sábado, 26 de abril de 2014

DESPERDIÇAR COMIDA?

Na reunião de pais da turma do meu Simão, a diretora de turma esteve a apresentar-nos algumas conclusões a que a escola chegou relativamente a diversos fatores paralelos à aprendizagem, como o comportamento e a utilização dos espaços.
Perante as dificuldades verificadas, foram estabelecidas novas metas a atingir e o apelo ao pais surgiu da necessidade de todos contribuirmos para melhorar.

Um dos aspetos mencionados, de longe o que mais me indignou, foi o facto de haver uma grande diferença entre as refeições que são marcadas pelos alunos e as que são, efetivamente, consumidas. Ou seja, o constante e diário desperdício de comida no refeitório escolar.
Os docentes responsáveis por esta área tentaram perceber como estava isto a acontecer e o que realmente se passava, mas não tiveram dificuldade em descobrir que isto acontecia porque MUITOS alunos de escalão A e alguns de escalão B marcam as refeições e não as consomem.
Isto deixou-me triste, mesmo triste e um pouco revoltada.

Vejamos:
Os alunos que têm escalão A e B são os que, supostamente, têm maiores dificuldades económicas. Os pais têm os mais baixos rendimentos mensais e vivem em situações mais precárias, daí que recebam abono de família pela Segurança Social, apoio para os livros e materiais escolares e usufruam de refeições gratuitas. São os únicos que ainda recebem qualquer apoio do Estado nas escolas públicas e cada vez é mais simples tratar das ditas burocracias para o receber... E quando falamos em Estado, não nos podemos esquecer que estamos a falar de todos nós que descontamos ou descontámos... estamos a falar da enorme percentagem do nosso vencimento que fica retido e que cada vez menos percebemos que faz parte do nosso vencimento bruto.

Ou seja, há muitos meninos que, aproveitando que alguém lhes paga o almoço, marcam as refeições e depois se dão ao "luxo" de não as consumir. Terão fome? Não acredito. Se calhar são "pobres" mas demasiado "finos" para ingerir qualquer comida... Mas a ementa está de fácil acesso... Não gostam? Não marquem! Mudaram de ideias e já não querem? Desmarquem! A escola até tem diversas formas de marcar e desmarcar as refeições, acessíveis a todos!!! Qual será o problema? Será desinteresse? Só pode!!
E vai comida fora quando há crianças cujos pais fazem esforços e, por alguns euros a mais no ordenado mensal, já não usufruem destes apoios? Não me parece justo, mas mostra-se representativo do que muitas vezes se vê noutras situações em que tendo "direito" se desrespeita os direitos dos outros.
E não são as crianças quem tem a maioria da culpa. São os pais que, neste caso, podem controlar os movimentos que os filhos fazem com o cartão da escola (com o qual usufruem de todos os serviços) e não se importam que este comportamento se verifique. Se é que não há mesmo quem o incentive!

Não compreendo e podem mesmo achar-me quadrada por causa disto, mas acho que algo tem de ser feito de diferente se os "mais pobres" (e/ou os que ainda se escapam aos descontos!!!) se aproveitam de tudo e nós, "ricos" como eu, continuamos a pagar as faturas e cada vez mais a contar os tostões, porque tudo nos sai dos bolsos...
Imagem retirada da Internet.
Felizmente a escola tomou uma decisão justa e correta: quando tal voltar a acontecer, os pais terão de pagar as refeições que não foram consumidas. Agora quero ver...

Resulte ou não, pelo menos será uma tentativa de diminuir o desperdício de comida, o qual, quanto a mim, e tendo em conta a situação do país e as necessidades tantas vezes sentidas por "outros", é uma afronta à dignidade humana...

1 comentário :

  1. É isso e ver os alunos à hora do almoço na PINGO DOCE ou no LIDL a comprar bebidas, batatas fritas, chocolates, panados e afins quando deveriam estar a almoçar na cantina das respetivas Escolas.

    ResponderEliminar