quarta-feira, 30 de outubro de 2013

EMOÇÕES... BOAS OU MÁS, MAS EMOÇÕES

Não sou pessoa de água morna...
Não sou de não ter opinião nem de seguir o rebanho com medo do pastor...
Não sou de sobreviver, de deixar passar os dias, de esperar...
Gosto de viver com V e coloco-me inteira em tudo do que faço....
Entrego-me às pessoas, às tarefas e às causas quando acredito nelas e geralmente dou-me de cabeça... mesmo que acabe por me magoar...
Sou de me iludir e desiludir, chorar e gargalhar, gritar ou sussurrar, de amar ou desistir, de correr ou descansar, de perder ou de ganhar...
Sou de emoções e gosto de ser assim...
Vivo com o coração na boca e no pensamento, comandando os dias com a certeza de que não viemos ao mundo para sermos apenas mais um e marcar passo...
Sou melhor hoje do que ontem e pior do que amanhã e as emoções, essas sim, fazem com que a vida valha a pena...

PASSATEMPO "QUARTETO DE BRINCOS"



Quem me segue ou conhece, sabe bem como gosto de acessórios e artesanato!

Juntar estes dois gostos pessoais é um privilégio e ter amigas que têm o dom de tornar únicos pequenos detalhes é fantástico.

Por isso, e porque nunca saio de casa sem brincos, desta vez trago um passatempo com brincos artesanais.

Este passatempo começa agora mesmo e termina no dia 15 de novembro às 23h59:




4 vencedores: serão sorteados um a um através do sistema random.org,de forma a que o primeiro vencedor seja o primeiro a escolher o prémio e por aí em diante.


4 prémios: um par de brincos de cada parceira.

PASSATEMPO "QUARTETO DE BRINCOS"



Condições:


- Ser seguidor do blogue “Faces de Marisa” (no Google, no Bloglovin ou no Facebook)
- Fazer “gosto” na página
“anasofiabijuteria” no Facebook

- Ser amigo da página “BijuxiqueBijuteria” no Facebook

- Fazer “gosto” na página “Coisinhas das Estrelas“ do Facebook
- Divulgar o passatempo de forma pública.
- Preencher corretamente ao questionário.


O passatempo decorrerá até às 23h59 do dia 15 de novembro de 2013 e o sorteio será feito em random.org e divulgado logo que possível.

É apenas possível uma participação por seguidor/email/morada e os vencedores terão (no máximo) 24 horas para responder ao mail que lhe enviarei.

 

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

RECADINHOS POR TODO O LADO

A minha Matilde adora escrever... e adora papelinhos, mensagens e recadinhos...
Adora deixá-los escondidos em locais banais, para que os encontremos e sejamos surpreendidos...
Adora prendê-los nas suas brincadeiras, completando-as com o nome dos locais "a fingir"... (os hospitais, escolas e escritórios onde "trabalha" estão sempre bem identificados!)...
Adora colá-los com fita-cola em portas e paredes para que toda a gente leia e perceba o que sente...

Por isso, há uma semana que a decoração do meu quarto está bem mais rica:





UAU!
ADORO!!!

domingo, 27 de outubro de 2013

A REFORMA COMO UMA SEGUNDA OPORTUNIDADE

Apesar de serem ainda novos, na casa dos 60, os meus sogros estão os dois reformados há uns anos.
No entanto, encararam a reforma tal como eu gostaria de a encarar quando (ou se) chegar a minha altura: como uma segunda oportunidade. Acolheram-na logo quando chegou a hipótese e têm feito do tempo o seu maior aliado, após décadas de trabalho.
Serem ainda novos ajudou, mas o que mais contribuiu foi a vontade interior de aproveitar o tempo de que dispunham para fazer o que mais gostavam: passear, viver mais perto da terra, aproximar-se mais da família e estudar.

O meu sogro é um homem que não pára, cheio de vida e de projetos, e a minha sogra uma mulher simples que gostar de viver e de paz. São um casal tranquilo, mas ao mesmo tempo inovador.

Os dois têm feito melhorias fantásticas num monte que herdaram, transformando-o num local lindo e acolhedor onde toda a família gostar de estar. Os netos deliram de lá ir e, muitas vezes, encontrar uma nova brincadeira. O espaço ganhou brincadeiras, viu nasceu uma piscina (agora com direito a wc privativo!), aumentou de divisões, ganhou vida com almoçaradas, enriqueceu com o que tem nascido biologicamente da terra... de tudo cresce por lá, apesar dos solos secos do alentejo e é tão bom o que proporcionam aos meus filhos!

Os dois têm visitado diversos países, em excursões ou passeios a dois, conhecendo locais mágicos e vivendo os dias com a curiosidade das crianças e a energia dos jovens. Mais ou menos uma viagem por ano, ficando a conhecer diversas cidades, seus costumes, locais de interesse, gastronomia, curiosidades... Sair daqui, voar ou navegar até outros locais, principalmente na Europa, dá-lhes prazer e qualidade de vida.

Os dois inscreveram-se na Universidade Sénior e têm aprendido imenso, bem como descoberto talentos que ainda não tinham tido oportunidade de aparecer: tocar novos instrumentos, declamar poesia, fazer trabalhos e pesquisas, participar em danças e teatros. Aprender inglês ou literatura, consolidar o que sabem (e muito) de cultura geral. As aulas permitem também que conheçam outras pessoas e formas de estar e a vida já não é a mesma coisa quando estão de férias escolares.

E estes são exemplos de novas oportunidades que nasceram para eles com a reforma... sonhos adormecidos ou sonhados aos bocadinhos que passaram a fazer da sua vida uma nova vida mais cheia de momentos agradáveis que surgem a qualquer hora... pegaram no que sempre desejaram e deram-lhe espaço verdadeiro... procurando a felicidade.

E eu admiro-os muito por isso...

Claro que esta nova vida os levou uns kms para mais longe de nós, que não permitem que estejamos juntos tanto quanto eu gostava... claro que sinto a falta deles aqui por perto, na prática do dia a dia, das rotinas e dos abraços que não se podem dar... claro que gostaria que o monte e a escola fossem mesmo aqui ao lado... queria acompanhar mais e ser mais acompanhada.

Mas tenho orgulho nos meus sogros e na forma como vivem a vida, como encaram esta nova oportunidade de serem felizes.
E quero ser assim um dia!
E adoro o que, menos vezes mas intensamente, proporcionam aos netos...
E tenho orgulho de ser a sua nora e de em mim confiarem plenamente o seu mais que tudo!

A Adelina atuando numa peça da universidade.

O Joaquim experimentando uma das suas criações para os netos.


Os dois num dos seus passeio

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

CONVERSA COM ELES NO CARRO

Quando faço viagens de carro tendo por companhia apenas um dos meus filhos, consigo me aperceber com facilidade das diferenças entre os rapazes e as raparigas.

Meia hora no carro com o Simão:
Eu - Filho, gostas desta música?
Ele - Sim.
Eu (após 5 min. só a ouvir música) - No que estás a pensar?
Ele - Em nada. Estou só a ouvir a música.
Eu - Se quiseres podes mudar.
Ele - ok...
Eu (após mais 5 min. de silêncio dele) - Estás bem?
Ele - Sim...
Eu (mais 5 min. passados) - De certeza ou precisas de alguma coisa?
Ele - Sim...
Eu (continuando a estranhar o silêncio) - Já tens sono?
Ele - Um pouco...
Eu (depois de cantar e tentar que ele cante comigo... mais uns minutos...) - E fome?
Ele - Ainda tou cheio!
Eu (insistindo após mais uns tempos) - Gostaste das coisinhas novas?
Ele - Sim, mãe... toma só atenção à condução!!!!
Eu (engulo em seco e percebo que estou a ser chata) - Tens razão!
(Passam 5 minutos e... chegámos!!)

Meia hora no carro com a Matilde:
Ela - Mãe, na escola.... (conversa de 9/10 minutos)....
Eu (ficando a ouvir e reagindo com gargalhadas) - Que giro! E depois?
Ela - A Madalena... (5 min. de conversa) A Kika..... (mais 5 min.)
Eu - E o que tu disseste?
Ela - Eu............... (11 min. de explicação, com direito a pormenores do tamanho de uma formiga). O que achas, mãe?
Eu - Acho bem, filha. Tu és uma menina 5 estrelas.
Ela - Pois sou!
(Chegámos!!!)

terça-feira, 22 de outubro de 2013

"CARA" NO TEATRO MARIA MATOS

No domingo fomos ao Teatro Maria Matos assistir ao bailado "Cara", de Aldara Bizarro, uma peça muito bem encenada e que nos conta a História de Portugal em menos de uma hora. Uma peça para crianças dos 10 aos 14, que envolve todas as idades e que nos cativou individualmente de formas diferentes.
Adorei o texto, a interpretação e simpatia da bailarina, a dinâmica das cenas, a originalidade do enredo.
Uma só bailarina num cenário todo negro que se vai transformando em Portugal e no Mundo. A história do nosso país contada de uma forma simples, mas que aumenta o orgulho de ser português ao mesmo tempo que nos deixa a pensar em como os episódios se sucedem e alternam momentos de glória e de crise.

Ganhei 2 dos bilhetes no "Guia do Lazer" e adquirimos os outros dois, dando outro sentido e dimensão à manhã de domingo.
Sem stresses, nem pressas, a quadrilha cá de casa regressou um pouco mais rica por dentro.

sábado, 19 de outubro de 2013

ORGANIZAR AS PAPELADAS DE UM LAR

Cá em casa sou eu quem trata das papeladas: fazer pagamentos de serviços (luz, gás, condomínio, seguros,
telemóveis...), organizar as respetivas faturas/recibos, organizar documentos para IRS, etc..

Não sou particularmente amiga de papéis, mas sou organizada, o que facilita a tarefa.
Também não temos contas muito complicadas a fazer, mas consigo que o sistema de "burocracias" vá funcionando bem porque uso algumas estratégias que, cá em casa, fazem sentido:
- Faço os pagamentos por débito direto (com limite de desconto estabelecido) e aponto na agenda aqueles que não ocorrem todos os meses (tipo o seguro dos carros), pois os outros sei-os de cor;
- Uso o homebanking do meu banco para tudo o que posso (controlando as contas com facilidade);
- Recebo fatura eletrónica de todos os pagamentos (excepto a água) e descarrego-as para uma pasta própria do computador;
- Vou colocando todo o restante correio relacionado com a casa e/ou contas numa caixa de madeira que tenho como decoração;
- De vez em quando (tipo trimestralmente) organizo estes papéis num dossiê onde tenho micas para as diferentes situações, deixando as necessárias preparadinhas para preencher o modelo do IRS;
- Quando tenho faturas para mandar para a ADSE, preparo-as e entrego-as nos meus serviços.

Até ao momento, tudo tem corrido bem desta forma, não ocupando muito tempo útil, mas há um outro hábito que quero desenvolver:
- Apontar na agenda e cumprir o período em que devo ligar para as empresas a deixar a leituras dos contadores (gás, luz e água).

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

NATAL DOS PEQUENOS ARTISTAS


Há já algum tempo que esta imagem circula no facebook e eu própria já a partilhei mais do que uma vez.
Ainda não tinha aqui escrito sobre o assunto, mas fazer contas ao que nos pretendem tirar novamente a partir de janeiro trouxe-me vontade de o fazer.
Já ninguém sabe onde cortar ou como resolver os seus problemas financeiros... o aperto é cada vez maior, calha cada vez a mais pessoas e classes profissionais e a maior velocidade... as perspectivas não são nada agradáveis e o próximo ano promete ser (ainda) mais difícil.
Cada vez há mais desemprego, cada vez há mais famílias separadas pela emigração e mais pessoas a viver em situações precárias...

E estamos a chegar a passos largos a uma época em que devia haver alegria e paz em todos os lares... e teremos de colocar de lado os sorrisos cinzentos e agarrar com todas as forças os sentimentos nobres que não são comprados por dinheiro e que, como única vantagem da crise, surgem mais sinceros e verdadeiros à medida que nada temos para oferecer.

E pensando no Natal, tenho mesmo de apoiar esta ideia transmitida risonhamente pelo Ratatui, que nos dá uma solução que devemos agarrar sem pensar duas vezes. Muitos são os blogues e páginas do facebook geridas por pessoas que arregaçaram as mãos perante o desemprego e a crise e usaram os seus talentos para dar uma nova hipótese às suas vidas... muitas são as pessoas que fazem o mesmo, mas de formas "porta a porta"... e não podemos todos contribuir? Eu vou fazê-lo, porque acredito que é com o dar as mãos que a luz ao fundo do túnel poderá surgir.

E convido quem me lê e segue a mostrar o que sabe fazer e o que pode vender (ou trocar) para que uma corrente se crie e todos possamos ter um mimo para dar a quem mais amamos, ao mesmo tempo que carregamos os sonhos de outros como nós e lhes damos asas maiores.
Com criatividade e união, conseguiremos acender mais luzes nas nossas árvores de Natal e nas dos outros... sem ter de deixar todos os nossos (poucos) euros em grandes superfícies comerciais que já têm muito brilho e muitos euros a ganhar...

terça-feira, 15 de outubro de 2013

LOTO E SAGRES RADLER

A campanha da Sagres Radler está a chegar ao fim e há muito que se acabaram as cervejas recebidas.
Adorei esta campanha e tenho pena de não conseguir que muita gente preencha os questionários, mas o importante mesmo é experimentarem esta maravilhosa bebida.
Já antes tinha experimentado, mas aproveitem a "desculpa" para reunir a família sob o pretexto de "beber umas fresquinhas" e passámos uma noite fantástica a jogar ao loto e a partilhar brincadeiras.
Na verdade, este é um jogo que todos gostamos de jogar quando estamos em família. Já dá para toda a gente, mesmo para os miúdos (apenas a Margaridinha joga "em conjunto" com um de nós). Ganhamos alguns momentos de concentração e de competição saudável e muitos de divertimento.
Em volta da mesa, todos dizemos números e colocamos feijões nos cartões, havendo sempre um mais sortudo que marca a diferença no dia. Da última vez foi a minha mana, que estava com aquelas sortes que só se tem muito de vez em quando.
E as Sagres, onde entraram?
Nas nossas barrigas, acompanhando doces e salgados e deixando-me (sim, a mim) a rir que nem uma perdida, pois, não estando habituada a álcool, me perco de amores por esta bebida.
E venham outras noites destas!!!




segunda-feira, 14 de outubro de 2013

UM LIVRO DIVERTIDO NAS FÉRIAS!!!

Há muito tempo que queria vir aqui falar de um dos livros mais divertidos que já conheci: "Qualquer pessoa dá um homicida qualquer", de João Rosas.

É um livro pequeno, que inclui 3 histórias delirantes que me fizeram rir do início ao fim.
Na verdade, não fui eu que o li. Foi o meu irmão que leu para todos nós ouvirmos, quando estávamos de férias no Alentejo, proporcionando-nos uma tarde de gargalhadas. Adorei!
São histórias de vida contadas na primeira pessoa, por personagens que mostram que todos temos um lado menos "normal" que pode mudar a nossa vida.
É uma obra pequena (de 53 páginas), já com quase vinte anos, mas que descreve pessoas de ontem e de hoje, de uma forma tão informal e próxima do leitor, que em algumas partes nos sentimos dentro das suas vidas, nem que seja porque conhecemos alguém que passou por situações parecidas.
E lido em grupo é mesmo uma experiência inesquecível!

domingo, 13 de outubro de 2013

MÃE SOFRE EM TORNEIO...


O meu Simão pratica judo há cerca de um ano, duas vezes por semana.
Gosta muito da atividade, já está federado e tem cinturão amarelo.
O meu marido, que é que mais o acompanha em atividades e aulas abertas, gosta imenso de o ver e já nota grandes progressos com o passar do tempo.
Ele tem praticado muito e cada vez se empenha mais. O "sensei" (professor) é uma pessoa muito calma, que cultiva nos miúdos a tranquilidade e o equilíbrio, e a atividade faz muito bem ao meu rapaz, quer física, quer psicologicamente.
No entanto, sendo uma atividade menos praticada do que outras, apesar de estar em crescimento, os seus atletas não têm oportunidade de competir muitas vezes com colegas de outras equipas, o que faz muita falta para que aprendam mais e desenvolvam outras competências.
Assim, foi com imensa ansiedade que ontem o meu "menino" participou pela primeira vez num torneio da modalidade e nós fomos ver e apoiá-lo.
A sua equipa é pequena e tem elementos de várias idades. O Simão é dos mais velhos e pesados. Sim, que no judo os combates são organizados por peso.
O torneio era de benjamins, incluiu 70 crianças nascidas entre 2003 e 2006 e realizou-se no ginásio do colégio de St. Peter's School. Ele foi incluído no grupo dos mais pesados e participou em 4 combates.
Nós estávamos na plateia e eu, mãe super-galinha, apanhei uns nervos danados, ao mesmo tempo que tentava mostrar-me tranquila para que também ele se sentisse sereno. É que ver aquelas "cenas" de "luta" não é fácil e mexe comigo, dando-me logo vontade de lá ir e defendê-lo! Quase ia empurrando a minha cadeira para cima de outros pais que só gritavam "dá-lhe!" ou "está no papo!", com certeza já muito habituados àquelas aventuras. Eu não consegui articular palavra e, se bem que o meu orgulho subia incansavelmente, também por outro lado me apetecia estar no tapete a dar-lhe uma ajudinha, principalmente quando o via "preso" pelo pescoço, após um golpe sofrido! Ai ai ai!!!!!
Mas o meu rapaz portou-se muito bem e, apesar do resultado não ter sido o que ele gostaria, teve uma boa prestação e honrou a sua primeira experiência. Utilizou as técnicas que tem aprendido com muita responsabilidade e concentração, dando muita luta e mostrando um fairplay fantástico.
E voltou para casa com a primeira medalha e o primeiro diploma!!!



(Isto agora cá para nós: os miúdos anfitriões ganharam quase tudo! De certeza que andaram a treinar todos os dias da semana! Ou não conhecesse eu o espírito competitivo inerente à política do colégio!)

sábado, 12 de outubro de 2013

ALFACES DA HORTA

Este ano a nossa horta da varanda está cheia de alfaces.
É bom chegar a hora do jantar e ir "apanhar" alfaces biológicas à nossa horta.
Ontem estavam mesmo saborosas na salada... que diferença das compradas por aí!

Mas não fomos só nós que gostamos das alfaces!
A Rosinha e a Isla (gatas modernas) também lá foram experimentar.
E acabaram com um monte delas! (Ou um monte delas acabou na barriga das duas!!!!)
Pode ser que assim fiquem mais saudáveis!

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

SOLIDÃO VS SOLIDÃO

Há cerca de uma hora que estou sozinha. Não sozinha em casa, nem me sentindo só, mas sozinha acordada, dedicada simplesmente ao que quero, ao que me apetece. Todos adormeceram de cansaço e eu fiquei por aqui, nesta sala que parece demasiado grande para mim.
Gosto de estar assim de vez em quando. Faz-me bem. Sem falas, sem televisão nem música ligada, só o som das teclas e o ronronar das gatas, que também dormem por aqui. Sinto-me em paz e o silêncio desta solidão faz-me falta. Também me sinto cansada e com sono, mas quero aproveitar estes momentos...
Até há pouco tempo não conseguia estar assim, não me sentia bem. Pensava que estava a ser egoísta e descobria sempre coisas que tinha de fazer. Não me apetecia, mas o dever de "aproveitar" o tempo dizia-me que era melhor. E nunca tirava estes tempos para me sentir assim... Pensar sequer que gostava de estar só fazia com que sentisse uma culpa do tamanho de um bicho raro e associal.
No entanto, no meio (por vezes) de tanta gente e de tanto tempo ocupado, sentia uma solidão enorme que me angustiava e que me levava a uma necessidade enorme de fugir, me esconder ou desistir. Estar rodeada de pessoas e sentir uma solidão gigante era um tormento que já aprendi a não deixar instalar-se em mim, porque magoava e fazia-me mal, deixava-me doente. Detesto senti-lo e ainda tenho momentos destes, mas agora percebi que eles são mestres que me ensinam o caminho a não seguir, porque me afasta da paz e da felicidade.
Hoje afirmo que gosto de estar sozinha, de ter momentos assim, porque sei e sinto que tenho muita gente que, não estando comigo no mesmo local ou na mesma cidade, está na minha vida e me recebe na sua, partilhando sentimentos que também não se veem, mas existem. E, estando só, descubro em mim mil tesouros e dou valor ao que sou sem nenhuma outra face que não a de eu própria, pessoa, ser com qualidade de que muitas vezes me esqueço, com defeitos como toda a gente e com características muito minhas que fazem com que exista e não apenas sobreviva... E fico cheia, tão cheia de paz e de mim...


quarta-feira, 9 de outubro de 2013

EU E AS NOVELAS...

Lembro-me quando havia apenas 2 canais e num deles dava a telenovela depois do telejornal. Não sei a que horas começava, mas sei que era cedo e que a maioria vinha do Brasil, muitas vezes da Rede Globo.
Gostava imenso de ver e era com satisfação que preparava tudo para o dia seguinte para poder estar sossegada a ver a "novela" com a mãe e a mana. Normalmente, contava a vida das famílias e tinha uma banda sonora feita de propósito, cujos temas eram conhecidos por todos e, alguns deles, ainda hoje se ouvem.
Em casa e na escola, brincávamos ao faz-de-conta fingindo ser as personagens principais. Normalmente eu gostava do papel de vilã. (Quem diria?) Nas revistas, falava-se dos atores brasileiros e muitas das caras lindas que idolatrávamos era de lá que as conhecíamos.
As novelas eram as séries da "nossa" língua e faziam grande concorrência de audiências a séries americanas e inglesas de horário nobre.
Mais tarde, com o aparecimento de mais canais, começaram a fazer guerras de audiências entre elas e as portuguesas entram na parada. Primeiro, uma em cada um dos 3 canais... depois 2... depois 3... Primeiro quase sem intervalo... depois com 2, 3, 4... depois com interrupções de muitos minutos (cheguei a contar mais de 20...) e horários pouco certos!
Lembro-me da época em que começaram a ser feitas boas novelas em Portugal e não mais segui nenhuma brasileira. Normalmente, havia uma de que gostava mais e seguia em muitos dias... às vezes fazia trabalhos da escola menos complicados ou atividades manuais enquanto via televisão. A adolescência e juventude teve muitas destas fases...
Depois cansei-me. Acho que coincidiu com o 3x3 novelas+3 intervalox20 minutos cada um. (Coincidência, de certeza!!!!)
Durante anos, não vi nenhuma.
Desde que casei, em 2001, só me lembro de ter seguido a "Vingança" e adorei. (Mas confesso que saltei alguns episódios|)

Atualmente, não sei se por ter filhos da idade que eu tinha quando gostava de telenovelas, se porque esta é realmente diferente das outras (ou a conjetura!), sigo a novela "Belmonte" com eles os dois e estamos mesmo a gostar.
Não vejo à hora que dá, pois coincide com a que os filhotes se deitam, mas gravo na box e vamos vendo quando nos apetece, tal como fazemos com a maioria das séries de televisão. Não sei se é do vasto leque de atores de qualidade, se da história estar no início e sempre a desenvolver, se do próprio enredo, se das paisagens magníficas de dois locais que adoro (o Pantanal e o Alentejo)... mas sei que estamos a gostar e que tem contribuído para bons momentos em família.
Estou a gostar de "Belmonte" e das suas personagens, tenho já os meus preferidos e uma ideia de como gostaria que a história se desenrolasse...


Estou aqui a pensar e, comparando com (outras) séries que sigo, parece que também acho a semelhança de haver uma família grande no centro do enredo, com muitos irmãos e personalidades distintas...
Não, não deve ter nada a ver!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

ORA ZUMBA... NO CORPO TODO!

Hoje comecei a frequentar aulas de "Fitness Mix".
O nome não me deixou muito entusiasmada, mas fui convencida pela descrição da atividade e pela hipótese de ir junto com a filhota.
E lá começámos, meio envergonhadas. Mas cedo perdemos medos e vergonhas pois o ritmo foi tal que não deu sequer para pensar nos pingos de suor que não paravam de cair... e após o aquecimento já todos os músculos tremiam!
Puxei por todo e qualquer músculo do corpo e neste momento só mesmo a pontinha dos dedos consegue fazer algo que não doa, porque a professora Vera "deu cabo de mim"!
Foi samba, kuduro, lambada, zumba, salsa, cha cha cha... tudo dança com ginástica e eu, nada habituada a mexer-me, salvei-me porque o bichinho da música (ritmo ou sei lá) vive cá dentro desde que nasci.
A filhota aguentou-se bem, com o triplo da energia da mãe, mas também lhe soube bem a banhoca que tomámos juntas após quase uma hora de exercício.
E na sexta haverá mais... Se me conseguir mexer!!!!

domingo, 6 de outubro de 2013

A MÃE E O PAI, SEGUNDO A MATILDE

A minha filhota adora o programa Bitstrips do facebook.
Com ele, imagina histórias e compõe cenas da vida real ou imaginária.
Um dos assuntos que gosta de referir: o amor dos pais! E é assim que ela nos vê:

(Atenção que a ordem das fotos está a ser escolhida pela própria autora!)


   


 



sábado, 5 de outubro de 2013

5 DE OUTUBRO... É O MEU DIA!


Hoje é "Dia do Professor"... é dia da nossa profissão.
Não me imagino a fazer outra coisa. Não porque sinta que não consigo intelectual ou fisicamente, mas porque não me vejo feliz noutra profissão.
Para mim, mais do que uma profissão, do que um emprego, ser professor é uma forma de vida, uma missão. Sou professora desde que acordo e até que me deito. (E às vezes em sonhos também!)
Não sou do tipo fundamentalista que acha que os professores têm de ser perfeitos e exemplo a toda a hora... pelo contrário, acho que o professor tem de ser humano (acima de tudo) e um pouco camaleão também para mudar de pele e de olhar cada vez que o caminho exige uma mudança repentina.
Gosto de ser professora e, embora sinta que, infelizmente, temos uma profissão pouco valorizada, quando entro na sala de aula são apenas aquelas 50 luzinhas brilhantes dirigidas a mim que importam... O resto (os papéis, os ataques, o desgoverno...) são contrariedades que, às escuras, me
deixam triste.
Gosto de ensinar... de transmitir informações e receber conhecimentos em troca... gosto de vê-los crescer, de motivar, de contornar os obstáculos e elevar as qualidades dos miúdos de forma a darem passos em frente... gosto dos sorrisos rasgados logo pela manhã.... gosto das pequenas confidências, dos pequenos sucessos, de perceber o que pensam através do que não dizem... gosto de brincar e dizer gracinhas, de os ver a rir desalmadamente e ter a (tal) dificuldade em acalmá-los depois...
Gosto de estar no meio das crianças, de me sentir feliz como e com elas, de poder ter e transmitir entusiasmo por um dente que cai ou uma operação bem resolvida após semanas de tentativas... gosto da forma animada com que começam a ler com entoação, do entusiasmo por ver os números a aumentar... gosto de arranjar mil formas para explicar o mesmo conteúdo, porque há um que ainda não percebeu... gosto quando falam deles e me mostram como são iguaizinhos fora da escola...
Gosto do cheiro dos materiais, de como usar uma régua é capaz de fazer feliz uma criança, de ajudar a segurar o lápis quando entram no 1ºano, que pulem quando os deixo, pela primeira vez, escrever a caneta ou quando coloco um sol no canto do trabalho como forma de incentivo...
E gosto quando os conheço já tão bem que sei o que pensam através do olhar ou do sorriso, quando mostram confiança ao desabafarem os seus medos ou a pedirem lanche porque o deles ficou esquecido em casa (ou não...)... gosto quando uma caneta da bic oferecida por mim é recebida como se fosse uma PS3 ou quando me trazem uma flor da rua e me entregam como se fosse um ramo da florista... e assim a recebo!
E podia aqui continuar por muitas e muitas linhas, que só de pensar nestas pequeninas coisas sinto um sorriso a rasgar-me ambas as bochechas e o dia fica de novo límpido e leve.
Não é fácil ser professor, pelo menos em Portugal, mas, quando se ama o que se faz, como eu, é sempre possível ser feliz no ensino e vale a pena a missão que assumimos...

FELIZ DIA DO PROFESSOR!

APRENDER E/OU AS MÉDIAS DA UNIVERSIDADE

Ontem o mais velho chegou a casa com esta conversa:
- Mãe, já sei que não vou para a universidade com média de 20. A Educação Física vai estragar a média toda!

Eu rio... não à frente dele, que estava com cara de assunto sério, mas dá uma certa graça ele estar no 5.ºano preocupado com esta questão!
E nem somos pais de pressionar com a questão das notas! Não somos mesmo.
Mas o rapaz colocou a ele próprio a fasquia muito alta que pode ser difícil de manter no 2.ºciclo, como manteve no 1.º, e tudo "culpa" das disciplinas mais práticas...

Eu respondi (com calma, ponderação e a seriedade necessária) que não precisava preocupar-se com isso e que o importante era ele gostar de todas as áreas e tirar o melhor partido de cada uma, não querendo dizer, com isso, que tivesse de ser muito bom a todas...
Ele não é um rapaz de espírito atlético, mas é saudável, come bem e pratica desporto... teremos apenas de o pôr a mexer um pouco mais, a andar mais de bicicleta ou outras atividades de que tanto gosta, mas que, por acaso, nos últimos meses tem colocado um pouco à margem, dando lugar a experiências e bricolage.

O meu filho tem facilidade de aprendizagem, disso não há dúvidas. Mas não é dos que se agarram aos livros desenfreadamente ou que estuda para além do estritamente necessário. Compreende o que lhe ensinam, revê o que ficou com dúvidas e, depois de entender, passa ao próximo conhecimento. Tem sede de aprender e martelar sobre o mesmo assunto não é a sua paixão, mas a descoberta e o incógnito.
Em pequeno, a avó chamava-lhe Harry Porter...
Tem uma cultura geral acima da média e capacidades inteletuais que lhe permitem "ser bom a aprender"...
Mas a Ed. Física, a Música ou o Visual, implicam mais... implicam outro tipo de experiências e de vivências, de capacidades físicas que tem descoberto nos colegas, por exemplo, que praticam futebol e que nele têm sido menos estimuladas...
Mea culpa? Talvez... Mas desta vez não vou chicotear-me por isso... Ele nunca se mostrou feliz de outra forma e se agora for preciso mudar rotinas e ideais, cá estaremos para o fazer, desde que os preconceitos e os (des)valores não estejam na base dessas mudanças...
Nem todos podemos ter capacidades nas mesmas áreas e é natural que assim seja. Não me assusta esta questão e nem coloco pressões. Nem o pai...
Mas quero que o meu filhote continue interessado na escola e que, aconteça o que acontecer, continue com vontade de aprender e valorize as capacidades que tem, não querendo ser diferente. Claro que pode (e deve) empenhar-se mais... trabalhar muito... mas, acima de tudo, ser feliz e continuar a ser criança. E as crianças não se preocupam com a universidade...

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

DOENTE

Na quarta já me deitei entupida e com dores de cabeça, mas ontem acordei mesmo bem acompanhada: dores de cabeça, suores frios, peso no corpo, rouquidão, nariz entupido...
Fui trabalhar e até os miúdos se aperceberam logo que não estava bem.
Fui piorando e nas aulas da tarde já estive com muitas dificuldades.
Mal cheguei a casa deitei-me e já estou com anti-gripe... hoje não se ouve a minha voz e a cabeça ainda lateja bastante. Fiquei em casa. Ainda não sai da cama desde ontem às cinco e tal. (Quer dizer, para ir ao wc levantei-me...).
Sorte que os filhotes já são autónomos, que o maridão também ajudou e que uma amiga e os meus pais tomaram o meu lugar nas viagens deles para a escola...
Sorte também ser um problema viral simples e, com descanso e medicação, não tarda estarei aí para as curvas...
Mas, como toda a gente, não gosto de estar doente!

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

MARATONA DA LEITURA

Na semana passada inscrevi-me numa maratona da leitura que ocorreu durante todo o fim de semana.
O objetivo era simples: ler o maior número de páginas dos livros que preferisse.
A vontade era grande: pensei logo que seria o motivo certo para largar tudo no fim de semana e passar muito tempo a ler.
A derrota foi enorme: não li nem 20 páginas!!!

És uma maratonista fracassada, Marisa!!!!

A desculpa perfeita é que tive um fim de semana com demasiadas tarefas e não consegui mesmo arranjar forma de colocar as outras de parte e dedicar-me à leitura. As prioridades pareciam totalmente trocadas, passei o tempo com o livro que (ainda) ando a ler no pensamento, mas a verdade é que tudo me pareceu mais importante e essencial e as tarefas sucederam-se umas após outras como se ligadas estivessem e cheguei a segunda-feira quase tão cansada como estava na sexta. (E até relaxei!!)

No entanto, acho que foi (muito) mais do que isso: foi também a questão da "obrigação".
Sim, porque aleada à lista imensa de assuntos pendentes para resolver, estava sempre aquele "peso" do "ter de ler", que era o meu maior receio em relação à maratona e que acabou mesmo por acontecer.

Definitivamente não gosto de ler por obrigação. Não gosto, ponto!
Mesmo que o livro seja escolhido por mim e a hora de o fazer também. Não foi só por isso que não consegui, mas contribuiu.
Do que gosto mesmo é de andar com o livro atrás de mim para ler quando me apetece... nem que seja no wc, que toda a gente aqui em casa diz ser o meu local preferido. (Não é!!!!)

E esta semana está a ser tão cansativa que fecho os olhos mal abro uma página... e até estou a gostar do livro!!!!!!