quarta-feira, 29 de agosto de 2012

35 ANOS DE CASADOS

Ontem os meus pais comemoraram o seu 35.º aniversário de casamento e, como vem sendo já habitual, reunimo-nos em sua casa para nos juntarmos à festa.
Não eramos muitos, mas os mais importantes estavam todos: os seus filhos, genros, nora e netos.
Ao todo já somos 13.... passaram 35 anos e, em vez de formarem apenas um casal já formam uma equipa de muitos elementos. Gosto de ter a família a crescer e sou mais feliz por cada elemento novo, cada bocado de coração que se multiplica.

Ontem estivemos juntos e tirámos a foto da comemoração: todos na mesma imagem, pela primeira vez. Foi um momento divertido, com muitas gargalhadas e trapalhices, mas conseguimos organizar-nos na sala dos "papás" e deixar-lhe uma foto de família, que muito nos agrada, porque estamos naturais, sem grandes arranjos nem preparações.

Em cima: eu, o meu maridão, a minha irmã, o meu cunhado, a minha cunhada e o meu irmão.
Em baixo: a minha mãe com a minha sobrinha Margarida e a minha filhota Matilde. o meu Simão no meio. O meu pai com os meus sobrinhos Madalena e Duarte.
 
 
Esta comemoração tem muito significado para mim, embora nem sempre o faça transparecer, pois mostra como é possível fazer o amor vencer muitos obstáculos, muitas fases difíceis, dramas, alegrias, zangas e festas, dificuldades económicas e de saúde...
 
Os meus pais são 2 pessoas muito diferentes, que muito admiro, cada qual ao seu jeito, e que casaram ainda muito jovens. Ela tinha 16 anos e ele tinha 19. Eu fui o motivo para não terem esperado mais tempo, mas hoje tenho a certeza que nasceram para ficar juntos "até que a morte os separe" (o que, espero, demore muito tempo a acontecer!!!).
 
A minha mãe é uma matriarca por natureza. Mulher de grande força e armas, é líder, sabe fazer tudo, tem um coração gigantesco, ama de forma tão intensa que até dói, deixa a sua marca por onde passa. É simpática, afável, terna, amiga, bondosa... gosta de dar... sonha ser rica para dar mais... gosta de nos ver sorrindo a toda a hora. Pensa pouco nela e muito nos outros e isso torna-a, ao mesmo tempo, uma mártir que sofre e uma feliz contemplada. Sozinha, move montanhas. Connosco por perto até tenho medo de imaginar o que consegue... daria a sua vida por qualquer um de nós e, apesar de encontrarmos mais palavras suas no silêncio e nas ações, sente imenso orgulho na família que criou. É uma mulher bonita, com uma pele fantástica, que se arranja bem e que brilha.
 
O meu pai é um homem valente, de fibra. Precisa de carinho e atenção, mas mostra que não. Gosta de nós como nunca gostou de ninguém, mas contenta-se por saber que estamos todos felizes. É habilidoso, perfecionista, trabalhador, inteligente, fiel... dedica-se ao que faz com tanto empenho que se esquece das horas e dele próprio. Não é homem de muitas palavras e a vida não o ensinou a expressar com facilidade o que sente, mas eu reconheço amor e orgulho no seu olhar brilhante. Gosta das coisas simples da vida, de poucas agitações... o mar, o campo... o silêncio e a música. A sua melhor amiga, a viola baixo, tem acompanhado a sua vida e fá-lo sentir-se feliz. É um homem charmoso, com uns olhos azuis lindos e com um ar de ternura.
 
Estou feliz por ter estes pais, por serem os meus pais, por ser eu a primeira princesa deles.
Estou feliz por não terem deixado que as fases difíceis os afastassem um do outro e de nós.
Estou feliz porque me deram 2 irmãos maravilhosos e receberam 3 filhos emprestados (genros e nora) e 5 netos de braços abertos...
 
PARABÉNS MÃE MILA! PARABÉNS PAI RUI!

2 comentários :

  1. Obrigada princesa! Estou sem palavras, Sempre que penso numa discrição sobre a minha pessoa, nunca tenho estas palavras, para mim própria!!! Amo-te.

    ResponderEliminar
  2. Que bela descrição e quão acertada! Que lindas palavras,mana. Adorei, adorei este teu post. Obrigado por iluminares o final do meu dia. Beijões

    ResponderEliminar