quinta-feira, 31 de julho de 2014

TARDE DE AMORAS...

Quando era miúda (e até adolescente) muitas das minhas tardes de verão era passadas na rua a brincar, a explorar, a contactar com a natureza...
Muitas vezes saía de casa com os meus irmãos para brincar e só voltávamos horas depois, completamente encardidos, transpirados e esfomeados. Noutras vezes, trazíamos tudo menos fome, pois vínhamos de barriga cheia da fruta que apanhávamos: marmelos, uvas, figo, amoras...
Ai as amoras eram as minhas preferidas!!!
E havia tantas silvas carregadinhas de amoras silvestres lá na nossa zona!!! E com o bónus de ficarmos cheios de arranhões, como marcas de aventura!
Tínhamos gosto em comê-las assim que as apanhávamos. As maiores e mais pretas eram irresistíveis e pintavam-nos a boca de roxo escuro, denunciando que estava na época certa para aquelas tardes mágicas e inesquecíveis.
Também gostávamos de chegar a casa com saquinhos cheios para oferecer à minha mãe e comer com ela à sobremesa do jantar.
Lembro-me que apanhávamos também algumas verdes (de cor vermelha, entenda-se) que serviriam para limpar a boca e as mãos, bem como alguma nódoa que ficasse onde não devia.
E com que orgulho levávamos os nossos primos a ver aqueles tesouros da natureza quando passavam uns dias em nossa casa! Era um pequeno (grande) mundo ali ao nosso alcance, fazendo-nos sentir reis num jardim de rubis e obsidianas.

E ontem voltei a sentir as mesmas emoções, a ganhar as mesmas marcas de aventura e a vir para casa com uma caixa cheia de obsidianas saborosas!!
Que bom que é partilhar momentos assim com a minha princesa! Que ricas ficámos as duas!!! 

1 comentário :

  1. Adorei ler este post, pois também eu fazia o mesmo enquanto criança, aliás ainda faço, só que agora aproveito para fazer sobremesas de gelado. Beijinhos . :)

    ResponderEliminar