quinta-feira, 27 de novembro de 2014

"O MÉTODO SER BOM ALUNO 'BORA LÁ?"

Como mãe e professora sei bem que não é fácil ensinar uma criança (ou adolescente) a estudar, mas tenho a convicção de que, quanto mais cedo o aluno conseguir encontrar um bom método de estudo, mais fácil será esta tarefa e melhores resultados trará.
Também sei que cada criança é um ser humano diferente, com características próprias e uma personalidade única, por isso todos os métodos que possamos conhecer terão de ser testados e adaptados à sua individualidade.
Enquanto aluna, não me lembro de ninguém me ter ensinado a estudar: encontrei sozinha a forma de fazer o estudo funcionar, fui melhorando com o passar dos anos e adaptando cada estratégia às matérias e/ou disciplinas.
No entanto, no último livro que li, gentilmente oferecido pela Editora Guerra & Paz, percebi porque razão funcionou o método que escolhi e fiquei com mais e melhores dicas para partilhar com os meus filhos e alunos.

Refiro-me ao livro "O Método Ser Bom Aluno 'Bora lá?", do Professor Jorge Rio Cardoso, do qual ouço falar praticamente deste que saiu para o mercado e estava mesmo com muita curiosidade em conhecê-lo.
Li-o de rajada, absorvendo os seus ensinamentos como se de uma bíblia se tratasse. Mas, tal como este grande livro, também precisa de ser lido e folheado muitas vezes, consultado para tirar ideias, adaptado, ajustado, enquadrado... na vida (escolar) de quem o usar como guia. É assim que o "classifico": um guia de estudo.

O livro está organizado em 3 grandes partes, dedicadas a diferentes públicos leitores: os alunos, os professores e os pais.
Cada uma destas partes refere pressupostos teóricos, escritos de forma bastante acessível, estratégias de ação e testemunhos de jovens estudantes bem sucedidos, deixando muitas dicas de como adequar os ensinamentos e as metodologias.
Gostei bastante da organização e da forma jovial e informal como está escrito, mesmo apropriada aos jovens, tendo o cuidado de não ser muito pesado nem de "condenar" quem não costuma estudar muito. Parece que o livro fala connosco, entendendo-nos. Até a própria grafia, com letras de vários tamanhos e tipos, com testemunhos e fotos, com notas e sublinhados se mostra facilitadora da leitura.

Aconselho mesmo a compra deste livro numa perspetiva de guia, tal como já referi, para ir consultando e lendo com os jovens ou crianças, sendo que proponho que, com alunos até aos 12/13 anos, sejam feitas maiores adaptações, envolvendo-os na escolha das estratégias e integrando-as gradualmente no seu quotidiano.

Sem comentários :

Enviar um comentário