segunda-feira, 9 de julho de 2012

LER E LER...

Ler é, sem dúvida, uma das coisas que mais gosto de fazer na vida.
Tenho preferência por alguns géneros de livros, há escritores que me enchem completamente as medidas, mas a sensação de ler é, para mim, dos passatempos mais agradáveis e saudáveis.
Quando o trabalho acalma, nota-se logo pela facilidade com que devoro livros. E digo devoro não porque leio muito rápido, mas porque sou daquele tipo de leitor que não ouve nada à sua volta nem vê ninguém quando está a ler.
Estranhamente, não dou muito apreço a revistas e não leio jornais, mas adoro livros.
Gosto especialmente de romances, de policiais e de biografias.
Não sou das que conhece todos os escritores, pois leio qualquer livro, desde que a escrita e a história me prendam a atenção. Mas há alguns que me dão um prazer especial ao lê-los: Nicholas Sparks, Paulo Coelho, Eça de Queirós e Agatha Christie têm cantinhos maiores na minha biblioteca.
Adoro literatura infantil. Leio ao meus filhos praticamente desde que nasceram, normalmente ao deitar, mas também noutras horas e noutros lugares. Ultimamente confesso que o faço menos, pois os dois já leem muito sozinhos e às vezes adormecemos os 3 de livro na mão. Leio imenso aos meus alunos. Exploro as histórias, faço vozes e aproveito-as para conversar e ensinar. Há tantos excelentes escritores de literatura infantil em Portugal!!!

Gosto de livros que me façam sentir vontade de vestir a pele das personagens.
Gosto de livros que se dobrem facilmente, sem capas duras.
Gosto de sublinhar frases que me tocam mais profundamente.
Gosto de folheá-los à procura de bilhetes antigos que ficaram no meio das suas páginas ou recordando onde foi comprado ou quem me ofereceu.
Gosto que me ofereçam livros e que me escrevam dedicatórias neles.
Gosto de feiras do livro, de conhecer os escritores e ilustradores, de ir à biblioteca.
Gosto de filmes que nasceram de livros que já li e adorei.

Mas não me perguntem pela história de um livro só pela capa ou pelo título. Não decoro, não consigo associar na maioria das vezes. Pois, tal como faço com um bom gelado ou doce sobremesa, eu saboreio o livro na altura, entrego-me a ele a qualquer hora e em qualquer lugar, faço a digestão andando um tempo a falar nele e a pensar no que li, mas depois passo ao próximo... e volta tudo a acontecer.

1 comentário :

  1. Susana Marques Andrade10 de julho de 2012 às 20:58

    Marisa, tiraste-me as palavras da boca: adoro ler mas com o tempo esqueço as histórias. Por isso já li Os Maias mais de 4 vezes pelo menos... Gosto de ler as minhas ideias na tua escrita. Significa que de alguma forma sentimos o mesmo... embora eu não saiba usar as palavras como tu! Beijinhos grandes

    ResponderEliminar