sábado, 24 de maio de 2014

"A PRINCESA E A ERVILHA" NO VILLARET

Começámos o sábado com um programa em família: de manhã fomos assistir à peça "A princesa e a ervilha", em cena no Teatro Villaret, em Lisboa.

Fomos com bilhetes ganhos através da fantástica página "1001 Atividades para Crianças", que, no facebook, nos apresenta muitas sugestões de saídas interessantes para fazer com os nossos filhos, deixando também dicas de divertimentos para fazermos em casa e de trabalhos de expressão plástica.
 
Apesar de ser uma história que já conhecíamos e de ser apresentada por apenas dois atores, gostámos muito da peça, que se mostrou dinâmica e interativa.
Dois dos criados do palácio fazem as honras do palco e levam a criançada a participar na história, trazendo-nos uma versão divertida deste conto tradicional, na qual os personagens ora são eles próprios, ora surgem como marionetas.
O criado meio tolo foi a personagem que mais nos divertiu, com as suas tropelias e conversas baralhadas... fez-nos rir bastante e deu muita energia à história, originalmente escrita por Hans Christian Andersen.


No entanto, houve algo que me aborreceu nesta saída: a postura de muitas das crianças presentes na sala. Estou habituada a ir com miúdos ao teatro, quer seja com os meus dois filhos, quer seja com os meus (sempre mais de vinte) alunos e não permito que nenhum deles faça barulho no decorrer da peça. Uma coisa é haver participação do público, orientada pelos atores em palco, o que torna o ambiente muito interativo e dinâmico e aproxima as crianças desta arte. Outra coisa é permitir-se que conversem sobre outros assuntos, gritem, entrem e saiam para ir à casa-de-banho, digam piadinhas, se coloquem de joelhos nos bancos, falem como se estivessem na rua... não concordo e não acho correto deixar-se que isto aconteça, até porque me parece que, independemente da idade, todos devem aprender a comportar-se de acordo com o local onde estão e não nos devemos esquecer que os atores estão ali a trabalhar para nós, precisam de alguma concentração e merecem o nosso respeito.
Os meus filhos já estão muito habituados e comportam-se de forma impecável. Vou com eles a eventos culturais desde bebés e nunca tive problemas. Os meus alunos também têm bom comportamento nestas situações e quando algum tenta quebrar as regras lá estou eu para chamar a atenção e dar o exemplo. Por isso sei que é possível educar os pequenos espetadores, independemente das características de personalidade de cada um, pois já o fiz com muitas crianças...
Não sei é se os pais acham que é mais divertido para os filhos estarem no teatro a falar ou a ouvi-los "traduzir" o que se passa em palco...

Sem comentários :

Enviar um comentário