segunda-feira, 30 de setembro de 2013

SOBRE BULLYING

Há dias recebi um mail com uma história sobre o bullying na escola. Não sei quem a escreveu, se é verídica ou ficção mas amanhã vou partilhá-la com os meus alunos e debater o assunto. Talvez faça a experiência...
Não é que entre eles este problema se verifique (que um dos meus motivos de orgulho nas minhas turmas é que os alunos são sempre muito unidos e com espírito de grupo), mas este assunto é demasiado importante para ficar escondido e é sempre bom pensar e falar sobre ele.
Vale a pena ler!!!

 
"Uma professora quis ensinar à sua turma os efeitos do bullying.
Pediu-lhes para seguirem as seguintes instruções. Deu a todos os alunos uma folha de papel e disse-lhes para a amachucarem, para a deitarem para o chão e para pisarem. Resumindo, podiam estragar a folha o mais possível mas não rasgá-la.

As crianças estavam entusiasmadas e fizeram o seu melhor para amachucarem a folha, tanto quanto possível. A seguir, a professora pediu-lhes para apanharem a folha e abri-la novamente com cuidado para não rasgar. Deviam endireitá-la com muito cuidado o mais possível. 
Chamou a atenção para observarem como a sua folha estava suja e cheia de marcas.
Depois disse para as crianças pedirem desculpa ao papel em voz alta, enquanto o endireitavam. Eles mostravam o seu arrependimento e passavam as mãos para alisarem o papel, mas a folha não voltava ao seu estado original. Os vincos estavam bem marcados.
A professora pediu para que olhassem bem para os vincos e marcas no papel e para que tomassem atenção para o facto de estas marcas NUNCA mais irem desaparecer, mesmo que tentassem repará-las.
"É isto o que acontece com as crianças que são gozadas por outras crianças", afirmou a professora.
"Podes dizer «Desculpa», podes tentar mostrar o teu arrependimento, mas as marcas, essas ficam para sempre."
Os vincos e marcas no papel não desapareceram, mas as caras das crianças deram para perceber que a mensagem da professora foi recebida."

1 comentário :

  1. adorei ... está espectacular. vou levar comigo. obrigada por tão excelente partilha

    ResponderEliminar