quarta-feira, 12 de junho de 2013

EXAMES NACIONAIS DO 4.ºANO

Vim da escola muito aborrecida.
Como se já não bastassem os resultados das últimas fichas de muitos dos meus alunos (que me têm deixado tristonha!), ver as pautas com os resultados dos exames nacionais de 4.ºano foi a gota de água...
Num sistema de ensino em que costumo acreditar não é suposto que mais de metade das notas sejam negativas a Português e a Matemática... Não é suposto ver tristeza no rosto de alunos, pais e professores quando os papeis são afixados, fazendo esperanças cairem por terra. Não é natural, não parece verdade, custa a reter e a perceber onde está o problema. Não consigo dizer que está nos meus colegas que lecionam 4.ºano, pois sei-os muito competentes... nem posso acreditar que metade dos alunos não tenha as capacidades médias exigidas para ir para o 5.ºano...

Os exames eram difíceis, especialmente o de Português, que exigia uma maturidade e nível de compreensão muito raros nestas idades e que não se mostraram de acordo com o que nos tem sido exigido ensinar durante quatro anos tão importantes na vida dos alunos. Mas este nível tão baixo deixa-me demasiado pensativa e apreensiva sobre o que andamos todos aqui a fazer e o que se pretende daqui para a frente.
Se pensar em termos políticos, posso dizer que este governo está a tentar mostrar que o anterior falhou com as mudanças que fez no ensino... Talvez porque estão a programar mais alterações, sem sequer refletirem que todas estas mudanças em tão poucos anos não favorecem ninguém... pelo contrário!
Fico desanimada, desiludida e sem saber muito bem que conclusões retirar, pois sei do impacto que a escola tem na vida das crianças, digam o que disserem.
Mesmo que muitos queiram apenas usá-la como "depósito" de crianças para os pais irem trabalhar, mesmo que muitos estejam desmotivados e sem boas perspetivas, mesmo que ninguém perceba que atualmente muitas crianças passam tantas (ou mais) horas na escola do que os pais no trabalho... Não posso deixar de acreditar que esta área é prioritária no país e na vida de todos e que, tal como nós pais não devemos contabilizar a quantidade de tempo com os filhos mas a qualidade (e não é esta a "desculpa" que muitos dão para não se sentirem mal ao deixá-los demasiadas horas entre escolas e atividades extra???), também acho que o certo é otimizar o tempo em que estão na escola e as capacidades de todos, abrindo as mentes e levando as crianças a pensar sobre o que aprendem, sem pressas nem pressões.

A dor e a tristeza que tinha quando cheguei a casa, só aliviaram quando sairam as notas dos tais exames de 4.ºano na escola dos meus filhos e vi os resultados do meu Simão: 4 a Português e 5 a Matemática!
Desde aí, o meu coração sorri de orgulho e de felicidade por ele, que até rebolou no chão de alegria!
Acho que foi merecido, porque sei das suas capacidades...
O mérito é também de todos os que o rodeiam (professora, pais, quiçá sistema de ensino), mas dele em primeiro lugar e em especial. Porque ele é capaz, porque o que fez no exame não foi por formatação nem estudo descomunal (nem o deixámos no apoio ao estudo como os outros! nem o obrigámos a treinar em casa!), porque continuou a brincar e a ser criança, porque encarou esta etapa como outra qualquer e assumiu o seu papel com responsabilidade, porque tem mesmo capacidades, porque é feliz... Por todas e quaisquer razões de que me possa lembrar e que venham dele próprio.
Estou tão orgulhosa dele!!!


E estou tão perdida no meio de me quererem fazer crer que todos os alunos são iguais e merecem estudos iguais, em turmas exatamente do mesmo tamanho, com currículos iguais e exigências iguais, com caminhos quase iguais, com inclusão e diferenciação fingida (porque na maioria das salas todos fazem tudo igual, com mais ou menos capacidades), porque tudo surge exatamente igual, com manuais iguais e as mesmas obras literárias, seja para uma criança com vivências sociais fantásticas, seja para miúdos que não sabiam que a lua mudava de local durante a noite...

Perdida, mas muito feliz aqui neste ninho, onde ainda posso guiar os meus filhos por caminhos diferentes, sem medo de serem como são, sem vergonhas nem vaidades...  mesmo que isso me faça sentir (às vezes) um "bicho" estranho ou de outros tempos!

2 comentários :

  1. Parabéns para o Simão!O meu sobrinho, hiperativo, teve 4 às duas disciplinas. Fiquei muito surpreendida, pois quando estudei com ele percebi que ele não prestava atenção nenhuma ao que estava a fazer. Temia que reprovasse, e para os miúdos, começar tão cedo a conviver com a competição e a frustação deve ser muito negativo...

    ResponderEliminar
  2. O seu filho está de parabéns!
    A minha sobrinha teve 2, tanto a Português como a Matemática. Telefonei para casa do meu Irmão para saber das notas. Não estava ninguém. Então telefonei para os meus Pais e a minha Mãe lá me deu a notícia....
    Resolvi não telefonar à minha Cunhada: deve estar pior que estragada!!!!! Coisas da vida.....

    ResponderEliminar