domingo, 31 de março de 2013

BOLO DE BETERRABA

Esta receita foi-me dada a experimentar primeiro pela D. Dilar... acho que se não tivesse sido desta forma nunca teria arriscado fazê-la pois não gosto de beterraba. No entanto, agradou-me desde a primeira dentada e resolvi pedir a receita. Claro que tive de adaptá-la à Bimby...

BOLO DE BETERRABA

INGREDIENTES:
4 ovos
400 gr. de açúcar
250 gr. de farinha
300 gr. de beterraba
100 gr. de azeite
1 colher de sopa de fermento
2 colheres de sopa de canela em pó

PREPARAÇÃO:
Colocar a beterraba no copo da Bimby e triturar durante 20 seg., na Vel. 7.
Juntar os ovos, o açúcar, a farinha, o azeite, o fermento e a canela e misturar tudo durante 5 minutos, na Vel. 4.
Untar uma forma com margarina e pulvilhar com farinha.
Deitar a mistura do copo na forma e levar a forno pré-aquecido, a 200ºC, durante 50 minutos (ou até estar cozido).
Este tostou um pouco demais num dos lados.

sábado, 30 de março de 2013

BONS BRINQUEDOS DO FAZ-DE-CONTA

Não há melhor brincadeira, mais divertida e que desenvolva mais capacidades e competências, do que a do "faz-de-conta".
Brincar ao faz-de-conta leva as crianças a explorar a sua imaginação, assumindo diferentes personagens e/ou personalidades, treinando ações e reações, obrigado-as, sem quase dar por isso, a resolver conflitos, prever acontecimentos, imaginar soluções e expulsar os seus medos e angústias.
Sou completamente fã desta brincadeira e acho que os "miúdos de hoje" não se divertem tanto a brincar porque não aprenderam, ou não os deixam, brincar às casinhas, aos acampamentos, aos polícias e ladrões, aos médicos, às lutas, às corridas/choques de carros, às mamãs...

Cá em casa, tenho 2 filhos completamente diferentes neste aspeto: ele "não sabe" brincar ao faz-de-conta sozinho, ela brinca a toda a hora (sozinha, muito ou pouco acompanhada). Juntos, brincam sempre ao faz-de-conta e sei que, se fossemos mais rigorosos com o não-computador, ainda brincavam mais.

Sendo um rapaz e uma rapariga, nem sempre foi fácil articular a brincadeira, (principalmente porque gostam ambos de "comandá-la"), pois é certo que cada género tem a sua forma e preferências a brincar, mas tem havido sempre cá em casa brinquedos de que ambos gostam e que facilitam esta tarefa. Acho que posso mesmo dizer que é nestes que temos "investido" mais. E, como não poderia deixar de ser, que em questões de brinquedos a qualidade e a segurança são uma prioridade, temos apostado em marcas mesmo muito boas, com coleções atrativas, duradouras e do "faz-de-conta".

A FISHER-PRICE E OS LITTLE PEOPLE
Estes foram os primeiros e os meus filhotes brincavam imenso com os bonecos, as casinhas e acessórios, os carros, os animais e outras peças, imaginando brincadeiras, ligando os vários conjuntos, articulando os dele com os dela e construindo histórias bem divertidas e engraçadas. Desde bem pequeninos que a casa se foi enchendo dos "litou pipou", como eles diziam, e que iam connosco para todo o lado, fazendo as delícias das brincadeiras no campo, no carro, na praia, em casa...
Verdadeiramente resistentes e muito seguros para a primeira infância, muitas vezes os manos brincaram com estes brinquedos, inventando histórias e espalhando peças pela casa.

Imagem retirada da net.

PLAYMOBIL
Quando eram um pouco mais velhinhos, por volta dos 4/5 anos dele, começaram a gostar de brincar com os bonecos da Playmobil e foi nessas coleções de, aos poucos, nós e a família começámos a apostar.
Existem imensos conjuntos de brinquedos, segundo diferentes temáticas e adequados a diferentes idades, consoante o tamanho das peças. Cá por casa começámos com os piratas, mas passámos por várias outras como as da casinha, do zoo, dos dinossauros... mais uma vez a palavras de ordem era brincar ao faz-de-conta e todas as peças têm sempre forma de se relacionarem umas com as outras, independentemente do género para que são mais indicadas. Cada um deles tem as suas, mas a verdade é que quase sempre andavam (e andam) misturadas na arca do tesouro (dele) ou na casa de 2 pisos (dela).
Mais uma vez a resistência, a diversidade e a qualidade dos materiais eram uma mais-valia.

Imagem retirada da net.

LEGO
Não sei precisar quando é que os meus filhotes começaram a brincar com Lego. Acho que desde que se sentaram, ou mesmo antes disso. Primeiro vieram as peças grandes, de fácil encaixe e, à medida que a idade deles aumentava, diminuia o tamanho e a quantidade de pormenores de cada conjunto. Sempre bricaram juntos. Primeiro construiam torres e outros edifícios... que destruíam alegremente para voltarem a construir. Depois foram ganhando o gosto por montar as coleções em conjunto, seguindo os passos dos manuais. Hoje em dia brincam ao faz-de-conta contruindo o que lhes faz falta à brincadeira e complementando com as Lego Friends e seus acessórios e as Mini-figures, num sem fim de hipóteses, que estimula a imaginação e os envolve em brincadeiras sempre diferentes. (Ultimamente até já os transformaram em Michael Jackson e nas personagens do Dragon Ball!)

Imagem retirada da net.

É claro que não quero com isto dizer que não há formas de brincar ao faz-de-conta sem usar brinquedos de qualquer marca. Claro que há e são até bem mais saudáveis e gratuitas... com pedrinhas e paus, com folhas, com papel, com peças de roupas dos pais (ou do Carnaval), com caixas e tampas, cartões a fazer de carros e mantas para construir uma tenda... Os meus filhotes também fazem muitas e muitas brincadeiras destas, ou não fossem eles completamente adeptos das brincadeiras mais malucas que possam imaginar, usando qualquer coisa que esteja à mão no local onde se encontrarem.
Mas defendo que, se formos (quisermos e pudermos) oferecer brinquedos às crianças, devemos ter em conta a sua qualidade e o tipo de brincadeira que deles podem fazer. E aí aposto muito mais nestas grandes marcas do mercado do que em outras, mais baratas muitas vezes, mas que limitam o imaginário e facilmente se estragam, podendo pôr em risco a saúde e o desenvolvimento intelectual dos nossos filhos.

quarta-feira, 27 de março de 2013

SENTIMENTOS DOS (GRANDES) AMIGOS PEQUENINOS

Há pouco mais de um mês, fiz 35 anos.
Não tive vontade de os comemorar, nem os anunciei, estive até doente nessa altura e não fui trabalhar.
Acho que pensei que me encontrava (com sorte) no meio da vida e muita coisa acumulada veio à minha cabeça, pelo que procurei passar pela data sem ligar...

Mas quando voltei à escola, tinha muitas mensagens e desenhos dos meus pequenos (mas muito grandes) amigos: os meus alunos.
E como este cantinho serve, de vez em quando, para eu própria recordar momentos da minha vida, tenho de aqui deixar alguma frases que me tocaram e que quero ter sempre na mente, principalmente nos dias mais duros.

Muito me ensina
Aprendo muito consigo
Rio-me também às vezes
Importantes valores
Sempre transmitidos
Apenas gostava de dizer:

PARABÉNS
Trabalho de grupo

"Gosto de ti, professora. Parabéns."   Gonçalo A.

 "À melhor professora do Mundo eu queria dizer: Parabéns!"     Leonor

"Gosto muito de ti. Foste tu que me ensinaste. Gosto muito de aprender contigo e gosto que faças piadas. Espero que tenhas um bom dia."     Ângelo

"Parabéns melhor professora do Mundo.
Querida professora, ensinas muito bem e és muito minha amiga e dos meus colegas. Nós ficámos tristes por estares doente e gostávamos que fosses tu a dizer-nos algumas coisas sobre o sistema reprodutor, especialmente o Carlos. És uma estrela. Beijinhos."     Diogo

terça-feira, 26 de março de 2013

2 LIVROS REAIS...

Entre ontem e hoje terminei a leitura de dois livros, ambos contando histórias verídicas.

O primeiro, "Sorte", de Alice Sebold, que me tem acompanhando desde o dia 11, conta a história de uma vítima de violação, desde o momento em que tudo começou e quase até à atualidade.
A vítima foi a própria escritora, pelo que o relato é feito na primeira pessoa, o que faz com que o realismo com que os capítulos vão sendo contados me tenham deixado presa do início ao fim.
Alice foi uma vítima que lutou contra o homem que lhe mudou a vida e toda a experiência que nos é contada, da qual saliento o capítulo do seu depoimento em julgamento, me deixou ao mesmo tempo encantada e assustada, mostrando-me um mundo tão feio lá fora e como é possível sobreviver a um pesadelo real e manter a dignidade e a vontade de viver.
Fiquei com vontade de ler mais livros desta escritora, que teve nesta obra a sua primeira experiência literária, a qual lhe deu força para continuar a escrever.

O segundo livro, "Rúben, a espera é um prato", escrito por Isabel Costa, conta-nos a história de um menino português, lisboeta, que foi notícia no final dos anos 90 por ter morrido eletrocutado ao carregar no botão do semáforo para os peões.
Lembro-me perfeitamente deste acidente horrível que mudou a vida de uma família e que trouxe o pânico para as ruas e a indignação contra uma autarquia e uma empresa incapazes de se autoresponsabilizarem por algo que nunca deveria ter acontecido.
Neste livro, tudo nos é contado, ao mesmo tempo que conhecemos mais de perto todo o núcleo familiar, criando, inevitavelmente, empatia para com as personagens principais e inconformismo perante um episódio que nunca deveria ter acontecido e que marcou a vida de muita gente.
Isabel Costa, num discurso simples e realista, mas ao mesmo tempo humano e consciencioso, descreve pormenores que eu desconhecia e dá a conhecer o início do desfecho de uma luta de vários anos travada por uns pais que precisavam que alguém assumisse a responsabilidade pela morte do seu filho de 13 anos.

Gostei bastante de ambos os livros.

Não deveria ser preciso conhecer pesadelos na vida dos outros para dar valor ao que temos, mas a verdade é que acabei por pensar nas contrariedades da (minha) vida como pequeninos obstáculos que tenho obrigação moral de ultrapassar com mais facilidade perante tantos problemas gravíssimos que acontecem na vida de tanta gente. E nem é preciso pensar na fome, na guerra ou nos desastres naturais... basta olhar para o lado e ver como tanta gente vive com tão pouco e a necessitar tanto de todo e qualquer pouco que lhe possamos dar. Ainda que injustamente, imagens destas servem para me dar força e perceber que o meu caminho, apesar de ter curvas e pedregulhos como o de toda a gente, tem sido mais fácil de percorrer do que às vezes me parece.

segunda-feira, 25 de março de 2013

MALDITA CÂNDIDA...

Há uma senhora (fungolenta) maldita que gosta muito de visitar a minha pessoa: a Cândida!
Apesar de eu ser simpática e afável, não gosto da sua visita e passo-me quando por cá fica muito tempo.
Durante o dia, ainda se aguenta, se conseguir manter-me sempre ocupada e a água do bidé estiver sempre prontinha a dar-lhe uma banhoca...
Mas durante a noite... esgatafunho-me e acordo com a chata da visita a incomodar-me!
Desde novinha que andamos um pouco a jogar às escondidas, ela e eu, para tentarmos manter sempre a distância.
Consegui durante uns anos afastar-me dela, arranjando um improvável inimigo que estava em mim instalado e que, sem eu saber muito bem porquê, evitava, de algum modo e inconscientemente, a visita da dita cuja.

Mas desta vez, a minha "amiga" está a ultrapassar todos os limites.
Parece que veio de armas e bagagens e não quer partir. Trouxe consigo reforços, de certeza, e aposto que, durante os últimos meses, se andou a preparar para, agora, estar em excelentes condições e me deixar louca por completo desde que o ano começou.

Sim, já cá está há mais de 2 meses e já a expulsei 3 vezes, com tratamentos diferentes, e por causa dela hoje passei mais de 2 horas na Hospor, entre consulta e exames (já se desconfiava de uma parente bactéria que poderia estar por perto) e mais outra à procura do quarto tratamento.

Veremos se hoje me deixa dormir em condições...
A certeza que tenho é que já me deu "direito" a uma visita de urgência ao ginecologista na próxima quarta-feira, logo pela manhã, para novas averiguações e acordo de transferência da Cândida para outro sítio qualquer. Livra!!!

domingo, 24 de março de 2013

SEMPRE A APRENDER...

Nestes últimos dias tenho falado com algumas pessoas que não vejo há anos...
Nestes últimos dias tenho colocado questões para as quais há anos que não queria ver as respostas...
Nestes últimos dias tenho retirado culpas de cima de mim...
Nestes últimos dias tenho percebido que há efetivamente pessoas que não se importam com os meios para atingir os fins... os seus fins... por cima de tudo e de todos, mesmo de quem amam...
Nestes últimos dias tenho aprendido que nem toda a gente tem o coração grande como o meu, mesmo que o tente mostrar (será já essa tentativa uma prova de pequenez?) e que nem toda a gente ama da mesma forma...

Estou sempre a aprender.
E como isso é bom, como nos faz crescer!

quinta-feira, 21 de março de 2013

COM DIREITO A AUTÓGRAFO

Sejam quais forem as restantes prendas de Natal, no meio dela tem de vir sempre um livro. E em 2012 não foi diferente. Os outros presentes foram mais em conta do que de costume, mas junto dos brinquedos oferecemos um livro a cada um.

Para o Simão escolhemos o primeiro volume de uma nova coleção: "O Bando das Cavernas".

Há umas semanas atrás, de passeio pela Bertrand do Fórum Montijo, vimos este cartaz e não pudemos deixar de marcar na nossa agenda conhecer o escritor Nuno Caravela, que tão bem escreve e ilustra esta coleção.

Comprámos o segundo volume e oferecemos à Matilde e, no domingo, dia 10, de livro na mão e com uma grande ansiedade, lá foram os meus filhotes à procura do autor destas histórias divertidas e com ele trocaram algumas palavras.
Já gostava do tipo de livro, das histórias (a Matilde devorou o primeiro em poucos dias) e das ilustrações, mas depois de conhecer Nuno Caravela fiquei completamente mais fã.

Com uma simplicidade fantástica, uma ternura e simpatia para miúdos e graúdos, saudou-nos, escreveu um autógrafo personalizado, ofereceu um desenho feito por ele a cada um dos filhotes e ainda lhes deu uns marcadores para eles e outros para oferecerem.



Conscientemente, sei que estas sessões servem para fazer publicidade aos livros e para vender mais alguns, mas a verdade é que o ambiente nem o fazia parecer e a forma afável como fomos tratados fez-nos ficar com vontade de por lá ficar na conversa e comprar logo o terceiro volume.

Ficaram as recordações magníficas, que guardarão com carinho, as fotos do grande momento, a promessa de comprar o terceiro junto com o quarto, que sairá em abril, e um conforto no peito por sentir que é verdadeiro e puro o entusiasmo que transparece nos livros, porque o seu autor é uma pessoa de luz.

terça-feira, 19 de março de 2013

QUESTIONÁRIOS NICEQUEST

Há uns meses atrás fui convidada a increver-me no site nicequest, com o intuito ser colaboradora, respondendo a alguns questionários.

No início, andava sempre lá de roda, a ver se apareciam alguns novos para responder, mas, aos pouco, fui percebendo que os mesmos vinham parar ao meu e-mail e que, comodamente, na altura que os recebesse (ou visse) poderia responder com alguma calma e muita sinceridade.

Cada vez que respondo a um questionário, que poderá demorar entre 10 e 30 minutos, conforme o assunto e a facilidade com que respondo às questões, vou ganhando o que eles chamam de "pontos-caracol", os quais vou juntando e, a qualquer momento, posso trocar por presentes de várias categorias, desde pequenos eletrodomésticos, a livros, música, brinquedos, revistas, produtos de cosmética e perfumaria, entre outros.

Ainda só usei os meus pontos duas vezes e, como sou pessoa dada a leituras, troquei-os por um livro para mim e a assinatura de 3 meses de uma revista para os filhotes.


O meu já chegou e já se encontra na "lista de mesa de cabeceira" que tenho preparada.
A primeira revista chegará no final deste mês...

segunda-feira, 18 de março de 2013

HÁ 8 ANOS ATRÁS...


Neste exato dia, há 8 anos atrás, a esta hora já sentia algumas contrações...
Estava sozinha em casa com o meu Simão e fomos, os dois, recebendo os sinais de que a mana queria conhecer-nos...
Ainda faltavam 13 dias para as 40 semanas, mas senti desde cedo que ela iria nascer.
Fiquei caladinha, sem dizer nada a ninguém, aproveitando o último dia a sós com o meu amorzinho de 20 meses...
As contrações foram apertando... quando doía, deitava-me com ele na minha cama, trocando mimos, e fazia contas aos intervalos entre cada uma, treinando a respiração que aprendi nas aulas pré-parto. Não queria, de forma alguma, estar tantas horas no hospital à espera como no caso dele... preferia estar em casa, no conforto da minha cama, com a minha companhia preferida, do que sozinha numa sala fria, numa cama de grades...
Nos intervalos, fizemos tanta coisa, os dois!!

Esperei que o pai Hugo chegasse do trabalho para lançar o "alarme". Nada de rebentarem as águas... já com o mais velho fora assim. Lá para as 18 horas é que começaram as pressas com as contrações de 7 em 7 minutos...
Uma passagem pela Hospor, onde era acompanhada pela excelente Dra.Conceição, que negaram chamar dando desculpas... hoje agradeço ela não ter lá nascido...
Correria louca para o Barreiro, com direito a quatro piscas e a acalmar o motorista.

Eram quase 20h quando lá entrámos e todos acharam que tinham muito tempo, até me observarem e dizerem que já não dava para epidural. Por minutos pensei nas dores que sentura no parto do Simão, mas esqueci-me logo na contração seguinte...
Depois, foi um instante...

Fui muito bem tratada e quase recebi a Matilde com o Hugo ao meu lado...
O enfermeiro-parteiro, um homem tal como com o mais velho, que fez o seu primeiro parto... e correu tão bem... Valeu-me bem ter aprendido como fazer força para facilitar o parto, como respirar nos intervalos...
Eram 20h50 quando ouvi a minha princesa chorar e foi reconfortante recebê-la nos braços e ver também alegria nos olhos ao meu redor.

"É uma bebé tão linda!"
"Parabéns, mamã!"
 ... foram frases que ouvi logo, mas o meu coração já sentia um amor imenso por aquela menina rosada e chorona, que em breve, já vestidinha de cor-de-rosa, estaria deitada junto a mim para sempre.


PARABÉNS MATILDE!

domingo, 17 de março de 2013

MAIS MILKA

Aqui em casa não há mesmo doce que dure muito tempo e os bolos e chocolates da Milka não foram exceção.
Até os meus alunos, no dia seguinte a ter recebido a caixa, achavam que eu ía ficar em casa doente com dores de barriga por ter comido tudo no mesmo dia!!!
Não acertaram... mas estiveram perto.
Tudo foi devorado em poucos dias pela família, que simplesmente adorou todas as variedades recebidas.

O chocolate Milka é realmente muito saboroso e os bolos e bolachas que experimentámos revelaram-se um excelente complemento de lanche para os miúdos.
Cá em casa cada um escolheu os seus preferidos:

O pai Hugo gostou principalmente dos "Choco Biscuit", dizendo que "são uma delícia" e acrescentando "Venham eles!!!"

A Matilde preferiu os Choco Wafer. Ela é grande apreciadora de bolachas de baunilha e esta variedade Milka associa a saborosa bolacha ao seu chocolate de leite, numa deliciosa supresa.


O Simão, conhecido na família como o chocolatodependente, preferiu os Choco Twist, que são uns bolinhos (tipo madalenas) com um sabor muito caseiro e o chocolate a espreitar subtil, mas intensamente. Que maravilha!


Os meus alunos ajudaram a experimentar as Choco Minis...
Comparando com outras bolachas muito parecidas do mercado, foram capazes de dizer que estas são menos enjoativas e mais saborosas, comentando mesmo que a "estrelinha" não se separa da bolacha assim que se abre o pacote, o que, quanto a todos nós, é um ponto muito positivo.

Eu, muito sinceramente, que ninguém me paga para fazer publicidade enganosa e seria incapaz de mentir mesmo que quisesse, só posso dizer que adorei todas as variedades e que sou incapaz de selecionar uma.

Confesso que o preço de qualquer uma delas não é o mais acessível, mas a qualidade compensa mesmo...   e um pacote de vez em quanto vai mesmo reaparecer cá por casa!!!

sábado, 16 de março de 2013

MONSTRA FESTIVAL 2013

Para além de termos ido fazer umas comprinhas de última hora para o aniversário da filhota, este fim de semana vamos mesmo ficar por casa a preparar a sua festinha de segunda-feira e a trabalhar em avaliações para rentabilizar ao máximo o tempo.

Mas hoje lembrei-me de vir aqui falar do último sábado e em como gostámos de assistir a uma das sessões do MONSTRA 2013, o Festival de Animação de Lisboa, que teve o seu início do passado dia 7 e terminará amanhã.

Este festival de filmes de animação, curtas e longas metragens, teve um programa muito vasto de atividades, distribuídas por 11 salas. Entre mostras de filmes, concursos, workshops, sessões de família e exposições, muito havia para os amantes de cinema verem e ouvirem, envolvendo produções em representação de 48 países.

Nós fomos ao Cinema São Jorge, em plena Avenida da Liberdade, e assistimos à longa metragem brasileira "Brichos, a floresta é nossa", numa sessão em família que nos proporcionou uma tarde enriquecedora.


Não conhecia o Cinema São Jorge e adorei-o, bem como a toda a zona envolvente e rica em (antigas) salas de espetáculo.
Também gostámos de ver a exposição patente nas vitrines do cinema, onde apreciámos desenhos de Chico Liberato e de Mirai Mizue, bem como exemplos da Revista Banzai.


terça-feira, 12 de março de 2013

ÚLTIMAS LEITURAS

Ontem terminei dois livros que andei a ler em simultâneo e que, ao contrário do que é costume, não contavam uma história.

Um deles, inclusivamente, contava diversas e todas com uma lição de vida: "2.ª Dose de Canja de Galinha para a Alma", de vários autores e compilado por Jack Canfield. Posso dizer que me diverti, me emocionei, refleti sobre a vida e o sentido da mesma, associei os testemunhos nele compilados a momentos e episódios da minha vida e entendi melhor alguns deles.
Numa escrita bastante acessível e cativante, deu inclusivamente para ler muitas das histórias aos meus filhos, antes de adormecerem, e para conversarmos sobre elas e sobre as suas lições. Foi muito agradável... leve, sentido, profundo sem filosofias e descontraído.

O outro livro, "O segredo do amor", de Ruediguer Schache, fala-nos do que nos une às outras pessoas e do porquê de nos sentirmos atraídos por algumas e por outras não. É como que um guia para quem pretende encontrar o amor, o seu par de vida, para quem precisa perceber o que faz com que duas pessoas parecidas ou diferentes se apaixonem uma pela outra e consigam, ou não, manter uma relação de vida. Também nos conta algumas histórias de vida que ilustram as teorias apresentadas.
Será uma leitura importante para quem anda à procura do par ideal e a mim fez-me perceber como é que a minha relação com o (que acredito ser) homem da minha vida tem funcionado e de que forma os nossos ímans internos e a nossa persistência e empenho tem agido sobre nós desde que nos conhecemos, em outubro de 1996.

E hoje iniciei nova leitura, de um género bem diferente, cuja história já prendeu a minha atenção.

segunda-feira, 11 de março de 2013

A MINHA MÃE...

Ontem a minha mãe fez 52 anos. É uma jovem...
Eu sou a sua primeira bebé, a sua primeira princesa e sinto, muito do fundo do coração, que somos também um pouco "manas".
A minha mãe é uma mulher de armas, uma guerreira, uma lutadora...
É uma pessoa com um coração enorme, maior do que o resto do corpo e do que o pensamento...
É um ser humano generoso, bondoso, preocupado com o próximo (o do lado, o de perto, o de longe, o que precisa...)
A minha mãe é o meu exemplo de vida... com ela aprendi tudo o que sei enquanto mulher, mãe, filha, dona de casa...
Dela ganhei alguns dons, com ela aperfeiçoei o que fui descobrindo...
É uma mulher bonita, charmosa, que se sabe arranjar, que brilha em qualquer festa e sabe estar em qualquer lugar...tudo lhe fica bem...
A minha mãe sabe fazer de tudo um pouco e faz tudo num instante...
Ela ama a sua família como ninguém e é capaz de nos defender a todos e de tudo...
É uma mãe preocupada e amiga, que gosta de nos ver bem e sorridentes, é uma "verdadeira avó" que sabe mimar os netos e fazer com que os seus desejos sempre se realizem...
A minha "Mila" é uma pessoa de convicções fortes, de ideais e ideias fixas e confiantes, de sonhos, de convívio, de paz, de alegria, de luz...
A minha mãe é a melhor mãe do Mundo e eu tenho muito orgulho nela...

Ontem, com os cinco netos...

PARABÉNS, MÃE! 
(E OBRIGADA POR TUDO...)

domingo, 10 de março de 2013

ORGULHO DE IRMÃ, DE CUNHADA, DE PRIMA...

Ontem tive um dia cheio de emoções, que terminou com a maior: fui assistir ao primeiro "concerto" do meu irmão.
Há já alguns anos que ele toca viola-baixo, tal como o meu pai. Foi descobrindo sozinho, recebeu dicas, estudou, foi aperfeiçoando técnicas e conhecimentos... treinou muito.
Há alguns meses, juntamente com a minha cunhada Maria, o meu primo Luís, que também segue as pisadas do pai (meu tio) na bateria, e com mais 2 amigos formaram uma banda de rock que aposta só em originais: os INNER SOURCE.

São 5 amigos apaixonados pela música, pelo rock e por temas originais e que decidiram tentar levar mais longe o seu sonho de vida e ontem tiveram a sua primeira atuação ao vivo.
Foi aqui no concelho de Palmela, no "Março a Partir", um Encontro de Bandas de Garagem, e nós todos (família e amigos) estivemos lá a aplaudir. Foi uma emoção grande ver três pessoas tão importantes para mim em palco! Dá para explicar a sensação, pois é boa demais!


A minha cunhada estava aparentemente mais confiante, até porque já fez parte de outros grupos e experiências musicais e está mais habituada a cantar em público. Estava com um ar bonito e descontraído, mesmo à estrela de rock. (LOL) Cantou muitíssimo bem e com grande à vontade em cima do palco.

Para o meu irmão e primo é que foi a primeira vez em palco... e foi uma grande estreia! Estavam nervosos, apesar de com ares muito diferentes. Os dois lindos e compenetrados cada um no seu instrumento... e que bem que estiveram! São bons no que fazem e é muito importante que o saibam e que o valorizem, pois os dons não devem ser guardados, mas explorados e mostrados. Apostarei sempre neles!

Eu vim de lá de peito cheio e uma alegria que me vai deixar contaminada por um bom tempo...

sábado, 9 de março de 2013

DAEWOO POR MAIS UM ANO

Cá em casa é em março o mês dos automóveis: o meu é de 10 e o do maridão é de 31.
Por isso, nesta altura tem de haver sempre tempo para revisões, inspeções e imposto de circulação.

O meu boguinhas azul escuro este ano teve de levar um vidro da frente novo, que andava estalado há já alguns meses (erradamente), mudar umas luzes e pouco mais e hoje lá foi ao inspetor ver se estava em condições de continuar a levar-me a passear em segurança.
E passou!!!
Tudo bem com ele, graças ao meu ajudante cá de casa, que controla o óleo, a água, os pneus e todo o resto que não seja pôr gasolina, apesar de não andar tão limpinho como seria de esperar num carro "de gaja"...(gosto é de ir aos centros de lavagens com os miúdos!).

E temos Matiz por mais um aninho (se Deus quiser!), que o dito "selo" também já está comprado...
E haja euros este mês!!!


sexta-feira, 8 de março de 2013

AMIGADALITE

A nossa "amiga" amigdalite está de férias cá em casa!
Ela já sabe que não gosto que apareça, principalmente usando as crianças, mas este ano até que se tem portado bem e não tem aparecido muito... e avisa sempre!!

Desta vez veio com a Matilde.
Mandou uns avisos como de costume: dores de garganta, dores de cabeça (consequência de sinusite e entupimento com expetoração), cansaço maior do que de costume...
Fomos preparando a casa... primeiro só Maxilase... depois veio o Panasorbe...
Como a coisa não passou, acrescentámos o Brufen, intercalado...

Mas ontem à noite, a nossa "amiga" fez-se notar com mais força e chegou a febre.
A princesinha mostrou que a visita era mesmo definitiva e o seu ar era todo de doentinha. Sete e pouco e já estava a pedir caminha... nada de jantar... ainda disse que queria leitinho, mas já não aguentava com a cabeça levantada e com frio...
Fomos juntas para a minha caminha, ela medicada, eu carregadinha de ternura e paciência... acabou por adormecer ao meu colo... deitei-a e ficámos abraçadas, enquanto lhe fazia mimos e massagens na cabecinha.
Adormeci também.

Às cinco da madrugada acordou com dores, mas também com uma fome danada e com uma vontade incontrolável de falar... ficámos juntas na sala, bebeu galão de pacote frequinho (que adora)  e depois, quando se sentiu melhor, viu as suas Winx, enquanto fiz o TPC que trago diariamente e que coloquei de lado na noite anterior...

Como não estava melhor, o pai foi o enfermeiro de serviço e ficou com ela em casa, que não estava capaz de ir à escola. E foi a ele que o médico confirmou que a "amiga" já cá estava... e ainda bem que já estavamos a fazer o tratamento correto e que é só continuar, pois evitámos o antibiótico...

E pronto, ela está por cá, mas vai de abalada daqui a pouco tempo. E ainda bem, pois detesto ver os meus meninos doentes e sem aquela energia contagiante que, às vezes, até nos cansa!!

quinta-feira, 7 de março de 2013

PRIMEIRA ANTESTREIA

Desde que ouvi falar no filme "Oz, o Grande e Poderoso" que fiquei curiosa sobre a forma como a Disney iria colocar nos ecrãs uma história tão rica em lições de vida e em magia: "O Feiticeiro de Oz". Não vi nenhum trailer, nem sabia bem quais os atores ou que tipo de filme seria, mas há ano que me maravilho com o que estes estúdios cinematográficos conseguem fazer.
E correu tão bem a minha mana ter bilhetes para a antestreia!!! E que sentimento especial este de convite para ser das primeiras a ver algo que já desejava...

Assim, graças a ela, ontem fui, pela primeira vez, à antestreia de um fime.
Fomos cedo, para levantar os convites, jantámos juntas, colocámos conversas agradáveis em dia e enveredámos no mundo mágico de uma história de encantar que nos ofereceu um misto de emoções em 3D.

Divertimento, alegria, medo, espanto, surpresa, revolta, carinho, adrenalina, magia... são alguns dos ingredientes deste filme espetacular que aconselho a pessoas de todas as idades que se deixem guiar pelo sonho e que gostem de emoções fortes. Não sei se o considero um filme infantil, apenas fantástico.
As personagens cativam-nos, desde as mais bondosas, às malvadas, passando pelas cómicas, o guarda-roupa e a cenografia são de elevadíssima qualidade, os efeitos visuais conseguem fazer-nos sentir num mundo novo, o argumento deixa-nos a pensar se se trata de uma história diferente, de uma reintrpretação, de um início ou de um final...

E com aconselho e quero levar o resto da família a ver o filme, deixo aqui o trailer, bem como uma entrevista feita sobre o mesmo por Prince Michael, filho de Michael Jackson.

terça-feira, 5 de março de 2013

OS CONTRATEMPOS...

Tenho vivido alguns contratempos ultimamente.

Fiz coisas que não pensei ser capaz de fazer...
Disse frases que há muito queria e devia dizer...
Senti desgostos que não imaginei sentir...
Perdi pessoas que não sei exatamente se as tinha ou porque estavam aqui...
Desejei resultados que estavam fora dos meus planos e listas...
Fiquei parada depois da tempestade passar...

Mas agora, neste preciso momento, depois de ter refletido e aprendido com todos os contratempos, chego à conclusão que sou mais forte do que imaginava e que, se choro ainda é porque contive as lágrimas muitas vezes a pensar nos outros.
Preciso ganhar algum egoísmo e algum orgulho. Há muita gente que se aproveita dos humildes e altruístas, principalmente quando se consideram inferiores e precisam rebaixar os responsáveis por duvidarem de si mesmos.

segunda-feira, 4 de março de 2013

BOLOS E BOLACHAS MILKA

Após alguns contratempos com a entrega, chegou hoje ao meu local de trabalho uma caixa muito apetitosa, que ansiava desde que me inscrevi no Projeto trnd dos Bolos e Bolachas Milka. Inscrevi-me porque adoro chocolates e bolachas, tal como todos cá em casa e tenho tentado participar em alguns projetos desde que pertenço à comunidade trnd, que é um grupo de marketing de passa-palavras.

Estava na sala de aula e não imaginam a alegria das minhas 20 crianças quando me viram entrar com aquela caixa roxa cujas letras tão bem conhecem!!! Acalmaram com a promessa que seriam os primeiros a experimentar. Que pena não ter levado a máquina fotográfica para registar o momento em que abri uma embalagem de Choco Minis e distribui por todos, ou melhor, uma máquina de filmar para registar também frases como:
- Hum, que delícia!
- É tão bom!
- Nham! Nham!

Mas consegui apanhar fotograficamanete o momento do meu guloso-mor entrar com a caixa em casa, depois de ter passado a viagem de carro a abrir as embalagens e a experimentar um bolo de cada com a mana:

E agora temos cá estes produtos deliciosos para experimentar e ir dando opinião:


  • 2 embalagem de Cake & Choc.
  • 2 embalagem de Choco Twist
  • 1 embalagem de Choco Minis.
  • 1 embalagem de Choco Wafer.
  • 1 embalagem de Choco Biscuit.
  • 1 embalagem de Choco Moooo.

domingo, 3 de março de 2013

UM GATINHO ESPECIAL

Na semana passada fui desafiada, de forma inesperada, a criar um presente para um aluno da turma dos "Gatitos Valentes" como prémio de ser o visitante 10 000 do seu blogue.
Claro que o desafio me foi feito pela minha própria irmã, que este ano está a trabalhar com esta turma, mas não posso deixar de dizer que fiquei muito lisonjeada e que, nesse dia, estava mesmo a precisar de um incentivo para não cair num daqueles dias de inércia que me deixam para baixo.

Decidi desde logo aproveitar para treinar as costuras com meias e fiz algumas pesquisas na internet.
Como nenhuma das hipóteses que descobri me agradou totalmente, resolvi juntar tudo o que aprendi com elas e seguir os meus instintos, tentando fazer um gatinho amoroso, que parecesse gostar da escola e que desse alguma alegria à criança que o receber.
Acho que alcancei os objetivos e espero que o premiado fique muito feliz.

 Com uma das meias, fiz o corpo do gatinho.

 Acrescentei-lhe umas orelhas e cosi na parte de trás da cabeça.

 A outra meia foi cortada para os braços e para a coleira.

 Desenhei o primeiro esboço da cara do gatinho e cosi os braços ao corpo.

 Tive uma ajudante na hora de colar algumas peças especiais: uma almofadinha feita com outra meia e uma mochila que era das barbies e já estava meio estragada.

 No final, ficámos todos muito contentes e encantados com a gatinha!!!

A cara é sempre o maior desafio destes bonecos de meia e usar diferentes materiais ajuda um pouco.

sábado, 2 de março de 2013

NÃO AOS PRECONCEITOS DA ROUPA EM 2.ªMÃO

De manhã fui ao Pavilhão Municipal de Exposições da Moita, espreitar a Stock Off.
Lá estão representadas várias lojas, da localidade e de fora, que vendem os seus produtos a baixos preços, com promoções dos 50 aos 80%. A grande maioria vende roupa e acessórios de moda, alguns dos quais a bons preços.

Quem me convidou a visitar este evento foi a mãe de um dos meus alunos, que tem uma loja de artigos em segunda mão, onde vou algumas vezes. Sou defensora deste conceito, pois penso não haver necessidade de desperdiçar (roupas e dinheiro), nem de manter caixas e caixas de peças que não usamos (nem vamos usar mais), que só servem para encher despensas e afins.
No entanto, mais uma vez fiquei a conhecer uma faceta da maioria (?) das pessoas que é completamente diferente da minha: o preconceito em relação a este assunto. Será possível nos dias de hoje haver quem tenha vergonha de frequentar estas lojas e, até, de vender nelas alguns artigos? É possível sim!!! Fiquei a saber hoje, pela voz de especialistas, e isto deixou-me pensativa. Então e o conceito de reciclagem, tão bem divulgado e mais que explorado e publicitado em todo o lado há já tantos anos, não se aplica a esta questão? Será que os meus filhos e sobrinhos são os únicos que usam roupa que já foi usada por outras crianças? Bolas, nem quero acreditar que, apesar da crise (para já não falar do antes dela) as pessoas sejam preconceituosas a este ponto.
Eu não sou e tenho adquirido peças lindas a preços fantásticos. Uso muito a net para este efeito e mal posso esperar pela primavera para começar a usar alguns pares de sapatos que chamam por mim todas as vezes que passo no armário deles.
E hoje, da "Veste D' novo sem preconceitos" trouxe estas chinelas fantásticas, que são a minha cara e que já procurava há bastante tempo:


Custaram-me 5 euros. Que tal?

Não tenho vergonha de dizer que nem toda a roupa da minha filha é nova (para ele tenho mais dificuldade em arranjar). Algumas peças custaram 2 euros e estão como novas e nela brilham que é um espetáculo, modéstia de mãe à parte. Bem conjugadas, adequadas ao tamanho e ao género das crianças, ficam muito melhor do que novas muito grandes (ou curtas) e mal combinadas em cores e feitios! Isso garanto e tenho vários exemplos à minha volta que até arrepiam!
Não tenho vergonha de dizer que também uso roupa que foi comprada e usada por outras pessoas... adapto-as a mim e gasto muito menos dinheiro. Mais importante do que o preço e a idade das peças é o gosto de cada um e o conforto que sentimos dentro de roupas e usando acessórios.

Não comprei mais nada, porque não encontrei nada de que precise, mas não vim embora sem comprar uns pãezinhos caseiros, acabadinhos de fazer, que cheiravam que era uma delícia. (E que souberam tão bem a acompanhar o esparguete à bolonhesa que o meu homem fez!)

E que bem que me soube ver por lá outro dos meus alunos que, de sorriso rasgado, me chamou lá do fundo e veio abraçar-me, e ouvir um pai dizer "Deve ser tão bom sentir assim que eles gostam tanto de si!".... principalmente depois de meia semana a "penar" por causa de desacordos em relação às relações que se estabelecem na escola, que quase me deixou a pensar que a censura estava de volta e que já não vivo num país onde tenho direito a uma espaço MEU onde deixar a MINHA opinião.

sexta-feira, 1 de março de 2013

MAIS TEATRO... MAS DE ADULTOS!

Hoje vou com o maridão ao teatro.
Estou na expetativa, mas é sempre agradável a experiência.


Depois, talvez passe na Moita para a Feira Outlet que decorre por lá...
Veremos.
Precisam-se momentos bons, pois esta semana tem sido horrível!!!!