sexta-feira, 20 de abril de 2012

EDUCAR PARA GERIR A CASA...

Só há poucos meses me apercebi, fazendo as habituais rondas e/ou pesquisas por blogues ou conversando com colegas, que nem toda a gente gere a casa como eu, ou mehor, que nem toda a gente sabe e aplica algumas das "dicas" que sempre fiz de forma natural desde que casei (há quase, quase 12 anos).

Percebi que nem todas as mulheres da minha idade tratam a roupa da mesma maneira, cozinham da mesma forma, limpam a casa do mesmo modo... parece idiotice minha, ingenuidade talvez (ou até sarcasmo), mas é a mais pura das verdades. Nunca tinha pensado nisso!!

Desde pequena que participo na chamada "lida da casa" e há muita coisa que faço nauralmente, porque aprendi com a experiência em casa da minha mãe. Sempre fui envolvida no quotidiano da família, participando ativamante e faço já o mesmo com os meus filhos, pois penso que não há maior escola do que a vida, apesar de me ter já apercebido que "nunca é tarde para começar" e "há quem nunca consiga/queira" aprender.

Quem estiver a ler esta mensagem está muito baralhado, de certeza!
Por isso, passo a explicar:

ROUPA:
- Sempre vi a minha mãe separar a roupa por cores para pôr a lavar, colocá-la na máquina, tirar nódoas dificeis, sacudir antes de entender e fazê-lo de forma a que a marca das molas não se note tanto, não deixar acumular muita roupa, mas ir fazendo máquinas e passando... em pequena comecei a participar nestas tarefas (inicialmente dobrando meias e cuecas e engomando panos da loiça) e passando de forma gradual a colaborar em mais tarefas e mais regularmente.

- Hoje sei como fazê-lo e acho que trato bem da roupa da família, tendo também ensinado o que sei ao meu marido (que participa em tudo o que for preciso) e estando já a ensinar os meus filhos. Cá em casa são eles que arrumam meias e cuecas e a Matilde já vai passando umas pecinhas (com vigilância mas sem o stress de proteção que sei que existe em muitas casas). Os dois sabem separar, pôr na máquina, estender e apanhar (e ajudam muitas vezes!).

CASA:
- Sempre observei a forma como a minha mãe mantinha a casa limpa e interiorizei as limpezas de forma global, tendo também participado gradualmente. Ponho as mãos na massa com facilidade e esfrego o que for preciso (sem luvas, porque não consigo nem gosto), sem deixar a sanita escurecer ou a loiça (suja ou lavada) acumular. Gostava de participar na limpeza semanal e na "grande" e aprendi diversos truques para manter a casa limpa.

- Hoje todos temos tarefas cá em casa e como "quem não trabalha não come", não há como fugir. Os quatro funcionamos bem em equipa. Há tarefas próprias e fixas de cada uma dos quatro, ainda que eu seja a "organizadora" e todos nos ajudemos quando podemos:
- O maridão é responsável pelos animais, por despejar o lixo, aspirar a casa, pôr e tirar loiça da máquina... mas também ajuda a passar a ferro se for preciso, arruma a cozinha quase todas as noites e é capaz de fazer todo o resto se eu estiver doente ou lhe pedir.
- Os pequenos também têm o que fazer: arrumar os seus quartos, arrumar roupa interior nas gavetas, pôr e levantar a mesa, regar as plantas, ajudar com os animais, passar umas pecinhas (a matilde), despejar lixo mais leve (o Simão), limpar o pó dos quartos ao fim-de-semana... mas também gostam de ajudar a limpar vidros e espelhos, embora nem sempre o façam.

COMIDA:
- Sempre vi a minha mãe cozinhar e, embora não tenha participado tanto como no resto, aprendi com ela as bases de todas as refeições e alguns pratos tradicionais que continuo a fazer. Quando casei já sabia fazer um refogado, um guisado, um estufado e etc e tal, embora só cozinhasse em casa dos meus pais quando eles não estavam (o que não era muito vulgar!).

- Hoje em dia tenho Bimby e cozinho (quase) tudo nela, mesmo os meus pratos habituais. Comprei-a por economia de tempo, mas já cozinhava de tudo e tenho aprendido imenso com a experiência. Não sou mestra, mas safo-me bem e sei cozinhar carne, peixe. legumes, tartes e tudo o resto. Os meus filhos sabem também trabalhar com a Bimby e ajudam algumas vezes nas refeições (mais a filhota, que adora e até tem uma mini-bimby!!!). Desde pequenos que participam, lavando os legumes, temperado ou forrando formas e desde que tenho esta máquina amiga que conseguem tudo o resto, desde que orientados. Os doces cá em casa são sempre feitos em trio e servem de brincadeira de família.


É claro que nem tudo faço como a minha mãe, pois somos pessoas diferentes e cada uma adequa a sua forma de agir à sua personalidade, necessidade e tempo. Sempre admirei a minha mãe e hoje agradeço-lhe muito tudo o que sei, por razões muito importantes:
- porque me ensinou como fazer;
- porque me deixou fazer;
- porque me explicou porque fazer deste ou daquele modo;
- porque me incentivou a fazer da melhor forma (adequada às circuntâncias da vida)...

Acho que tenho uma forma funcional de gerir estas 3 vertentes da vida de dona-de-casa (não a tempo inteiro, mas parcial). Hoje dou valor a isso porque vejo e percebo que muita gente não o aprendeu. Hoje educo os meus filhos também a participar, deixo que façam o melhor que conseguem (mesmo não sendo perfeito ou tão bem feito assim) e elogio tudo o que fazem, pois quero que aprendam-fazendo e com gosto. E, assim, as coisas são feitas em família e sem reclamações e servem de momentos de partilha e convívio entre nós os 4.

1 comentário :

  1. Mana, visto aqui tão bem descrito até parece fácil. Mas com tudo organizado é sempre com outro gosto que nos sentamos no sofá ou na secretária, depois do trabalho feito. Boa, mana!

    ResponderEliminar