segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

A PRAÇA DO BOCAGE

Desde miúda que me lembro de ir passear à Praça do Bocage...
Desde essa altura que lhe encontro magia e cor.
Por lá as vezes acontecem algumas iniciativas especiais. Dela saem as ruas da "baixa de Setúbal", que têm as lojas tradicionais mais antigas e movimentadas da cidade. No centro dela, mora a estátua do poeta setubalense que ousou brincar eroticamente com as palavras e marcar a diferença. Por perto fica a escola onde passei toda a adolescência, a taberna castiça onde íamos às bifanas, o sítio onde se vende o melhor café, o espaço onde foi a maior loja de drogarias, nas qual visitava o meu tio sempre que ía à cidade, a Biblioteca Municipal onde fazia as pesquisas para os trabalhos, a sapataria dos padrinhos da minha irmã... A ela liga-se a Avenida Luisa Todi, onde gostava de sair à noite e onde estão os bares que frequentava na juventude. Na própria praça, passeei pelas mãos da minha mãe e da minha avó, bebi os primeiros cafés com as amigas e fui praxada quando entrei para a ESE de Setúbal...

Mas nada disto tem o encanto e a ternura de um simples "dar de comer aos pombinhos" que por lá habitam e que se acostumaram a receber pedacinhos de bolachas, milho, restos de pão e tudo o que as crianças, felizes e sob olhar dos seus pais, lhes oferecem...
E é bom perceber como os meninos de hoje ainda se encantam com eles...
É bom levar os meus filhos até lá com o intuito de, ao alimentá-los, estamos no meio deles e sentimos que também conseguimos voar...
É bom ir lá de vez em quando e sentir que, para eles, foi novamente a primeira vez.

E hoje voltou a ser tão bom!
E ainda tivemos direito a bolinhas de sabão gigantes, carregadinhas de esperança no ano melhor, a condizer com um Natal que vem aí e que voltou a encher de gente as ruas na nossa cidade.
Menos de uma hora por lá resulta neste sorriso que hoje trago.



Sem comentários :

Enviar um comentário