conta a toda a gente... ou a ninguém.
Há sentimentos que invadem a gente no coração e se espalham pelo corpo, aquecendo a nossa mente.
Há vontades que não passam disso mas que vos levam a sonhar tanto que quase se tornam reais.
Há forças contra as quais lutamos diariamente, mas que no fundo sabemos serem as tais...
Há pensamentos que aprisionados (ou recalcados) causam dor, para nos outros não causar pudor...

Às vezes basta tão somente deixar voando em nossa cabeça o verdadeiro pássaro que somos: aquele que transporta nas penas todas as coisas que ninguém entende porque a gente sente e que não contamos a ninguém... penas que são sentimentos, vontades, forças, pensamentos verdadeiramente livres e que nos permitem chegar à felicidade...

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

"MENTIRAS & CONDOMÍNIOS"

Durante a Maratona do fim de semana anterior, terminei a leitura do primeiro livro de "Filipa Múrias", "Mentiras & condomínios", e fiquei com aquela sensação boa e duradoura de final feliz.

Este livro conta a história de três amigas de longa data, centrando-se principalmente em Caetana, que, após
sete anos nos EUA, regressa a Portugal convencida da sua melhor autoestima e da sua força emocional. As amigas, Sofia e Bárbara, são duas mulheres bem diferentes: uma pouco preocupada com o futuro e querendo apenas divertir-se com homens casados sem interesse em relações emocionais e outra bem casada e mãe babada de 3 crianças.
Num turbilhão de acontecimentos que marcam os primeiros meses de Caetana de volta a Portugal, a protagonista vai perceber o que é realmente importante na vida e a dar valor ao conselho "Não tens de provar nada a ninguém, tens que ser livre e feliz"...
Mais não posso contar, mas quero deixar a minha opinião muito sincera.

Gostei bastante do livro. É de leitura fácil, sem palavras muito complicadas e enredos difíceis de acompanhar, tem muitos diálogos e poucas descrições, é atual, divertido e cativante. Não me parece que seja uma obra de literatura sofisticada, mas a história está bem organizada e encadeada, prendendo sempre a atenção do leitor e deixando espaço para imaginarmos cenários de fundo e características pessoais das personagens.

Estava a precisar mesmo de uma leitura descontraída e fez-me muito bem esta.
Mais uma vez veio ao de cima o que tanto tenho tendado interiorizar: é preciso irmos em busca do que nos faz felizes, sem receio do que o mundo acha correto e da opinião dos outros, seguindo o nosso coração e deixando-nos deslumbrar.
Temos, de facto, o direito à felicidade e contra ela impõem-se os preconceitos, as opiniões dos outros, o medo, a vergonha, o politica e socialmente correto em padrões muito lineares e redutores.
Acho que vou à procura de outro livro da Filipa Múrias...

domingo, 5 de janeiro de 2014

ATÉ SEMPRE, EUSÉBIO!!

Hoje o nosso país ficou mais pobre... o futebol ficou sem rei... o coração dos portugueses ficou mais triste!
Eusébio, o nosso Eusébio, partiu...
O céu, esse, ficou mais rico e mais alegre, porque recebeu uma nova estrela de coroa, por isso a noite está mais brilhante!
Para sempre será recordado com saudades por todos nós.
Descansa em paz, grande jogador!!


P.S. Conforta-me um pouco saber que houve tempo para o homenagear antes de partir, o que nem sempre acontece.
Na RTP estão a dar a repetição dessa homenagem...

IDA AO VETERINÁRIO

Hoje foi dia de ir com as minhas amigas felinas ao veterinário, para a vacinação anual.
De manhã, fui com a Isla, que se portou como uma princesinha: deixou cortar as unhas (parecia que estava na manicure!), ronronou quando a médica a auscultou, abriu bem a boca para tomar o desparasitante, não se queixou da vacina...
Enquanto esperava, esteve sempre deitadinha na caixa transportadora, em cima na nova almofada verde, a combinar com os olhos das duas amigas gatas. (E com a minhas sala, vá lá!!!)
A Isla era a única gata... de resto só havia cães na clínica, cada um de seu tamanho e feitio. (E preço!)
A Matilde foi comigo e andou a tentar fotografá-la, mas não foi nada fácil, porque já não se lembrava como era e estava com receio da reação da sua menina.


De tarde, voltei sozinha com a Rosinha.
Bem... que difícil foi colocá-la na caixa!
Enquanto esperávamos, durante mais de duas horas, esteve quietinha e eu a desesperar.
Tentei ler e ainda consegui umas 20 páginas, mas foi só até chegar uma senhora cinquentona que falava pelos cotovelos e se metia em todos os assuntos das outras pessoas que esperavam, para além de ter estado todo o tempo a tentar que a deixassem passar à frente. Como não conseguia entender nada do que estava a ler, acabei por desistir.

Sempre que vou à clínica, o que, felizmente, só tem acontecido uma vez por ano, penso na mesma coisa: há quem seja muito "maricas" com os animais, especialmente com os cães! Tanta gente que não tem filhos porque dá muita despesa e, em vez disso, tem bichos de raça (pelos quais pagaram um dinheirão) e os trata como se fossem pessoas, gastando imenso tempo/dinheiro em alimentação, passeios, acessórios e consultas... tanto quanto gastariam com um filho...
São opções... (e quem sou eu para criticá-las?)... mas há tanto cãozinho rafeiro por aí a precisar de um lar para não acabar os (poucos) tempos de vida com uma injeção num canil municipal!

Bem...
A Rosinha não gostou mesmo nada da visita à Dra. e não se portou como devia.
Estava assustadíssima, arrufou quando a médica tentou dar-lhe miminhos e só acalmou nos meus braços, tendo de levar a vacina embaladinha neles. O desparasitante terá de ser dado em casa amanhã, as unhas ficaram por cortar (que eu também não consigo!) e o caminho para casa foi atribulado porque fugiu da caixa e fez-me companhia a espreitar pelo vidro.
Agora está aborrecida comigo. A ver se me deito ainda uns minutos no sofá para fazermos as pazes!!!

sábado, 4 de janeiro de 2014

"AVENTURAS DA CARNE"

O livro "Aventuras da carne", de Julie Powell, autora da obra que deu origem ao filme "Julie & Julia", foi uma surpresa para mim, apesar de nem sempre de fácil leitura.

Esta obra conta a história de uma mulher que vive amando dois homens, dividida entre eles, procurando encontrar-se e definir a sua vida, e que tenta encontrar respostas na aprendizagem de "talhante". Aprendendo a cortar carne, a prepará-la para cozinhar e descobrrindo novas receitas, Julie tenta definir o que fazer em relação ao amor que sente pelo marido, com quem tem uma relação de cumplicidade, e o que sente pelo amante, de quem depende para se sentir "mulher".
Nesses meses de aprendizagem, bem como na viagem que posteriormente faz a diversas parte do mundo, Julie encontra uma forma de resolver os seus dilemas olhando, principalmente, para si própria.

Gostei da história, do enredo do triângulo amoroso, da reflexão que a protagonista vai fazendo à medida que "cresce" para si própria... É um tema que nos deixa a pensar no que é realmente o amor e na possibilidade (ou não) de se amar duas pessoas ao mesmo tempo, de diferentes formas. Dei comigo a pensar no pouco tempo em que estou sozinha comigo própria e na dificuldade que tenho em fazê-lo, nem que seja por um dia. E chego à conclusão que é um encontro que raramente tenho e que evito...

Não gostei da excessiva descrição da arte de talhar carne, dos pormenores detalhados e minunciosos... Fizeram com que, em determinadas partes do livro, perdesse o interesse e a concentração, afastando-me da história que mais me estava a agradar. Talvez haja quem goste de ter assim tanta informação ao longo do livro, mas, para mim, o livro ganhava imenso em ser-lhe retirada esta parte que pretende fazer analogias mas que acaba por ser excessivamente técnica.

De salientar que, ao longo do livro, surgem diversas receitas de carne que talvez possam estar na base de excelentes refeições. Não me incomodou estarem incluídas no texto, se bem que poderiam estar no fim. Mas surgem oportunamente e não precisamos de lê-las para perceber a história, pelo que poderemos voltar a elas como se estivessem num simples livro de receitas.

MARISA CONFUSA

Há vários dias que ando de roda de uma lista de objetivos para 2014... mas está difícil.
Estou meio perdida, meio sem saber realmente o que quero...
Não penso em desejos, porque esses são sempre os mesmos: saúde, paz, alegria, amor, trabalho...
Sou tão normal/vulgar que até irrita!

Mas conhecendo-me bem, sei que para a minha verdadeira felicidade tem de haver mais qualquer coisa. Não sou de me acomodar e de parar no tempo, gosto de projetos e sou mais feliz quando ando muito ocupada e com uma agenda muito preenchida do que quando entro em rotinas e os dias começam a ser muito previsíveis. Parece que quanto mais faço, mais energia tenho e, inversamente, quanto mais paro, menos vontade tenho de me mexer...
E a vida é tão curta para ficar a vê-la passar!!!

Há quem não me compreenda e fique admirado por não "estar satisfeita", apesar de ter tudo na vida.
Estou satisfeita sim e agradeço tudo o que tenho...
Mas tenho este maldito feitio de achar que posso fazer sempre mais. Não quero ter mais, quero fazer e ser mais. Quero ter novas metas a alcançar, conhecer novas pessoas, viver novas experiências, aperfeiçoar o que sou e gostar de mim de verdade. Quero sentir que fiz qualquer coisa de útil, que deixei marcas, que valeu a pena estar aqui...


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

"12 ANOS ESCRAVO"

Ontem fui à estreia de "12 anos escravo" e posso dizer com franqueza que há uma década que um filme não me incomodava tanto. (Desde "A paixão de Cristo").

O filme conta a história de um homem negro do século XIX que, após uma vida normal em sociedade no norte dos EUA, é raptado e levado para o sul como escravo.
Obrigado a fingir que não era livre, este GRANDE homem passa por vários "donos" e por muitas provações até que, 12 anos depois, encontra alguém a quem pode (em segurança) pedir ajuda para voltar a ser livre.

Gostei do argumento, baseado numa história verídica, achei todas as atuações muito boas... está bem realizado e parece-me um bom bom candidato aos Óscares.
Mas é muito violento do ponto de vista emocional. É poderoso e inquietante! Perturba e revolta, pelo menos quem é mais sensível a injustiças e desrespeito pelos direitos humanos.
Não consigo perceber como é que o ser humano consegue ser tão mau para os seus semelhantes, mas a verdade é que cenas como aquelas passaram-se na realidade e não foi apenas nos EUA...

Eu acho que vale a pena ver, mesmo saindo inquieto do cinema!!!

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

LEILÃO SOLIDÁRIO

aqui vos falei do Afonso, um menino de 2.ºano que frequenta o agrupamento onde trabalho.
Fico sempre com o coração apertadinho quando se trata de crianças e estando esta tão pertinho de mim, não poderia ficar parada.
Dei o meu contributo, mas pareceu tão pouco...
Hoje coloco todas as peças que fiz e que ainda tenho totalmente ao dispor de quem, como eu, quiser ajudá-lo. É fácil, basta seguir as páginas de facebook de "Faces de Marisa" e "Os Ensinamentos do Afonso" e licitar.
O leilão decorrerá até dia 20 e, nessa altura, os pagamentos serão efetuados diretamente na conta do Afonso e os envios feitos por mim, após comprovativo.
Que tal espreitar?
https://www.facebook.com/events/214549138730977/

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

BALANÇO DA MARATONA E NOVO "EU"

A "Maratona Literária Adeus 2013" foi um verdadeiro sucesso. Eu adorei.
Já tinha participado numa, mas sem grande resultado, mas desta vez acho que foi bem diferente. Houve muita interação entre os participantes, partilha de fotos e opiniões e fez-se um bom grupo de amigas virtuais. (Sim, éramos só mulheres!)
Através do evento da maratona no facebook, estivemos sempre a par do que cada uma de nós estava a ler e fomos conhecendo um pouquito do lado pessoal de quem está por detrás de alguns blogues literários. Para mim foi excelente, pois sigo muitos dos blogues das maratonistas e foi muito, muito agradável "conhecê-las" mais de perto.
Não sei se os meus resultados de leitora foram bons, mas fiquei satisfeita, pois sei que não teria lido tanto se não fosse a maratona. Dei por mim a colocar de parte coisas da vida sem importância, selecionando melhor o que fazia durante o dia e organizando melhor o tempo, só com o intuito de "sobrar" para ler...
Eu li 558 páginas, em 2 livros e meio.
Entretanto ja terminei o terceiro e estou a ler "Cinder", de Melissa Meyer.

Quanto a mim, os mini-desafios lançados nesta maratona foram algo que motivou bastante a interação entre todas as leitoras. (Isso e a óbvia simpatia de todas elas!)
Por isso, aqui deixo os últimos resultados dos meus:

Mini-desafio VII: Publica uma foto da tua leitura do momento e que snack te acompanha.


Mini-desafio VIII: O que estás a achar do livro que estás a ler até agora? Usa uma única palavra/expressão.

 "Mentiras & condimínios", de Filipa Múrias: DESCONTRAÍDO! 

Mini-desafio XIX: Publica uma foto do teu último livro da maratona.  


Mini-desafio X: Fala-nos um pouco do livro que estás a ler. Qual o pior e o melhor aspecto/momento até agora?  

O livro "Crónicas do avô Chico", de Pedro Jardim, está a ser um reviver de emoções de infância. 
O autor, homenageando o avô, conta-nos como foram os seus primeiros anos no alentejo, onde tinha o carinho do avô Chico e da avó Idalina e as vivências simples daquela zona do país. 
Eu não sou de lá, apesar de ter "costelas", mas vivi momentos parecidos e tem sido bom recordá-los. 
Os meus filhos estão a lê-lo comigo e também a gostar... e tantas conversas têm surgido!!
 
Como estamos num ano novo e gosto de novos projetos, deixei-me contagiar por estes últimos dias e decidi reorganizar algumas coisas neste meu blog, deixando um espacinho mais visível para a minhas leituras na barra lateral. Para além de manter o espaço para a imagem do livro que estou a ler e dos que estão na mesa de cabeceira à espera, bem como a lista dos que li ao longo do ano (este ano foram 24), criei uma nova etiqueta (EU LEITORA). Através dela, mais facilmente posso reler o que escrevo à volta dos livros!
Posso dizer que isto é um sucesso pessoal, uma vez que o EU MARISA aparece em mais etiquetas. (Será que, finalmente, estou a olhar mais para/por mim?)

Para terminar gostaria de agradecer à Catarina do blog "Sonhar de olhos abertos" e à Silvana do blog "Por detrás das Palavras" por terem organizado e dinamizado esta maratona. Vocês são umas queridas e muito proativas, o que vem explicar porque é que os vossos blogs são simplesmente fantásticos!


SAIR DE 2013 EM GRANDE

Ontem saí da melhor forma possível de 2013 e agradeço à minha fiel irmã por isso... acho que talvez nem se tenha apercebido o quão importante foi toda a sua postura, mas a verdade é que conseguiu que eu fosse simples e verdadeiramente feliz.

Há uns dias atrás, lançou o convite de irmos passar o ano a sua casa: irmãos, cunhados e sobrinhos. Somos 11, entre adultos e crianças. E toda a malta aceitou!!!
Eu, que tenho andado meio nostálgica em relação à vida, estava indecisa. Por um lado, achava que devia ir, por outro queria ir, por outro apetecia-me ficar em casa, achava que não seria boa companhia. Disse à mana que sim, depois que não, depois que nim...
E ela, simplesmente, não insistiu mais, garantindo só que podia decidir no próprio dia e o que teria de fazer caso escolhesse aparecer... Digo simplesmente, acrescentando sabiamente, porque foi esta sua posição que me deixou feliz. (E é, ou não, verdade que a felicidade está em pequeninas coisas da vida?)
Pude decidir só pelo coração, sem pressões nem racionalismos. Aí é que ela foi um génio! (Começo a achar que só mesmo os génios conseguem (con)viver comigo, dada a facilidade com que muitos se afastam...)
Sabia que a sua vontade (e reza, quiçá!!!!) era que eu fosse... mas não colocou pressões, nem opiniões, críticas ou sugestões... deixou-me decidir. (Fantástico num mundo em que todos sabem exatamente como todos os outros se deviam comportar!!).
Acabei por ir... seguindo o meu coração (e os outros três cá de casa!).

Jantámos juntos, conversámos, bebemos uns copos, ouvimos música, dissemos mal da p_ _ _ da vida (culpando os governantes), contámos histórias, rimos... os miúdos brincaram a tudo o que se lembraram...

Apeteceu-me mexer em trapos, contas e fitas... queria tentar produzir qualquer coisa antes da meia-noite, que vinha ainda um pouco longe, entretendo-me e fui ver os materiais da minha irmã. Sim, ela entrou aqui de novo, simplesmente deixando aberta a porta das minhas opções...
E como sou organizadinha e algumas coisas estavam a precisar de um (pequeno) jeitinho meu, ofereci-me para pôr as coisas em ordem. Pouco normal numa noite que se quer de farra, a mana aceitou e sentámo-nos as duas no chão do hall de entrada. Tecidos, linhas, feltros, botões, peças de madeiras, plástico e metal, fitas... um mundo ali tão perto. E nós as duas no centro, destralhando (verbo muito na moda), arrumando, deitando fora e projetando... arrumámos caixas pequenas e grandes, peças de tantos feitios, um mundo para quem gosta destes projetos manuais.
Os outros adultos riam na sala... os miúdos brincavam no quarto... e nós as duas, sozinhas, não cedendo a pressões (que também não foram muitas, felizmente), ali ficámos nem sei quanto tempo... felizes! Era o que me (ou nos) apetecia fazer e fizemos... apropriado ou não para a época, era o que o nosso coração queria!(outra vez ele?)
E foi tão bom!!!!!

E sinto-me tão feliz por ter descoberto (ou provado) que tenho mesmo de seguir o que o meu coração diz, sem me ralar tanto com o que é suposto acontecer! Sem me ralar pouco (ou nada) com o que os "outros" pensam ou vão dizer, sem procurar a toda a hora corresponder a expetativas e não desiludir ninguém...
E a felicidade está mesmo, mesmo em pequenas coisas e momentos... não há como negar, nem porque fugir.
E eu, para ser feliz, não preciso de muitas coisas e ações, apenas de saber melhor (e exatamente) quais são as que me deixam assim e segui-las mais vezes.
Obrigada, mana Mafalda!